24.11.2023

Ei, Gente! :)

Mais um post-desabafo em formato de Texto da Pequena. Senta, que lá vem textão!
E já agradeço quem ficar até o final, viu? Boa leitura. ♥

***

Primeiramente, quero dizer que sei que sou uma mulher de muita sorte. Repleta de privilégios, uma estrutura familiar boa e tenho muitas coisas para agradecer. Não quero parecer uma reclamona de mão cheia e que não dá valor a nada! Mas talvez hoje eu só queira desabafar, com a intenção de me ajudar e, quem sabe, talvez, ajudar quem está do outro lado da telinha, né?

A semana foi intensa. Perrengues, incertezas, deu tudo certo, mas o peso ainda está aqui. Aliás, esse ano, apesar de ter conquistado muitas coisas incríveis, 2023 tem sido uma montanha russa de sentimentos, dos mais doidos e variados. Para quem não sabe, eu casei recentemente. Em novembro, completamos 1 ano de casados e em janeiro 1 ano morando juntos em uma casa só nossa. Em um bairro novo, onde a gente tem de tirar a carne para descongelar, se não no dia seguinte vamos ter que gastar o nosso suado dinheirinho no Ifood, correndo o risco de algum restaurante cancelar e a gente acabar tendo que comer miojo ou queijo quente.

Além das minhas cobranças internas, tenho as externas, que vem de pessoas, algumas próximas, outras não. Quase nunca por maldade, mas muitos não tem noção de quanto machucam com comentários aparentemente inofensivos. Seja a clássica pergunta: quando vão ter filhos (“você tem 37 anos, já está no laço”)? E nossa, você engordou, né? Tento respirar profundamente, mas a minha ansiedade ganha uma ajuda mega extra para plantar vários “tríplex” na minha cabecinha.

Crédito da Imagem: @psitarjapreta

Às vezes, eu queria ter coragem de mandar todo mundo catar coquinho e cuidar da própria vida. Mas até o momento, o máximo que eu consigo é mostrar que não curti (e acabar saindo como a neurótica), chorar no banho e, de quebra, demorar por lá e acabar gastando a água escassa do planeta. Às vezes desconto em quem não tem nada com isso e me sinto a pior pessoa por ter feito isso. Afinal, hoje, mas do que nunca, temos de ter cuidado com cada palavrinha que vamos falar ou escrever.

Tenho mil neuroses. Às vezes, sinto que estudei a toa. Já que a cada dia que passa, o mundo mostra que agir de forma errada faz você se dar bem! Sorte que a minha consciência me ajuda a pensar “ainda não cheguei lá, mas vamos que vamos, que um dia eu chego”. “Ah! Mas você tem que se valorizar, saber cobrar mais”, vai falar isso para um mundo que muitos confiam mais em uma inteligência artificial do que no seu árduo trabalho. Ainda bem que tem gente que valoriza e juro que tento me focar nessas pessoas.

Muitos amigos somem, mudam, só porque você não está na mesma vibe. Talvez por você ainda não ter filhos e nem um emprego de verdade (leia-se CLT). Muitos menosprezam você não ir em um jantar porque tem o Clubinho de Leitura e não entendem como você perde seu tempo “com isso”. Nossa, você vive no shopping: sim, comprando presente para os outros, na maioria das vezes, e me faz bem sair de casa, já que fico mais lá do que em outros lugares. Aliás, descobri recentemente porque eu nunca consigo guardar dinheiro e nem consegui viajar para comemorar um ano de casados: penso mais nos outros do que em mim.

Aliás, se tem uma pessoa que sabe priorizar a opinião alheia, essa pessoa sou eu. Absorvo tudo! E ainda tenho de ouvir que não escuto ninguém. Quero agradar todo mundo e tudo bem deixar a minha opinião de lado, afinal, o outro sabe mais. Sei que a culpa é minha! Ninguém me obrigada a ser assim e isso é uma luta diária. Juro, juradinho! Quando consigo deixar de lado e me posicionar, é uma vitória giga! Com pequenos passos consigo chegar lá.

Desculpem pela minha baixo autoestima hoje. Vai passar! Mas é só para dizer que têm dias, fases que são assim. E o que tem me ajudado é estar ao lado de pessoas que me escutam de verdade e que mostram que apesar da árdua caminhada, tudo vale a pena. E Papai do Céu sempre está aqui. Eu até acho que estou no caminho certo, mesmo com tantas incertezas, só que os resultados ainda não são tão visíveis. Mas daqui a pouco vão ser.

Crédito da Imagem: Hábitos que mudam

A você que me ajuda diariamente, de forma direta ou indireta: muito obrigada! A você que leu até aqui e está se sentindo mal por algum motivo, lembre-se: tudo o que a gente sente, bom ou nem tanto, passa. Nada é para sempre! E se puder, faça terapia! E se você está se sentindo bem: comentários construtivos são bem-vindos!

É isso, pessoal. Desculpem qualquer coisa e amanhã voltamos com posts mais para cima. Mas realmente eu precisava desabafar! ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: Encerrando e começando ciclos
Skoob ♥ Instagram

carol

leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 Comentários

  • Oi, Carol! Casar é uma nova fase, muito gostosa mas que traz diversas responsabilidades. Ter um relacionamento pra cuidar, uma casa, pets (talvez), além das outras demandas que já temos. Muita gente não entende isso, principalmente quem ainda não tem essas responsabilidades – às vezes até quem tem rs
    Sou casada há 2 anos, mas moro junto já tem 5. Foi difícil entender isso, mas agora já abstraio hehe Viva a sua vida como quiser, vão falar de qualquer jeito. E se pessoas se afastarem, faz parte, são ciclos. Boa semana!

  • E faz bem desabafar, viu?! Seja falando ou por meio de textos. O que mais pode consolar a gente é que tudo vai passar, cedo ou tarde. Que essa fase passe logo.

    Boa semana!

    O JOVEM JORNALISTA está no ar cheio de posts novos e novidades! Não deixe de conferir!

    Jovem Jornalista
    Instagram

    Até mais, Emerson Garcia