20.07.2021
* PJ Leu: Tudo nela é de se amar! ♥

Ei, Gente! :) Uma das metas desse ano era ler mais poemas. E eis que li o primeiro do ano: Tudo nela é de se amar, da Luciene Nascimento (autora brasileira). Publicado pela Sextante (parceira do blog), é um livro que traz palavras de uma jornada da mulher negra. Boa resenha! ♥

Livro: Tudo nela é de se amar | Autora: Luciene Nascimento | Editora Sextante
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 4 livros

Sinopse: Poemas e poesias que mostram como a autora compreende a sua identidade. Palavras sobre autoestima, posicionamento, saúde mental e muito mais. Um livro com temas que abrem caminho para todos, com estrofes leves e singelas ilustrações.

Opinião da Pequena: A minha meta era ler, ao menos, um livro desse gênero esse ano. E sério, mega me inspirou para embarcar em outros poemas.

O que eu mais gostei é que os temas não são tão simples, mas através das palavras da autora, o pesado virou leve, na medida do possível. Foi uma nova forma de entender o racismo e o motivo dele ser tão prejudicial. A forma como ele descreve um black power de uma criança é linda e todas tinham de ter a simples ideia de como o seu “travesseiro” as leva para perto do céu. Só lendo para entender!

A maioria dos poemas é seguida de um texto explicativo e ilustrações que fazem todo o sentido. Falando nessa parte do cabelo ainda, me identifiquei com o pensamento dela: não há regras, ou melhor, há! Respeitar o seu desejo, independentemente da referência que a gente tem.

Crédito da imagem: Pequena Jornalista

Adorei as inspirações em forma de senhorinhas no ponto de ônibus. Também é um convite para quem ama escrever e quer escrever mais. Com amor!

Algumas partes, fiquei meio confusa, perdida. Talvez por não ser a minha realidade. Mas espero conseguir, cada vez mais, fazer a minha parte para que a mudança seja real.

Também acho que é um livro perfeito para deixar na mesa de cabeceira e ir absorvendo palavra por palavra. Aos poucos! No mais, queria anotar quase todas as páginas para voltar depois e ler novamente o que trouxe leveza e reflexão.

Crédito da imagem: Pequena Jornalista

O título é lindo e tem tudo a ver com o conteúdo! Recomendo. Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica e pode comprar aqui no meu link.

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Minha História
Fan Page ♥ Instagram  


3
02.03.2021
* PJ Leu: A vida perfeita não existe! ♥

Ei, Gente! :) E a minha última leitura de fevereiro foi: A vida perfeita não existe, da autora brasileira Daiana Garbin. O livro publicado pela Editora Sextante (parceira do blog) é meio que um complemento de vários livros desse estilo, como “Corajosa sim, perfeita não“. Vamos lá? Boa resenha. ♥

Livro: A vida perfeita não existe | Autora: Daiana Garbin | Editora: Sextante
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Nesse livro, a autora divide com o leitor sua jornada à procura de respostas. Com base em estudos, pesquisas, entrevistas com especialistas e depoimentos de leitores, ela traça um panorama da frustração que sentimos ao perseguir um tipo de felicidade irreal e mostra como encontrar coragem para adotar uma nova atitude em relação à vida.

Opinião da Pequena: Desde o ano passado, estou ansiosa para ler esse livro. Li o primeiro da Daiana e mexeu muito comigo, então, acreditava que esse seria no mesmo esquema. E posso falar? Foi melhor do que eu esperava, tirando algumas ressalvas.

Recebi da Sextante no final de 2020 e assim que rolou, embarquei. E foi na hora certa! Quando eu comecei a ler, estava em uma semana ruim. Sabem aqueles sentimentos que a gente quer passar longe, mas quando menos espera: eles estão lá invadindo a nossa vida, sem pedir licença?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Sentir ciúme, por exemplo, é uma das coisas que mais me deixa triste. Inveja então, meu Deus! Raiva, angústia, frustração nem fala…. Mas essas sensações são comuns e isso não significa que a gente seja uma pessoa horrível. Todo mundo já sentiu, sente ou irá sentir. Faz parte da vida. E a Daiana meio que normaliza esses sentimentos no sentido de acolher cada um. Sem julgamento. Entender o motivo disso acontecer e como você pode lidar, no seu tempo, com esses momentos.

São palavras duras, mas escritas com carinho e que plantam uma sementinha na gente. Claro que ninguém vai mudar da noite para o dia. Porém, é um processo possível de acontecer. Ao menos, é mais real do que aquela felicidade plena todos os dias da vida! A propósito, como o próprio nome do livro diz “A vida perfeita não existe“. E a gente tem que se acostumar que existem coisas que não temos controle e o que podemos controlar, pode colaborar para que a gente possa lidar com essa realidade.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Não é possível ser feliz o tempo todo. A infelicidade existe e a gente pode aprender muito com essa tão temida palavra! Aqui entra novamente a questão do acolhimento. Uma vez, eu li que para darmos valor a um dia bom é preciso lidar com um dia ruim. Entendem? ;-)

Também aprendi com esse livro sobre ressentimento e o quanto essa sensação pode nos ensinar e ser prejudicial à nossa saúde mental, se não resolvemos questões que estejam ligadas a ela. Li sobre nos tratar com bondade e respeito e a coragem para mudar essa relação com a vida no geral. Nas últimas páginas, achei alguns parágrafos meio repetitivos, mas acho que foi com a intenção de frisar bem a mensagem principal.

No mais, é uma leitura que flui bem e você tem vontade de devorar. O gênero é autoajuda, mas sem fórmula mágica. A escrita é delicada, afinal, o tema pede isso. E acredito que seja um que o leitor tenha de ter para sempre na estante. Acho que pode colaborar em várias situações e fases. Por quê? Bom, esse processo não termina nunca. Então, reler é uma boa.

Ah! Quem conhece a autora por conta de temas sobre transtornos alimentares, entre outros relacionados ao corpo, ela também aborda sobre esses assuntos nesse livro. E ajuda muito também! ;-) Enfim, recomendo.

Crédito da Imagem: Amazon

Nas últimas páginas, ela também aborda sobre a pandemia e é uma ajuda extra para todos. Obrigada, Daiana. Obrigada, Sextante! Enfim… Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Entrevista – Daiana Garbin
Fan Page ♥ Instagram  


5
12.05.2020
* Dica da Pequena: Corre que tem muito e-book até amanhã (13.05.2020)! ♥

Ei, Gente! :) Quarentena com livros fica bem melhor, né? O mais legal é que várias editoras estão disponibilizando e-books com desconto. Inclusive, a Arqueiro e Sextante, que são parceiras do PJ. Pensando nisso, separei alguns dos meus gêneros favoritos que entraram nessa listinha. Vamos lá? ♥

Para começar: romances de época. Como não se apaixonar por essas histórias? É uma forma de viajar no tempo e conhecer personagens fortes, engraçadas e que inspiram os leitores. E têm vários da Julia Quinn (que eu amo) e outras autoras (que eu preciso conhecer).

Lembrando que História de um grande amor já apareceu por aqui e em breve quero ler o segundo da trilogia Bevelstoke: O que acontece em Londres, da Julinha (a íntima hahaha). Para quem quiser ver a lista completa dos romances de época que estão com 60% de desconto até amanhã, dia 13 de maio, só clicar nesse link.

Nessa seleção de e-books também entraram romances adolescentes, que particularmente a leitora teen que habita em mim ama hahaha. E têm autores nacionais, como a Thalita Rebouças. Enfim, independente da pegada, são histórias que ajudam a todos ou, pelo menos, faz a gente relembrar de momentos antigos e olhar para eles com outros olhos. Aliás, aqui no PJ você encontra várias resenhas dessa listinha, viu? ;-)

Mas talvez essa seja uma ótima oportunidade para embarcar em livros de autoajuda. Se você tiver um pé atrás, dê uma chance! Alguns vão além da teoria e realmente dão aquela luz no fim do túnel, porém, sem prometer milagres. Ruth Manus com Mulheres não são chatas, Mulheres estão exaustas é um ótimo exemplo. Para saber mais, só clicar aqui!

Credito das Imagens: Arqueiro e Sextante

***

É isso, pessoal. :) Para conferir essas e outras promoções, só dar um pulinho nas redes sociais da Arqueiro e da Sextante. Ah! Vale lembrar que é só até amanhã, ok? E quem tiver dicas de outros e-books em promoção ou de graça, fica à vontade para compartilhar nos comentários. ^^

Beijos, Carol.

Post Antigo: Top 5 – Julia Quinn
Fan Page ♥ Instagram


10
02.04.2020
* PJ Leu: O lado bom do lado ruim! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é “O Lado bom do lado ruim“, do autor Daniel Martins de Barros. Publicado pela Sextante (eterna parceira do blog ^^), o livro fala sobre como sensações negativas podem ser usadas a nosso favor. Acho bem propício para o atual momento, né? Então, vamos lá! Boa leitura. ♥

Livro: O lado bom do lado ruim | Editora: Editora Sextante | Autora: Daniel Martins de Barros
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 4 livros

Sinopse: Desde sempre, temos a ideia de que estar feliz o tempo todo é a forma correta de levar a vida. Emoções negativas? Nem pensar! Mas até elas, por incrível que pareça, devem ser levadas em conta. Não dá para negá-las, afinal, por trás de uma tristeza, por exemplo, há sinais de alertas que não devem ser silenciados.

O livro é repleto de estudos e casos que mostram o lado bom do lado ruim, fazendo com que o leitor compreenda cada significado de cada emoção não tão boa. Sendo assim, é possível encontrar o equilíbrio entre as sensações, sejam boas ou não. ;-)

Opinião da Pequena: Quando esse livro chegou, eu estava lendo outro. Mas com o isolamento social e tal, achei que esse era mais propício e, de certa forma, iria me ajudar. Não aconteceu exatamente o que eu imaginava, mas abriu os meus olhos para muita coisa!

Aliás, a lição mais importante que tirei: a gente tem que prestar atenção na dose. Nada intenso é positivo, até mesmo, a alegria. E eu gostei muito do “exercício de velório” e virou até tema em uma das sessões da minha terapia. Obrigada por isso, Daniel. :)

E como nem tudo são flores, confesso que me perdi em algumas partes e tive de reler alguns parágrafos mais de duas vezes. Gostei dos estudos apresentados, porém, a minha expectativa era que fluísse melhor. Não é que a linguagem seja difícil, mas em certos momentos, a sensação era de estar lendo um livro mais teórico.

Porém, essa é a minha visão. Eu mega acho válida a leitura, porque como disse no começo, o livro abriu os meus olhos para muita coisa. Então, apesar desse lado não tão positivo, vale embarcar nessas emoções que ele cita em cada capítulo.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

No mais, a história me lembrou muito o filme “Divertida Mente”, mas um pouco mais embasada, por motivos óbvios hehehe. Ah! Eu amei que no final de cada capítulo tem um resuminho, que ajuda muito a entender melhor a intenção do autor nas páginas escritas. Eu amei a capa e acho que ela traduz muito bem a mensagem geral do livro.

Enfim, não foi o meu preferido da vida, em contrapartida, acho que nunca mais vou olhar do mesmo jeito para todas as emoções existentes. Sempre soube que para tudo, existe uma parte boa e ruim. E agora, mais do que nunca, isso faz total sentido. ;-)

***

É isso, pessoal. Gostaram? Podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Garota, pare de mentir pra você mesma
Fan Page ♥ Instagram   


5
06.02.2020
* PJ Leu: Mulheres não são chatas, Mulheres estão exaustas! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é “Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas“, da Ruth Manus. Um livro que aborda sobre direitos, trabalho, família e outras questões turbulentas da mulher em pleno século XXI. Boa resenha para vocês! ♥

Livro: Mulheres não são chatas, Mulheres estão exaustas | Editora: Sextante | Autora: Ruth Manus
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Diariamente a gente se depara com comentários que somos chatas. Mas na realidade, estamos exaustas. Afinal, carregamos pesos que não deveríamos carregar. E é nesse livro que a Ruth Manus aborda sobre inúmeros tormentos que carregamos em pleno século XXI.

A pressão vem de diversos lados: família, carreira, amor, lutar pelos direitos e muitos outros. Mas de forma simples e, ao mesmo tempo, profunda, a autora consegue fazer com que todos reflitam e questionem preconceitos e incertezas. :)

Opinião da Pequena: No comecinho do ano, terminei de ler o livro “Corajosa sim, Perfeita não” e, como disse na resenha, ele plantou uma sementinha de que eu não preciso de perfeição. E aí veio “Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas” e ajudou a regar essa plantinha que vem crescendo aos pouquinhos. Então, desde já, obrigada Ruth.

Agora vamos lá: é um livro que a gente devora. Com uma escrita leve, a autora consegue trazer assuntos profundos, que são mais do que necessários no nosso dia a dia. Ela pondera cada capítulo e jamais julga. Porém, sabe exatamente onde “meter a colher”.

Traz o feminismo e mais uma vez mostra que jamais essa palavra tem de ser o oposto do machismo. É a busca pela igualdade, que a propósito traz benefícios a todos. ;) Aponta questões que trazem exaustão, como trabalho, família, beleza, autoestima, entre outros.

Aliás, não somos chatas, temos total direito de expor a nossa opinião e é importante lutarmos nos simples detalhes para esse cansaço ir embora aos poucos! Por exemplo, parar de pedir de desculpa por tudo e saber que tá tudo bem ser a gente. Falando nisso, nem sempre precisamos ser a nossa melhor versão. Nem sempre é possível e ok! :)

Claro que as coisas não mudam da noite para o dia. Assim como no outro livro da Ruth, acho que é aquela leitura que volta e meia a gente tem que pegar na estante e reler inúmeras vezes.

Enfim, curti muito e indico a todos, inclusive ao público masculino! E quanto à capa: perfeita! ;-)

No mais, podem opinar à vontade. ^^

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu: Um dia ainda vamos rir de tudo isso
Fan Page ♥ Instagram  


2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021