11.08.2021
* Beda 11 – Um livro, um filme e uma série para conhecer a cultura chinesa! ♥

Ei, Gente! :) Sou suspeita, mas a China me conquistou totalmente nos últimos 3 anos. Não conhecia nada antes de conhecer o meu noivinho e essa relação me fez quebrar barreiras, que nem imaginava ter. ♥

A gente precisa conhecer antes para não acreditar em estereótipos que não fazem mais sentido e talvez nunca tenham feito. Há diferenças na cultura, mas nada é por acaso, por mais que a gente não entenda bem.

E com a pandemia, infelizmente o preconceito aumenta. Mas se a gente parar para pensar, não dá para julgar uma população inteira por conta do que a gente nem sabe o que rolou nos bastidores, de fato. É a mesma coisa de dizer que todo brasileiro é corrupto e tal.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Enfim, voltando ao tema do post: separei um filme, um livro (que ainda não li) e uma série para quem quiser conhecer um pouco mais da China. Vamos lá? Bom post. :)

Filme: Din e o Dragão Genial.
Observação da Pequena: É uma animação tão amor, disponível na Netflix. Com um toque de Alladin, mas na versão oriental. Prende do início ao fim e conquista crianças e adultos. Rende doces e divertidas risadas. Faz a gente se questionar sobre o sentido da vida e o que realmente importa no nosso dia a dia. Para saber mais, tem resenha aqui.

Crédito da Imagem: Papo de Cinema

Livro: Férias em Taipei, da Abigail Hing Wen.
Observação da Pequena: Foi a minha mais recente comprinha literária e estou louca para embarcar. A propósito, conta a história de Ever Wong está prestes a viver um verão inesquecível. Seus pais a mandam para 8 semanas em Taiwan. O que parecia ser uma viagem tediosa, surpreende mais do que ela imaginava. :)

Crédito da Imagem: Amazon

Série: Jardim de Meteoros
Observação da Pequena: Foi a primeira série/novela que assisti da China. Me prendeu muito no comecinho, mas por ser longa, acabou sendo um pouco cansativa. Mas vale a pena para conhecer a história, que tem uma pegada teen, porém, conquista a todos! Adorei a trilha sonora, as roupas da protagonista e deu saudade de assistir o comecinho. Ah! É um remake (tem a primeira versão, que é antiga, e está disponível na Netflix também (a última versão) .

Crédito da Imagem: Global Geek

***

Gente, eu não sei se eu que tenho andado mais com descendentes de chineses ou se realmente a China tem recebido mais atenção dos escritores, roteiristas e diretores. Ou seja, opção é o que não falta.

Outras indicações são bem-vindas. No mais, podem opinar à vontade. :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: Um filme, um look e um comercial
Fan Page ♥ Instagram   


1
12.04.2021
* Teorias Literárias: O livro é melhor que o filme? ♥

Ei, Gente! :) E a teoria literária da vez é: o livro é melhor que o filme? Muitas vezes, a sensação é de que a história no papel é muito mais completa e a adaptação bem nada a ver. Mas será que é verdade?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Bom, eu tenho a minha teoria. Sou apaixonada pelo mundo literário. Vocês sabem! Em contrapartida, também amo um filme. Aliás, uma das minhas maiores saudades da vida “normal” é poder ir ao cine no fim de semana!

Mas vamos ao que interessa: já assisti várias adaptações. Alguns livros eu conferi bem antes e outros só depois de saber a versão da telona. Claro que as diferenças são nítidas na maioria das vezes! Porém, como uma boa cinéfila, o filme também me dá um quentinho no coração. Mesmo não seguindo à risca o que o autor escreveu.

Sei lá, é tão bom ver personagens ganhando vida. Mesmo que o cabelo de tal protagonista seja descrito diferente do que o cine mostra. Mas faz parte, sabem? Afinal, muitas vezes é um livro que inspira. Só uma adaptação mesmo. E 400 e poucas páginas nem sempre são viáveis em uma hora e pouca de filme.

Claro que a gente fica com raivinha quando tudo é diferente. Parece que só pegaram o título do livro e pronto! E dói na alma de qualquer leitor assíduo quando alguém diz “ah, tem filme, não preciso do livro“. Porém, muitas vezes a adaptação pode ser aquele incentivo para futuros bookaholics. E uma maneira de se aventurar em um novo gênero também.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Divergente“, por exemplo, me conquistou através das telonas. E quando eu li, claro que era tudo melhor, porém, não diminuiu o meu amor pelo que eu vi. E foi uma forma de explorar as distopias. “Extraordinário” me emocionou nas duas versões. E digo o mesmo para “A menina que roubava livros“. Sei que o filme é mais paradinho, em contrapartida, mexe tanto comigo. Fiquei ainda mais apaixonada pelo livro.

Resumindo: acho que a história literária traz uma visão mais completinha sim. Filme quase sempre tem um toque diferentão. O melhor é não criar expectativas e ir de coração aberto. Tudo tem um lado bom! Acho que valorizar ambos é a saída mais leve.

Mas agora me conta: o que você acha dos filmes adaptados? Ama, odeia, tanto faz ou a opinião segue o mesmo ponto de vista desse post? Podem opinar à vontade!

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: 5 Distopias!
Fan Page ♥ Instagram


4
09.03.2021
* Eu (ainda não) consigo ler mais de um livro por vez! ♥

Ei, Gente! :) Março já chegou e no meu feed vejo a maioria das pessoas já na 21ª leitura do ano. A Pequena que vos bloga? Bom, eu ainda estou no meu 3º livro. Não que isso seja ruim, afinal, cada um tem o seu ritmo. Mas acredito que um dos segredos para conseguir concluir mais livros em pouco tempo é ler mais de um por vez. Será que rola? ♥

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Confesso que nunca tentei criar esse hábito. Na minha cabeça, a sensação é de que todas as histórias vão ficar embaralhadas hahaha. Vai funcionar mais ou menos assim: “Becky Bloom pegou a Minnie e se dirigiu até o Sr. Hans, que estava com o seu famoso acordeão. Por fim, se perguntou: existe vida perfeita?” hahaha. Imaginem as resenhas literárias desse blog???

Brincadeirinha, claro. Mas juro que essa é a minha ideia de ler mais de um livro ao mesmo tempo. Porém, eu sei que os benefícios vão além. Já escutei falar, por exemplo, que ter esse costume pode ajudar muito no quesito memória e concentração. E quando você está embarcando em um livro mais denso, uma leitura relax colabora no andamento dos dois.

Em contrapartida, eu sou do tipo de leitora que gosta de aproveitar cada página do livro. Me entregar totalmente à história, independente do gênero. Por isso, amo ler um de cada vez. Sem misturar os capítulos, digamos assim. Mas acho que para 2021, um desafio interessante seria me arriscar nessa missão literária. Acho que pode ajudar muito no blog. Normalmente, tenho feito duas resenhas por mês.

Crédito da Imagem: Tag Livros

Se você está na mesma e quer riscar esse item da sua listinha, vi uma dica que pode dar um help para a gente: escolher gêneros diferentes! Acho que deve funcionar, mas não sei na prática. Enfim, esse ano vou testar e conto para vocês.

Por fim, quero lembrar que o que vale é sempre a qualidade e não a quantidade, ok? E tudo também vai depender do seu objetivo. Por exemplo, vou tentar porque acredito que vai ser benéfico para mim e para os leitores do PJ ter mais resenhas. Mas se não rolar, ok. E cada um tem o seu ritmo e, às vezes, ler um livro por semana pode ser mais prazeroso do que vários ao mesmo tempo. Enfim, vai testando e perceba o que funciona melhor para você. ;-)

Crédito da Imagem: Fino Traço Editora

Agora me conta: tem alguma dica para quem deseja ler mais de um livro por vez? Compartilha nos comentários! No mais, podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Para ler e assistir: A menina que roubava livros!
Fan Page ♥  Instagram 


3
19.01.2021
* PJ Leu: A Troca! ♥

Ei, Gente! E a primeira resenha do ano está no ar. Esse ano comecei lendo “A Troca” (na verdade, no finalzinho do ano passado), da autora Beth O’Leary, a mesma do livro incrível “Teto para dois”. É um romance, que retrata assuntos delicados, mas que absorvemos com muita leveza e diversão. Vamos lá? Boa leitura! ♥

Livro: A Troca | Autora: Beth O’Leary | Editora: Intrínseca
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Leena Cotton tem 29 anos e sente que já não é mais a mesma. Sua avó, Eileen Cotton tem 79 e está em busca de um novo amor. Para uma mudança radical, as duas decidem trocar de lugar uma com a outra. Leena vai viver a vida de Eileen e Eileen vai viver o dia a dia da Leena.

Mas será que a neta vai se adaptar à calmaria de uma cidade pequena e os amigos irreverentes? E a avó vai conseguir atingir o seu objetivo de encontrar um novo amor em Londres e respirar ares, até então, desconhecidos?

Essa não é apenas uma troca de casas. Mas de rotina, celulares e computadores e muito mais! É uma história que vai além e, talvez, ao destrocar, elas podem notar aprendizados que jamais imaginariam e soluções também. ;-)

Opinião da Pequena: Sabe quando você lê um livro de um autor e ama, mas fica com medo de criar muita expectativa e se decepcionar com outros? O segundo livro da Beth O’Leary é simplesmente perfeito! Me surpreendeu ainda mais do que o primeiro. Sem dúvida, ela entrou para a minha listinha de escritoras favoritas.

E quanto à história: uma troca e muitas mudanças. Não só com as protagonistas, mas com todos ao seu redor. Inclusive, com os leitores. Tem romance, amigos peculiares, luto e aprendizados. Personagens que lembram pessoas do nosso convívio ou aqueles que já foram para o lado do papai do céu.

Ah! Olhem que doido, não tive muito contato com a minha bisavó materna, mas por alguma motivo a Eileen me trouxe memórias dela. Talvez, por ela ter sido uma grande fã da autora Agatha Christie, assim como a personagem. Enfim, a minha mãe, que não é uma leitora assídua, acho que amaria esse livro. Vou até sugerir e conto para vocês o desfecho.

Crédito da Imagem: Amazon

Voltando ao livro… Eileen e Leena são típicas “pessoas” que a gente se identifica e quer trazer para a vida real, se tivesse esse poder. Cada uma com seu jeitinho, mas com uma genética quase igual. Arnold virou o meu crush literário atual e juro que por trás de uma implicância e um cara rabugento, o coração e as sacadas são de ouro. Virou um dos meus personagens favoritos!

Marian é uma personagem presente, mesmo não aparecendo muito. Mas são aquelas aparições que fazem a diferença. E amei “conhecer” a Carla, mesmo que de longe, que lembrou muito a minha irmã mais nova e o meu amor por ela só aumentou. Hank é o dog mais fofo e Jackson é sem palavras e sua filha mais ainda. Destaque para a Bee, Martha e Betsy. Aliás, o desfecho da história no geral foi perfeito e apesar de eu ter ficado com algumas dúvidas, achei a maioria das coisas bem amarradinhas e nada forçado, de última hora.

Quanto às lições: aprendi que o lar é onde o coração está. Mas esse local pode te surpreender. Se intrometer na vida alheia não é legal, em contrapartida, às vezes, é necessário. E que o luto faz parte da vida e cada um tem um jeito de lidar, mas o importante é lidar. Isso não te faz mais ou menos problemática, você só está aprendendo a seguir em frente. Ou melhor, lidar de frente. E quando alguém se vai, algo sempre fica.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Enfim. É um livro que arranca boas risadas e te faz chorar. Pelo menos, me fez. E, sim, a gente dá aquele abraço quentinho no final dos agradecimentos. E descobre como vai ser bom “Eileenar” um pouco daqui para frente. Ah!! Em breve vai virar filme e estou ansiosa.

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Recomendo e MUITO!

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Teto para dois
Fan Page ♥ Instagram 


10
15.12.2020
* Favoritos literários do 2º semestre! ♥

Ei, Gente! E a segunda temporada de 2020 está chegando ao fim. Sei que ainda temos algumas semanas pela frente e pretendo ler alguns contos e livros. Porém, decidi já escolher 5 histórias literárias favoritas desse semestre. Vamos lá? Boa leitura! ♥

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Para começar: Minha história, da Michelle Obama. Apesar da leitura ter sido um pouco arrastada no finalzinho, aprendi muito com a eterna primeira dama dos EUA. Aliás, Barack Obama virou um forte candidato de melhor crush literário do ano. Recomendo muito e tem resenha completa aqui.

O segundo dessa temporada não poderia ser diferente: Daqui a cinco anos, da Rebecca Serle. Devorei esse romance e mesmo não rolando identificação com a protagonista, o final surpreendente me ganhou completamente. E faz a gente rever aquela clássica pergunta “como você se vê daqui a cinco anos e tal?”. Indico e tem resenha aqui. ♥

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

O terceiro é um romance estilo Romeo e Julieta, mas com uma temática e um fim mais fofinho: Quase Rivais, da J. Sterling. Esse eu devorei mesmo, mesmo ficando tímida nas partes mais picantes hahaha. Sério: a gente ri, torce, suspira e quero ler mais essa autora. Tem resenha aqui.

E não poderia falta um estilo que me conquistou esse ano: conto. E dessa vez, embarquei em “Cale-se para sempre“, da Rê Lustosa. Como contei na resenha (clica aqui), ler histórias da autora sempre me fazem lembrar o motivo de eu amar chick-lit e como o gênero não tem nada de raso.

Por fim, mas não menos importante tem “A lista que mudou minha vida“, da Olivia Beirne. Capa linda, conteúdo que faz a gente querer sair da zona de conforto, rir e se emocionar! Uma comédia romântica perfeita, sem defeitos. Dei mais detalhes (sem spoiler) aqui. ♥

***

É isso, pessoal. Agora me contem uma leitura dessa temporada que marcou vocês! Ah! E na semana entre o Natal e o Ano Novo, vai ter a clássica retrospectiva literária do PJ, com os cinco melhores livros de 2020. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: Favoritos Literários do 1º Semestre!
Fan Page ♥  Instagram 


4

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021