23.04.2021
* PJ Leu: Lições inesperadas sobre o amor + Promoção Dia Mundial do Livro! ♥

Ei, Gente! :) E o Dia Mundial do Livro chegou. Então, nada melhor do que uma resenha literária, né? O PJ Leu da vez é “Lições inesperadas sobre o amor“, da Lucy Dillon, publicado pela Arqueiro. Aliás, essa história foi a escolhida 1ª edição da Leitura Coletiva do PJ em parceria com as meninas do Estante das Abelhas (obrigada pela companhia de cada uma que participou) e a editora. Enfim, vamos lá? ♥

Livro: Lições inesperadas sobre o amor | Autora: Lucy Dillon| Editora: Arqueiro
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 4,8 livros

Sinopse: Jeannie sempre sonhou em viver uma paixão de tirar o fôlego. Começou a namorar o lindo veterinário Dan e depois de um fim de semana perfeito em NY com ele, é surpreendida com um pedido de casamento. Tudo bem que eles não completaram nem um ano de namoro, mas não importa, né?

O noivado passa voando e as coisas parecem acontecer muito rápido. Nossa protagonista tem a sensação de que talvez esteja tomando uma decisão errada. Ela pode voltar atrás, mas o destino prega uma peça e o futuro agora parece incerto.

Uma nova casa, novos hábitos, novos amigos e um processo de autoconhecimento faz com que ela tire lições inesperadas sobre amor. Principalmente, sobre aquela voz que não sossega lá no fundinho da nossa mente e do coração. ;-)

Opinião da Pequena: Esse é o 8º livro da coleção “Romances de hoje”, da Arqueiro. Cada história é especial para mim, mas essa ganhou pontinhos extras por três motivos: tem doguinho no meio, é leitura de estreia da LC do PJ e a protagonista tem o mesmo nome da minha cachorrinha linda… Jeannie. Ai o coração não aguenta, né?

Nunca tinha lido nada da autora e acho que comecei com o pé direito. A escrita é delicada e a cada capítulo, a gente tira uma lição. Algumas clichês, outras nem tanto. Por exemplo, a escolha do vestido de casamento. O tamanho certo é ideal para o dia da cerimônia, mas no dia a dia do casal é importante saber que é preciso fazer uns ajustes para que o relacionamento caiba na vida a dois. :)

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Eu gostei da Jeannie e do amadurecimento dela a cada página. Do Dan também. Aliás, eu acho que é uma história onde os dois tiveram deslizes, mas não por falta de caráter. E, sim, de cara a gente já imagina o final… Mas apesar de ser um romance, fala muito sobre a evolução da protagonista. Ou seja, nos surpreendemos com o desfecho.

Edith e Carmem não tem a minha admiração hahaha. As enfermeiras e a equipe médica eu amei. Owen é sem comentários! Os pais da Jeannie são incríveis e queria que eles tivessem aparecido mais. Rachel é a amiga que todo mundo quer ter. Aliás, quando uma pessoa ama os pets e faz o bem para eles, não tem como não gostar, né? E George me surpreendeu muito positivamente.

Falando em doguinhos: eles estão sempre dando uma voltinha pelos capítulos e aquecem o nosso coração e algumas lágrimas aparecem sim. Aliás, o Gem lembrou o meu doguinho (Johnny) que foi para a ponte do arco-íris há 4 anos. Chorei, mas o coração ficou confortável. E adorei que a autora dá dicas de como saber se o canil é confiável e vale lembrar: se puder, adote! Faz um bem não só para eles, como para nós humanos.

E como nem tudo são flores, acho que as coisas poderiam ter sido resolvidas aos poucos. Meio que fica tudo para o final. Acaba prendendo, mas acho que desenrolando etapa por etapa teria sido uma leitura melhor. Mas recomendo e MUITO, ok?

No mais, a capa é linda. E o conteúdo têm elementos que fazem a vida do leitor mais leve e “simples”: dogs, música e amor.

****

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

E para terminar o dia de hoje, trouxe uma promoção especial. Não é sorteio, ok? Nesse post, comente com uma declaração inesperada sobre o seu amor por livros. Pode escrever até terça-feira, dia 27 de abril. Vou selecionar três comentários e colocar para votação no Instagram no dia 28 de abril. No dia 30 de abril conto o resultado aqui e no insta.

O que ganha? Um marcador magnético de livro do blog, um livro (o ganhador escolhe) de até R$ 50,00 (vou comprar pelo Amazon) e uma luz de livro portátil (essa aqui). Vai ser um ganhador e tem de ter endereço no Brasil, ok?

Então, soltem a criatividade! Façam uma declaração incrível sobre páginas que se transformam em um livro, que transforma a nossa vida.

P.S: Promoção finalizada – Quem ganhou foi a Diane, do blog lindo “Coisas de Diane“. Parabéns!! Obrigada a todos que participaram!! Em breve, vamos ter mais promoções do tipo.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Diário de Viagem – Barcelona (e uma tradição literária)
Fan Page ♥ Instagram 


7
19.04.2021
* PJ Leu: Adultos! ♥

Ei, Gente! :) Para terminar a semana, separei uma dica literária: Adultos, de Emma Jane Unsworth. Um livro que tem tudo a ver com a atualidade! Vamos lá? Boa leitura. ♥

Livro: Adultos | Autora: Emma Jane Unsworth | Editora: Intrínseca
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 2,5 livros

Sinopse: Jenny McLaine parece estar com tudo, afinal, trabalha para uma revista online descolada, tem uma casa própria e namora um fotógrafo famoso.

Nas redes sociais, provavelmente, as pessoas acreditam que a vida dela é um mar de rosas. Mas a realidade é bem caótica. Ela passa por dramas que vão desde uma legenda perfeita até a quantidade certa de emojis.

Mas o hábito de compartilhar tudo traz algumas consequências, como um término e algumas amizades ficam abaladas. E para completar, ela vai ter de conviver novamente com a mãe novamente. Enfim, aos 35 anos de idade, a protagonista precisa, mais do que nunca, aprender a lidar com as incertezas do futuro. :)

Opinião da Pequena: Quando eu vi esse livro, imaginei ser uma leitura excêntrica e que não tivesse muito a ver comigo. Mas quando eu li a sinopse, me apaixonei. Enquanto não chegou, não sosseguei. Aliás, obrigada pelo presente, namô. ♥

Para começar. a Jenny narra cada capítulo, que a propósito são bem curtos. Pontinho extra para a autora. :) É uma história que causa identificação entre a personagem e o leitor. Na parte do celular, nem se fala. Amei a sacada das legendas do Instagram. A parte do croissant é hilária hahaha. É como diz o ditado, quem vê post, não vê corre (ou algo assim hahaha).

Foi uma leitura que me prendeu e me surpreendeu em alguns momentos. Ri bastante! Mas em certas partes, me senti totalmente perdida. É uma mistura de sensações, sabem? Um universo do qual me identifico, mas algumas coisas achei meio fora da minha realidade.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Temas importantes são abordados e de uma forma que parece vida real, como o dilema de “ser mãe ou não”. Triste algumas vezes, mas acho que pode ajudar muitas pessoas. Até mesmo relacionamentos! :) E quanto ao clássico “Ter 35 anos e não saber muito o que tá fazendo da vida” é ideal para quem tá quase chegando lá. Me senti menos sozinha, mesmo sabendo que a protagonista é fictícia (eu acho).

Sobre os outros personagens: a mãe dela no começo, achei bem doidinha! Mas acho que na real ela é a melhor amiga da Jenny. Os conselhos sobre o celular, por exemplo, são bem verdadeiros. Quanto ao boy fotógrafo, não sei opinar hahaha. E a influenciadora da história, eu acho que ela que era obcecada e não o contrário. Mas sem muitos detalhes para não dar spoiler.

Sobre a Kelly, preciso dizer que me decepcionei um pouco, em contrapartida, a relação das duas me ajudou com algumas questões de amizades que eu tenho. Não curti muito a parte de festas e tal. Mas talvez eu seja careta hahaha. E, claro: aprendi lições, como “ter coragem para mudar o que pode ser mudado, e um terapeuta para aceitar o que não pode”. É tão o meu dia a dia esse trecho hahaha.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Enfim, rendeu boas gargalhadas. Lições sobre trabalho, família, amigos e a vida no geral. Não consegui entender tudo, mas o saldo até que foi positivo. Talvez em outro momento eu absorva melhor. Por isso, indico sim. Jurava que era meio chick lit, mas tal só um pouquinho mesmo.

Ah! E quanto à capa, traduz bem a vida de adulto, mesmo não entendendo muito o propósito do cachorro nela. Mas posso ter perdido alguma coisa no meio da leitura hahaha. :)

Já leu? Conta o que achou. No mais, podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Garota, pare de mentir para você mesma!
Fan Page ♥ Instagram   


2
18.03.2021
* PJ Leu: Clube do livro dos homens! ♥

Ei, Gente! :) Vamos para mais uma dica literária? Dessa vez, eu embarquei no livro “Clube do livro dos homens“, da Lyssa Kay Adams. Publicado pela Editora Arqueiro (parceira do blog), li essa história na leitura coletiva (LC) das meninas do insta “Estante das Abelhas“. Boa resenha! ♥

Livro: Clube do Livro dos Homens | Autora: Lyssa Kay Adams | Editora: Arqueiro
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Gavin Scott é um famoso jogador de beisebol. No auge da sua carreira, ele descobre um segredo devastador: Thea, sua esposa, sempre fingiu chegar no auge na cama. Se sentindo humilhado, passou a dormir no quarto de hóspedes e o resultado foi um pedido de divórcio dela.

Com medo de perder o amor da sua vida, ele acaba recebendo a ajuda inesperada de um clube (secreto) do livro dos homens. A propósito quem faz parte são os colegas do time, que insistem em falar que ler romances pode fazer com que tudo melhore no seu casamento. Será?

Opinião da Pequena: A premissa chamou a minha atenção, o fato de ter uma leitura coletiva me incentivou ainda mais e não deu outra…. A história me conquistou totalmente.

Começando pela escrita da autora. Nunca tinha lido nada dela, mas sério: flui tanto que quando a gente se toca quer burlar o cronograma da LC hahaha. Mas até que eu fui direitinho e até fiquei um pouco atrasada. No fim, tudo deu certo e conclui a leitura.

Todos os capítulos são bem construídos e os personagens principais e secundários são cativantes. Cada um do seu jeitinho! Gavin e Thea remetem a um problema muito comum nos relacionamentos gerais: a falta de diálogo. Mas esse deslize ensinou muito coisa para eles! Então, há males que vem para o bem. A questão da fala do Gavin é um plus da relação e diz muito sobre o verdadeiro amor.

Os integrantes do clube são as melhores pessoas e de uma forma leve e divertida mostram como dar um ponto final no machismo pode ser benéfico a todos, independente do gênero. Acho que todos deveriam participar de um grupo assim. A gente se diverte com a descoberta deles sobre o Pinterest, washi tape e as leituras de “Cortejando a condessa” dão um toque a mais nas páginas.

Crédito da Imagem: Instagram Estante das Abelhas

E a gente percebe que quem vive de passado é museu, porém, às vezes é importante mexer um pouco nele. Com cuidado e sabedoria da avó da Thea (quem tem as melhores sacadas) e da Liv. A propósito, a Liv é irmã da protagonista e espero que ela seja mais legal nos outros livros dessa série. ;-)

Os pais tem um papel fundamental nessa história. Tanto os do Gavin quanto os da Thea. Aliás, os capítulos em que aparecem emocionam e faz a gente tirar lições valiosas! Todo mundo tem problema e isso é inevitável, mas a forma como você decide lidar é o que faz tudo mudar. Não só a situação, como a maneira de ver o cenário.

Ah! As partes picantes são bem picantes mesmo hahaha. Mas ao mesmo tempo rende apelidos hilários e gírias surpreendentes. E o que dizer das pessoas do time de Gavin? Amigos reais mesmo! E é tão legal ver isso. As filhas deles são fofas e o Manteiga é o cachorro mais fofo do mundo. Começando pelo nome hahaha.

Enfim, recomendo a leitura a todos, inclusive aos boys! Vale cada parágrafo. Destaque para a capa perfeita e como disse antes, a história têm mais livros e acho que o que ficou no ar, vamos descobrir aos poucos. Espero que cheguem logo aqui no Brasil. Por favorzinho, Arqueiro.

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: Top 5 – Julia Quinn
Fan Page ♥ Instagram


6
02.03.2021
* PJ Leu: A vida perfeita não existe! ♥

Ei, Gente! :) E a minha última leitura de fevereiro foi: A vida perfeita não existe, da autora brasileira Daiana Garbin. O livro publicado pela Editora Sextante (parceira do blog) é meio que um complemento de vários livros desse estilo, como “Corajosa sim, perfeita não“. Vamos lá? Boa resenha. ♥

Livro: A vida perfeita não existe | Autora: Daiana Garbin | Editora: Sextante
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Nesse livro, a autora divide com o leitor sua jornada à procura de respostas. Com base em estudos, pesquisas, entrevistas com especialistas e depoimentos de leitores, ela traça um panorama da frustração que sentimos ao perseguir um tipo de felicidade irreal e mostra como encontrar coragem para adotar uma nova atitude em relação à vida.

Opinião da Pequena: Desde o ano passado, estou ansiosa para ler esse livro. Li o primeiro da Daiana e mexeu muito comigo, então, acreditava que esse seria no mesmo esquema. E posso falar? Foi melhor do que eu esperava, tirando algumas ressalvas.

Recebi da Sextante no final de 2020 e assim que rolou, embarquei. E foi na hora certa! Quando eu comecei a ler, estava em uma semana ruim. Sabem aqueles sentimentos que a gente quer passar longe, mas quando menos espera: eles estão lá invadindo a nossa vida, sem pedir licença?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Sentir ciúme, por exemplo, é uma das coisas que mais me deixa triste. Inveja então, meu Deus! Raiva, angústia, frustração nem fala…. Mas essas sensações são comuns e isso não significa que a gente seja uma pessoa horrível. Todo mundo já sentiu, sente ou irá sentir. Faz parte da vida. E a Daiana meio que normaliza esses sentimentos no sentido de acolher cada um. Sem julgamento. Entender o motivo disso acontecer e como você pode lidar, no seu tempo, com esses momentos.

São palavras duras, mas escritas com carinho e que plantam uma sementinha na gente. Claro que ninguém vai mudar da noite para o dia. Porém, é um processo possível de acontecer. Ao menos, é mais real do que aquela felicidade plena todos os dias da vida! A propósito, como o próprio nome do livro diz “A vida perfeita não existe“. E a gente tem que se acostumar que existem coisas que não temos controle e o que podemos controlar, pode colaborar para que a gente possa lidar com essa realidade.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Não é possível ser feliz o tempo todo. A infelicidade existe e a gente pode aprender muito com essa tão temida palavra! Aqui entra novamente a questão do acolhimento. Uma vez, eu li que para darmos valor a um dia bom é preciso lidar com um dia ruim. Entendem? ;-)

Também aprendi com esse livro sobre ressentimento e o quanto essa sensação pode nos ensinar e ser prejudicial à nossa saúde mental, se não resolvemos questões que estejam ligadas a ela. Li sobre nos tratar com bondade e respeito e a coragem para mudar essa relação com a vida no geral. Nas últimas páginas, achei alguns parágrafos meio repetitivos, mas acho que foi com a intenção de frisar bem a mensagem principal.

No mais, é uma leitura que flui bem e você tem vontade de devorar. O gênero é autoajuda, mas sem fórmula mágica. A escrita é delicada, afinal, o tema pede isso. E acredito que seja um que o leitor tenha de ter para sempre na estante. Acho que pode colaborar em várias situações e fases. Por quê? Bom, esse processo não termina nunca. Então, reler é uma boa.

Ah! Quem conhece a autora por conta de temas sobre transtornos alimentares, entre outros relacionados ao corpo, ela também aborda sobre esses assuntos nesse livro. E ajuda muito também! ;-) Enfim, recomendo.

Crédito da Imagem: Amazon

Nas últimas páginas, ela também aborda sobre a pandemia e é uma ajuda extra para todos. Obrigada, Daiana. Obrigada, Sextante! Enfim… Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Entrevista – Daiana Garbin
Fan Page ♥ Instagram  


4
16.02.2021
* PJ Leu: Não é errado ser feliz! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é “Não é errado ser feliz“, da Linda Holmes. Um romance que aborda temas que fazem o leitor sentir que não está só. Vamos lá? Boa leitura! ♥

Livro: Não é errado ser feliz | Autora: Linda Holmes | Editora: Intrínseca
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 4,5 livros

Sinopse: Evvie Drake raramente sai de casa, mesmo um ano após a morte do marido. Todos na cidade acreditam que ela ainda está passando pelo processo de luto, inclusive o seu melhor amigo Andy.

Enquanto isso, Dean, amigo também do Andy, é um ex-arremessador que está passando por uma fase bem ruim na sua carreira. Para ficar longe de tudo que faz mal, ele acaba se mudando para o apartamento anexo à casa de Evvie.

Quando se conhecem, os dois combinam de ela não perguntar nada sobre beisebol e ele de não tocar no assunto do falecido marido dela. Mas será que ambas as regras serão quebradas? ;-)

Opinião da Pequena: Para começar, achei a premissa bem interessante. Parece que a gente já viu algo parecido, mas ao mesmo tempo não, sabem? Nunca tinha lido nada da autora e adorei a forma como ela escreve e constrói os capítulos.

Evvie é uma personagem que traz inúmeros aprendizados. E a sua evolução é natural, sem forçar a barra. Dean segue o mesmo ritmo! No começo, eu já imaginava o que ia acontecer. Mas criei algumas suposições e não acertei hahaha. Andy é aquele amigo que a gente quer trazer para a vida real.

É uma história que envolve o leitor (pelo menos me envolveu), mas não é aquela leitura que devorei. Porém, a culpa é do cansaço e é bom ler com calma. Não embarcar só por embarcar. Não compreendi muito bem o desfecho. A última frase não fez muito sentido para mim. Mas gostei de como as coisas terminaram no geral.

Crédito da imagem: Pequena Jornalista

O título super combina com o conteúdo e a capa igualmente! É leve, trata de assuntos que muitas vezes julgamos, mas a gente pensa: não é porque a pessoa morreu que virou santa. Tem muita coisa por trás dos bastidores que a gente nunca imagina!

Fala sobre relacionamento abusivo, mas aquele psicológico e que aparece nos mínimos detalhes. Que fere do mesmo jeito! Fala sobre a importância de cuidar da saúde mental. Fala sobre recomeços e desfechos. Família e amigos! Muitas vezes, senti que a história foi feita para mim no quesito amizade. A vida muda o tempo todo e não ser mais a primeira pessoa que aquele amigo liga, dói. Porém, isso não significa que tudo acabou. É só uma nova fase e que o tempo faz a gente se acostumar.

Metáforas de terapia super fazem sentido. Pelo menos a do alicate para tirar do dente fez! E algumas reações são como a gota d’água. Aliás, destaque para a Monica e a Dra. Talco. Mas todos os personagens tiveram a sua importância, até mesmo, o vilão da história e todos os pais, os fofos e os sem noção hehehe.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Enfim, adorei o livro e fez diferença na minha vidinha! Tudo se ajeita, aos poucos. A gente não precisa se expor 100%, mas entender o que tá rolando é importante. Não dá para acerta sempre. Ah! Terapia e um doguinho são ótimas prescrições! E ler “Não é errado ser feliz” também, mesmo com algumas ressalvas. ♥

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica. No mais, podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Não esqueça de Paris
Fan Page ♥  Instagram 


2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021