24.11.2015
* Para assistir: S.O.S Mulheres ao Mar 2! ♥

Mais um post que rolou lá no blog Sem Clichê. Dessa vez sobre a comédia (brasileira) água com açúcar “S.O.S Mulheres ao Mar 2“.
Quem quiser ler a postagem inteirinha, clique aqui. (lembrando que volta e meia dou dica de filme por lá) 

sos-mulheres-ao-mar-2-e1447334411895

S.O.S Mulheres ao Mar 2 não chega a ser melhor do que o primeiro, mas rende muitas risadas e suspiros. ;-) Para quem não conhece, é a continuação da linda e divertida história de amor entre Adriana (Giovanna Antonelli) e André (Reynaldo Gianecchini). Nessa versão, os dois continuam juntos e se o amor colabora com eles, a vida profissional também. Ela como escritora e ele como estilista. Eis que de repente: André está prestes a lançar a sua nova coleção de moda durante um cruzeiro pelo Caribe e quem vai estar lá? Sua ex-noiva, que faz o estilo “vou lutar por uma reconciliação, só para sacanear a atual” #blarght. Claro que a Adriana não gosta nada da situação e decide relembrar os velhos tempos e convoca a irmã Luiza (Fabíula Nascimento) e a sua antiga diarista Dialinda (Thalita Carauta), que agora trabalha nos EUA e fala inglês como ninguém hahaha. O final dessa história? A gente imagina, mas vale a pena conferir cena por cena.

S.O.S - Mulheres ao MarProtagonistas! :)

Minha opinião: adorei e indico sim! Principalmente, se você é fã desses filmes água com açúcar. Adorei a abordagem que eles usaram de mostrar que por mais que você esteja entrando na casa dos 30/40 (principalmente as mulheres), isso é irrelevante. Você pode viver aventuras tão incríveis quando você ainda se considerava “nova”. Tudo depende da gente! Eu que estou quase completando 30 primaveras, foi superútil essa parte do filme.

SOS2_posadas_orlando_foto_mariana_vianna-5293_1-1024x512O trio :)

O inglês da Dialinda é o melhor. As sacadas são hilárias! Até as pessoas que não acham graça de nada, vão rir. A Luiza, continua daquele jeito decidido e com as melhores regras relacionadas ao mundo masculino. Porém, ao usar essas táticas, ela pode se deparar com outras que vão fazer o feitiço virar contra o feiticeiro. Mas o resultado pode ser bom. Quanto ao casal protagonista, impossível negar que eles tem a química perfeita em cena. Alguns personagens eu achei meio chatinhos, tipo o primo do boy da Luiza, porém deu para entender o papel deles. Sobre o fim: seguiu um script esperado, mas com um toque de surpresa. Mega indico (acho que ainda está em cartaz, mas qualquer coisa daqui a pouco tem no Now/Netflix)♥ 

Quem não assistiu, fica a dica. Quem já, conto o que achou. :)
Beijos, Carol.


3
11.11.2015
* Para assistir (e suspirar): ABC do Amor e Meu Primeiro Amor! ♥

Mais um post que rolou lá no blog Sem Clichê. Dessa vez sobre alguns filmes que demonstram o amor na sua forma mais pura.
Quem quiser ler a postagem inteirinha, clique aqui. (lembrando que volta e meia dou dica de filme por lá) 

03-josh-hutcherson-little-manhattan-1024x678

ABC do Amor ♥

Quando eu dei de cara com o primeiro término de namoro, o destino colocou esse filme na minha TV. Aprendi tanto com o Gabe. Ele foi tipo o meu melhor psicólogo nessa época. Uma história fofa e cheia de aprendizados. A primeira decepção amorosa dói tanto, que parece não ter fim, mas aos poucos as ideias vão clareando e a vida volta a ser boa de novo. E aquilo que era o problema foco, antes dele se apaixonar pela Rosemary, deixa de ser uma preocupação e vira uma surpresa boa. Lições que eu aprendi: as mulheres realmente amadurecem mais rápido, mas essa Rosemary é muito adulta para o meu gosto hahaha. E a principal: o amor é um negócio terrível, parte o seu coração e deixar você na pior. O que acontece no final? Nada além de algumas lembranças incríveis e inesquecíveis.

P.S: Gosta da trilogia “Os Jogos Vorazes”? Uma oportunidade de ver o Peeta numa versão criança fofa. 

3tzggztj

Meu primeiro amor ♥

Sabe aquele filme que você pode assistir um milhão de vezes, mas vai chorar na mesma intensidade sempre? Dessa história saiu as melhores lembranças com o meu pai e da minha infância. Conheci a música que o meu futuro marido irá cantar para mim no altar hahaha (My Girl). Também ganhei algumas decepções de leve: tentativas frustradas de imitar o salto no lago (no meu caso, era piscina hahaha) e procurar por um boy igual ao Thomaz para repetir o beijo mais fofo das telinhas.

Eu sei que o final é triste e deixa a gente arrasada. Odeio abelhas desde aquele dia! Mas até uma certa parte, o filme é bem divertido e engraçado. A paixão platônica da Vada pelo professor de poesias. O lado drama queen dela com o pai e com o médico da cidade. Os passeios de bicicleta, os conselhos da nova mulher do pai e, claro, os inúmeros momentos fofos com o Thomaz. Salvar um dos bens mais valiosos do seu primeiro (e único amor) foi uma atitude adorável (tirando a parte da tragédia, claro).

Gostaram? Espero que sim! :)
Podem opinar à vontade.
Beijos, Carol. 


4
03.11.2015
* Para assistir: Um Senhor Estagiário! ♥

Estão sentindo falta dos posts com dicas de filmes? Não tenho postado por aqui, mas volta e meia rola um post com histórias que amei assistir na telona dos cinemas lá no blog Sem Clichê, da Marcella Brafman. O último filme que indiquei foi “Um Senhor Estagiário“, com os atores Anne Hathaway e Robert De Niro. Então, para vocês terem noção do que rola no cantinho da Marcella, resolvi “repostar” aqui no PJ.

Um-Senhor-Estagiário-1-e1445849560493

Jules Ostin é a criadora de um site de venda de roupas bem-sucedido e tem centenas de funcionários, mesmo com pouco tempo no mercado. Workaholic de carteirinha, ela leva uma vida bem atarefada e corrida, pois faz questão de manter contato com o público (mesmo com milhares de coisas para fazer). Eis que um dia, a empresa inicia um projeto de contratar idosos como estagiários e Ben Whittsker, de 70 anos, é um dos selecionados. Quem ele vai ajudar diariamente? Jules, que no começo não fica muito feliz com a companhia. Porém, aos poucos, ela passa a vê-lo como um amigo e a ajuda que seria só no trabalho, acaba indo além.

Simplesmente perfeito o filme. E não tem muita enrolação, sabem? A história flui de uma maneira leve e nada forçada. Tudo acontece no tempo certo, sem ficar cansativo. Sei que sempre falo isso dos filmes que assisto e indico aqui, mas sou do tipo que tira lição até de comercial de margarina, imaginem de um filme maravilhoso, né? E não faz a gente refletir só em um ponto da vida e, sim, praticamente em todos os setores. Primeiro, o lado profissional. Tão bom ver um negócio que idealizamos dar certo, mas exagerar nesse orgulho de ter conseguido não é legal. Claro, não é tudo ou nada. Equilibrar é a palavra-chave (e a mais difícil também, massss hahaha). Amizade: sempre dar uma chance mesmo que pareça surreal.

A pessoa pode te surpreender positivamente e tornar essencial. Sem julgamentos, sem cobranças, sem dramas muito dramáticos. Envelhecer? Parece clichê, eu sei. Mas nunca é tarde para aprender algo que não tem nada a ver com o que você está acostumado. O segredo é abrir a mente e estar disposto a arriscar. Sem medo de ser feliz! Pode ser que momentos antigos venham à tona e que bata uma saudade. Entretanto, novas histórias surgem. Agora sobre o amor… Nada justifica o outro errar feio, porém a perfeição não existe! Acho que tem muita gente que engana só por enganar, para se dar bem. Porém, têm pedidos de perdão que vemos que é verdadeiro.

maxresdefault-1024x576

Enfim, me diverti muito com a história. Aliás, todo mundo da sala. Tanto o público feminino quanto o masculino (fica a dica, meninas!). Tem a mesma pegada daquele filme “Os Estagiários”, só que mil vezes melhor. As sacadas são ótimas e o diálogos sensacionais.

Algumas coisinhas me incomodaram, como ela andar de bicicleta dentro da empresa, mas é um mero detalhe. Ah! A cena do quarto de hotel é a melhor! Mexe com todas as emoções. Quero muito um estagiário que vire amigo do nível do Ben! A filhinha dela é uma fofa e a casa linda. O marido… Bom, tive uma relação de ódio e amor. Mas sem detalhes hahaha. Ah! Os looks da Jules são lindos. Deu para matar um pouco a saudade da Andy, do O Diabo Veste Prada, sabem? A secretária dela é uma comédia! E os conselhos do Ben para os amigos do trabalho são os melhores. O final? Inspirador e com o melhor conselho: respire!

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Mega recomendo! 

Querem mais dicas de filmes? Dica: toda semana, passa lá no Sem Clichê! 

Beijos, Carol. 


6
29.09.2015
* PJ Entrevista: Autora Fernanda Nia! ♥

Oi, Gente! O post do dia é um bate-papo bem bacana com a carioca Fernanda Nia, publicitária e criadora do site “Como eu realmente…“, onde ela publica tirinhas divertidas do tipo “expectativa x realidade”, sabem? Impossível não se identificar com alguma situação que acontece com as personagens Niazinha, Srta. Garrinhas e a turma toda. Acompanho as criações mais pela Fan Page e só descobri que tinha livro (dois na verdade) recentemente. Ai fui na Bienal, encontrei o 1º livro e acabei conhecendo a Fernanda lá. Ela autografou e ainda fez um mini desenho de uma gatinha!  Detalhe: desenhou em pé! Eu não consigo nem sentada, que dirá em pé hahaha. Ai perguntei se ela topava responder umas perguntas para o blog e ela aceitou. \o/ Então, com vocês: Fernanda Nia. ;-)

PJ Entrevista - Fernanda NiaAutora: Fernanda Nia! 

1. Como foi o processo de transformar o seu trabalho da internet (Fan Page e Blog) em dois livros? R: Bom, como a internet tem uma gama de possibilidades mais amplas que um livro impresso, a primeira etapa do processo foi viabilizar a transposição das tirinhas para o papel. Pensar como iria se comportar o formato delas – algumas são muito verticais – nas páginas e tudo o mais. Como seriam colocados os comentários em texto que sempre vêm após as tirinhas no site. Depois que achamos a melhor forma de fazer essa transição, foi só partir para o trabalho. Hoje, é maravilhoso ver o material do Como eu realmente lá, físico, se expandindo além da internet. <3

2. Falando nisso, os personagens do “Como eu realmente…” são inspirados na sua vida pessoal? R: A Niazinha tem um pouquinho de mim nela sim, mas não somos iguais. Já os outros personagens, alguns deles, como membros da minha família, sãosim baseados nas pessoas da minha vida. Outros, como a Maria Modinha, o Silvio Sem Senso Social e a Fani Fangirl foram baseados em estereótipos depessoas que eu julguei que seriam cômicos e úteis para as situações que eu planejava demonstrar nas tirinhas. Aliás, acho que estou errada. Elessão baseados em pessoas reais sim. Eu só não as conheço pessoalmente, mas sei que existem em algum lugar por aí.

niazinha srtagarrinhas mariamodinha

Niazinha, Srta. Garrinhas e Maria Modinha! ;-)

3. A parte mais doce e amarga de fazer parte desse mundo dos livros (e da blogosfera também)? R: A mais doce é ter o feedback dos leitores quando dizem que gostam do seu trabalho. A parte mais amarga… É difícil ter algo que realmente mechateie, mas, se tiver que escolher, diria que é quando pegam as tirinhas e removem os créditos para repostar. Dá um apertozinho no peito.

4. Se pudesse dar alguma dica de ouro para quem quer seguir um caminho parecido com o seu (ilustradora, autora), qual seria? R: No caso, de ilustradora, e seria: PRATIQUE MUITO! Tem coisas que a gente só aprende colocando a mão na massa. Em MUITA massa. Ilustração (e até escrita) é uma dessas coisas.

5. Teremos um terceiro livro ou outro projeto parecido? Conte um pouco. R: Sim, a ideia é que o Como eu realmente seja uma série. Se tudo der certo, em breve teremos o volume 3 por aí. Fora isso, quem sabe eu me aventure em algum projeto autoral fora do universo da Niazinha. Talvez na prosa? Veremos.
char_fanisilviosemsensosocialchar_sgtfofurachar_outros

Fani Fangirl, Silvio Sem Senso Social, Sargento Fofura, pais, vó, vô e boy da Niazinha! ;-)

6. Alguma mania peculiar na hora de criar as suas tirinhas?  R: Para ser sincera, não. Enquanto eu tiver os meus instrumentos de trabalho, posso criar tirinhas na situação que for. ;)

7. Se tivesse que salvar três livros de um incêndio, quais seriam? (não podem ser o seus rsrs) R: Que difícil, hahahahah. Harry Potter, por tudo o que ele significou para a minha geração. Memórias Póstumas de Brás Cubas, por tudo o que Machado impactou na nossa literatura. E o livro que eu estivesse lendo no momento do incêndio, porque eu não conseguiria viver sem saber o final.

tirinha418
***

Gostaram? Espero que sim! :) Muito obrigada, Fernanda! Você é uma fofa e manda muito bem nas tirinhas. ♥ Ainda não conhece o “Como eu realmente…” e a autora? Clique aqui e aqui. Ah! Quem quiser os livros, recadinho: são do selo Nemo, da editora Gutenberg. ;-)

Beijos,
Carol.

P.S: crédito das imagens – Site “Como eu realmente…”. :)


1
31.08.2015
PJ Entrevista: Ilustrador Flavio Wetten! ♥

Amo perfis no Instagram com ilustrações fofas! Daí, um dia desses, dei de cara com uma capinha para celular linda e tudo a ver com a pequena dramática que vos tecla. Era uma menina com coroa e uma “caixa” escrita: contém um drama! #projetodramaqueen ;p Tive que comprar, né? Chegou e descobri quem foi o artista: Flavio Wetten. Cada arte incrível e com frases para refletir e cair na gargalhada (de uma forma boa, claro). Entrei em contato por e-mail e ele topou responder algumas perguntas para o PJ. Então, com vocês: o dono do perfil @lifeonadraw. ;-)

Entrevista Flavio - PJPJ Entrevista: Flavio Wetten!

1. Conte um pouquinho da sua trajetória até aqui.
R: 
Tudo começou no colegial, quando eu e um colega costumávamos comprar revistas de tatuagem para copiar os desenhos. Também tínhamos grande facilidade em criar trocadilhos ou enxergar situações de uma maneira menos convencional. Com o tempo resolvi juntar esses dois hábitos e lancei no Fotolog a primeira página do Life on a Draw!. O nome veio de um trocadilho com o nome do cd “Life on a Plate”, da banda sueca Millencolin, que é a minha banda favorita. Com a evolução das redes sociais, fui migrando para Orkut, DeviantArt, Facebook, até chegar no Instagram, que foi onde mais se espalhou. Entre os pontos altos dessa trajetória: o convite feito pela banda O Teatro Mágico para ilustrar uma linha de fronhas e pijamas e o (recente) convite da rede Globo para participar do grupo de ativadores da campanha do Criança Esperança. Outro divisor foi quando, depois de ver muitos desenhos se espalhando com assinatura apagada, decidi incorporar um elemento que me identificasse no desenho, no caso a coroa. A coroa surgiu a partir da música “De Onde Vem a Calma” da banda Los Hermanos, que diz “e no final assim calado, eu sei que vou ser coroado o rei de mim.”, que eu pessoalmente interpreto com a mensagem de que cada um é o rei de si mesmo, e se fizer aquilo que acredita e sem passar por cima de ninguém, no final dará certo e será coroado.

Entrevista Flavio - PJ - 1

2. Qual é a sua maior inspiração para criar as ilustrações?
R: Inspiração é uma coisa complicada, tem vida própria, vem e vai quando bem entende. Geralmente frases fortes e diretas, assim como poemas, me inspiram bastante. Além de outros grandes poetas, escritores e ilustradores que tive a honra de conhecer esse ano. E por fim, sentimentos. Sentimentos inspiram muito, principalmente (não sei porque) a tristeza. Sabe aquela velha frase “depois do sofrimento, todo mundo vira poeta”, acredite, é verdade.

3. Tem alguma mania peculiar na hora de criar as suas ilustrações? Se sim, qual?
R:
Acho que não. A única coisa que sempre gosto de fazer é deixar para colorir digitalmente, pois sou uma pessoa extremamente perfeccionista. Também gosto de ter a possibilidade de trocar e experimentar cores, até achar a que me agrade.

4. Quando desenha, o que deseja passar para o seu público?
R: 
A ideia principal é que a pessoa faça uma reflexão sobre a frase ou tema abordado. Seja olhando uma situação de maneira diferente do comum ou apenas atraindo atenção para uma frase que normalmente passaria despercebida.

Entrevista Flavio - PJ - 2

Entrevista Flavio - PJ - 4

5. Alguma dica de ouro para quem quer seguir essa carreira?
R: Acho que muita paciência e perseverança. Não crie muitas expectativas, apenas faça o que acredita e o que te faz feliz, e dê tempo ao tempo. Muita gente vai te desvalorizar, muitas vezes você vai desanimar, isso é certeza. O importante é levantar a cabeça e continuar. Quantas vezes já pensei em desistir e abandonar os desenhos, mas quando chega a hora: tudo começa se encaixar, você levanta voo e ai tudo vale a pena. Então, paciência!

***

Obrigada, Flavio. ;-) Pela entrevista e por ter criado a capinha ideal para as dramáticas de plantão (oi \o/).
Toda sorte do mundo e que o seu trabalho renda cada vez mais bons frutos. ;-)
Já conheciam o trabalho dele? Se não, fica a dica. O insta dele é @lifeonadraw.
Ah! Para quem quiser a capa mais drama queen do mundo, comprei aqui

Entrevista Flavio - PJ - 5O desenho da capinha! 

Podem opinar à vontade!
Beijos,
Carol. 

P.S: crédito das imagens – Instagram do Flavio Wetten. ;-) 

2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021