16.04.2015
O drama de ser baixinha! 
(Por Carol Daixum)
;-) 

– Identidade, por favor! 

– Claro, aqui. 
– Arnaldo, vem cá! Essa baixinha aí acha que engana a gente. Minha princesa, a matinê não é hoje!
– Desculpa, não entendi a piada.
– Aqui não entram menores de idade.  
– E qual é a parte do ano do meu nascimento “1986” que você não entendeu? 
– Identidade verdadeira, por favor! 
– Amigo, você está com ela. 
– Não complica, a fila está grande. Está atrapalhando o meu trabalho. 
– O senhor que está atrapalhando a minha noite. 
– Só entra com identidade verdadeira!
– Que está na sua mão!
– Vou ser bem claro com você: aqui só entra a partir dos 18 anos.
– EU TENHO 28 ANOS!
– 28 anos? Sério?
– Não, eu adoro ficar em fila de boate mentindo a minha idade. 
– Não precisa partir para ironia não. E desculpa, mas quanto a senhora mede?
– Não é da sua conta! Eu só queria saber onde está escrito que maiores de 18 tem de ser troglodita igual ao senhor.  
– Ei, não precisa partir para a ignorância não.
– Senhor, eu só quero entrar e me divertir. Já basta o bullying que eu sofro no meu dia a dia. Outro dia, um funcionário do Burger King perguntou na fila se eu não queria a coroa, todas as crianças estavam ganhando uma especial. – contei segurando o choro, mas acabou caindo uma lágrima. 
– Ô moça! Chora não, sou troglodita, mas sou sensível. Continuo achando que você não tem 18, mas vou deixar entrar, ok? E pode beber um refrigerante por minha conta. Arnaldo, deixa a chaveirinho entrar aí.

Óbvio que a minha vontade era de voar na cara dele, mas contei até três, respirei fundo, ajeitei a coroa e acabei agradecendo ao segurança. Tem uma mãe de uma amiga que fala “isso é um elogio”. Tudo bem que agora parece mais uma ofensa do que outra coisa, mas quem sabe um dia eu levo a sério esse conselho. É, gente! Vida de baixinha não é fácil. É boate, PP que parece mais um GG. E não basta ser pequena, tem que ter voz de criança. Daquela que telemarketing liga e quando você atende pede para falar com algum “adulto”. A sorte deles é que eu sou educada! Claro que ser baixinha tem as suas vantagens. Por exemplo, na muvuca de um show eu fico em qualquer cantinho e passo entre as pessoas sem aperto. As pessoas te tratam com mais carinho e se eu quiser eu posso ficar alguns centímetros mais alta. E não querendo causar a discórdia: os homens preferem as baixinhas. Ok, vou parar por aqui, antes que altas se vinguem dessa parte do post. Tudo brincadeirinha, gente. Sem drama! hahaha ;-)

Agora contem aí: alguém já sofreu um draminha por ser mini ou giga? Podem falar à vontade!

**

Lembrando que o Projeto Drama Queen é uma parceria entre o Pequena Jornalista e o blog Casos, Acasos e Livros. Toda quinta um texto mega dramático e com uma dose extra de exagero. Que participar dessa coluna? Envie um e-mail para projetodramaqueen@gmail.com. ♥

Beijos,
Carol.

P.S: Crédito da imagem – Fan Page Disney Irônica! 

carol

leia também

    * Contém (vários) dramas! – Projeto Drama Queen #41! ♥
    * Um caso de amor: A gravidade e eu – Projeto Drama Queen #40 (Por Teca Machado)! ♥

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

16 Comentários