13.08.2020
* Beda 13 – TBT Pipoca: Cartas para Julieta! ♥

Ei, Gente! :) Separei mais um filme antiguinho para o post de hoje: Cartas para Julieta. Eu já mencionei algumas vezes ele aqui no blog, mas nunca teve uma postagem 100% dedicada a ele e acho que merece! Enfim, vamos lá? Que a sessão TBT já vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para quem não conhece a história, vou contar um pouquinho: Sophie viaja para Verona com o noivo Victor. Tipo uma pré-viagem de lua de mel. Mas chegando lá, ele acaba tendo de resolver as questões de seu novo restaurante e a nossa protagonista acaba conhecendo sozinha a doce cidade de Romeo e Julieta.

Até que ela acha uma carta antiga na Casa da Julieta e resolve respondê-la. O que parecia uma tentativa sem resposta, Sophie e as voluntárias desse ponto turístico da Itália se deparam com a visita surpreendente da destinatária Claire Smith e seu neto Charlie.

Seguindo os conselhos de Sophie, os três vão em busca do grande Romeo (quer dizer Lorenzo hahaha) da Claire. Ambos viveram uma paixão na juventude e pode ser que essa aventura renda bons momentos e um final feliz. Será? ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Enquanto O Diabo veste Prada dá um ânimo na minha vida profissional, esse filme de hoje me traz uma esperança que acalenta o meu coração em relação ao amor.

O cenário é incrível e é impossível não acrescentar no roteiro, depois dessa história, uma visita à Verona. Claro que o filme meio que não mostra a real de como a Casa da Julieta é cheia. Mas até que da última vez que eu fui, deu para tirar um monte de fotos com a dona do ponto turístico praticamente sozinha.

O decorrer do filme é bem amarradinho e nos dá a sensação de que tudo vai dar certo. Mas caso não dê: pelo menos a tentativa rolou e o caminho foi repleto de momentos inesquecíveis e surpreendentes. De arrancar inúmeros suspiros!

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Ah! Quem quer ser escritora, logo vai se identificar com a Sophie. Sobre a Claire… Se eu não tivesse a minha avó, com certeza, queria ter uma igual a ela. Bondade é seu segundo nome e perseverança o primeiro. E o que falar da carta que deu abertura a tudo o que acontece no filme? Um tapa na nossa cara.

A propósito, essas voluntárias que respondem as cartas de amor dos visitantes realmente existem (até onde eu sei, pelo menos). Eu nunca recebi uma resposta, mas sei de uma pessoa que recebeu e é a coisa mais incrível da vida. Para quem quiser saber mais sobre, é só correr nesse post da Teca Machado.

Quanto ao final é simplesmente lindo e inspirador. Algumas histórias começam, outras terminam. Mas todas nos ensinam que o amor sempre vale a pena e lutar por ele, na medida certa, também. Aliás, ao contrário do namorado da Andy (O Diabo veste Prada), não acho o Victor um babaca. Algumas vezes as pessoas mudam e não se encaixam mais e está tudo bem.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Em relação ao Charlie: amo o seu sotaque britânico e ele me irritou muitas vezes, mas ele é o meu crush da história e dá de 1000 a zero no Romeo hahaha. E têm outros personagens tão incríveis quanto, mas corre o risco de eu dar spoiler brabo, então, deixa para lá.

Destaque para a trilha sonora e para a cena do sorvete (que coloquei lá em cima). E só de escrever esse post já me deu saudade de viajar hahaha. A lição que fica? Deixar o “e se” para lá. Porque juntas, essas duas palavras podem ser mais nocivas do que imaginamos.

Enfim, se você não assistiu, recomendo. Já viu? Sempre vale um repeteco dele! ♥ No mais, podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Filmes com cenários incríveis!
Fan Page ♥ Instagram 


8
06.08.2020
* Beda 6 – TBT Pipoca: O Diabo veste Prada! ♥

Ei, Gente! :) Vamos para mais um filme antiguinho? Dessa vez: O diabo veste Prada, que tem a Anne Hathaway e Meryl Streep. Já falei algumas vezes sobre ele, porém, nunca teve um post especial e eu acho que merece. Então, pega a pipoca, que a sessão TBT vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para quem não sabe, o filme conta a trajetória da jornalista Andrea Sachs, em um emprego que “toda garota gostaria de ter”: na revista Runaway. De quebra, ela ganha novos desafios ao lado de colegas não tão receptíveis assim e, claro, com uma chefe de deixar o cabelo em pé… Miranda Prestley. ♥

A princípio, parece mais uma comédia romântica clichê. Mas na minha humilde opinião, essa história vai além. Existe romance e tal, porém, a vida profissional é retratada com muito afinco e traz lições valiosas, nesse quesito. A propósito, sempre quando estou repensando esse lado, vejo esse filme e ele me dá uma injeção de ânimo.

Adoro a trilha sonora e a mudança do visual da Andy acho que coube direitinho. Não sei se seria bem aceita nos dias de hoje, mas mesmo entendendo alguns posicionamentos, é uma das partes que mais gosto do filme. Mudar essa parte é válido e se a mudança traz questões positivas, por que não? :)

Crédito da imagem: Adoro Cinema

Porém, a atitude do Nate (namorado da Andy), na época não me incomodou e até fiquei um pouco do lado dele. Mas depois de um tempinho, vi que ele foi bem incompreensível com ela. Quando alguém está construindo uma carreira é preciso ser mais flexível. Tudo bem que a Miranda Prestley não tinha limites, porém, poderia ter um equilíbrio ali.

Falando na girl boss. Ela é bem irritante com aquele “That’s all”, mas mostrar o lado b da vida dela é uma sacada bem incrível e a Andy mostra o quão empoderada é, reconhecendo essa visão. Falando nisso, eu amo o Nigel (deveria ter um filme só dele) e, até mesmo, a Emily.

E o que falar das cenas em plena Paris? Acho que me apaixonei pela Cidade Luz nesse filme! Enfim,é de arrancar suspiros e o meu sonho é jogar um celular naquela mini fonte hahaha. Não me julguem, por favor! =D

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Comparando o filme com o livro, digamos que o segundo é mais vida real. Os acontecimentos finais não são tão bonitinhos, mas nos ensinam muito e mostram a realidade de muitos trabalhos. Quanto ao primeiro, tem um quê mais hollywoodiano, porém, confesso que eu amo do mesmo jeito. Traz uma esperança e coube direitinho na adaptação. Então, recomendo os dois, inclusive, a continuação literária: A Vingança veste Prada.

Por fim, as lições que aprendi é que a gente tem que dar o nosso melhor e o que for viável. Colocar limites e conhecer os nossos é bom e se cobrar menos também! O Glamour é irresistível, mas tem o seu preço. Tem de ver o que te faz feliz. Ah! Desafios nos fazem sair da zona de conforto. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

É isso, pessoal. Espero que tenham gostado desse TBT. E que ainda não assistiu, vi que está passando no Now (Net). No mais, podem opinar à vontade. E me contem: qual filme vocês querem ver nessa sessão TBT? :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: 5 filmes feministas/femininos
Fan Page ♥ Instagram  


10
15.07.2020
* Para assistir: Festival Eurovision da Canção – A saga de Sigrit e Lars! ♥

Ei, Gente! :) Uma das minhas atrizes favoritas para comédia romântica e tal é a Rachel McAdams. Daí, quando vi que ela que interpretava a Sigrit, de Eurovision, tive que assistir, né? Então, para o post do dia trouxe a resenha dessa história que está disponível na Netflix. Boa sessão! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Lars e Sigrit são aspirantes a músicos, que se conhecem desde criancinhas. Finalmente, eles têm a oportunidade de representar a Irlanda na maior competição de músicas do mundo! Bom, não pelo motivo que imaginaram, mas no meio de uma comédia repleta de elfos, canções e etc, conseguem alcançar objetivos que vão além. ;-)

O que eu achei? Não é o meu filme favorito da vida, mas rendeu boas risadas! Aliás, quando eu vi o cartaz achei que era uma comédia romântica, porém, é mais pastelão mesmo. E apesar de muitas vezes revirar os olhos para esse gênero, até que eu curti. Os dois atores, principalmente, a Rachel, couberam direitinho no papel. Ela com leveza, ele com um tom mais apelativo, mas acho que deu um bom match.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

A história não é cansativa e tem um ritmo bem legal, mesmo sendo um filme, relativamente, longo. Os personagens secundários fazem a diferença! Até o carinha do bar que pede sempre a mesma música inúmeras vezes. Me identifiquei hahaha. Algumas cenas são bem aleatórias e o humor meio ácido, mas como o gênero pede, não me incomodou tanto. Adorei a parte da apresentação final e a da casa do popstar russo (o Alexander), que a propósito me lembrou musicais clássicos.

Falando nisso, vi que não é a Rachel que canta de verdade no filme. Só no começo de algumas músicas, mas depois é uma cantora sueca que entra em ação. A propósito, fica bem na cara que ela está dublando, ai achei meio superficial. Mas é um mero detalhe, continuo achando ela incrível! No mais, passei a acreditar em elfos e a gente tem que tomar cuidado com os pedidos, que digamos que eles levam bem a sério. Demi Lovato que o diga (sim, ela participa).

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Gostei do desfecho, mesmo não entendendo alguns pontos. E a música “Ja Ja Ding Dong” vai entrar na minha playlist do Spotify hahaha. Acho que a parte do Lars com o pai no barco é bem fofinha e a cena final é divertida, mesmo com algumas piadas além da conta com os turistas americanos. Também fiquei apaixonada pelos cenários e coloquei na minha listinha para conhecer a Irlanda e Escócia.

No mais, vi que a gente deve ignorar as risadas maldosas e ir atrás dos sonhos e se adaptar a eles. Enfim, não é um filme para a família inteira, mas é uma história que pode render boas risadas no finalzinho do dia na sua própria companhia ou com o namorado (via Facetime). Recomendo. ;-)

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: Quatro filmes para assistir com a Rachel McAdams
Fan Page ♥ Instagram  


13
09.07.2020
* Para assistir: O amor não tira férias! – #TBT ♥

Ei, Gente! :) Como quinta-feira é o dia oficial de relembrar momentos e tal (o famoso #TBT), decidi que vou postar filmes antiguinhos aqui no blog. Pelo menos, duas vezes por mês! Para estrear: O amor não tira férias. Vamos lá? Pega a pipoca e o refri, que a sessão nostalgia vai começar! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para começar, aquele clássico resumo: a jornalista Iris está apaixonada por Jasper, mas logo descobre que ele está prestes a se casar com outra. Amanda, dona de uma renomada agência de publicidade especializada em trailers de filmes, tem a prova de que o namorado Ethan não é fiel. Iris é de Londres e Amanda de Los Angeles. Através de um site de intercâmbio (tipo um Airbnb da época), as duas trocam de casas para tirar uma mini férias de suas vidas e, claro, do amor. Essa mudança temporária traz novidades que refletem na vidinha amorosa de ambas e acabam cruzando o caminho de Miles e Graham, entre outros personagens importantíssimos! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Esse filme é de 2006, mas vi pela primeira vez lá em 2014. Me apaixonei completamente. Por mais que a história seja clichê, a forma como tudo acontece é apaixonante e realmente traz esperança no amor e a gente tem a clara noção de que ele não tira férias! Inclusive, o amor próprio. E que aquele romance pode estar onde você menos espera e em uma hora bem improvável. Os atores são sensacionais e acho que ambos casais tiveram aquela química que arrancaram suspiros!

Fiquei torcendo para todos e adorei as peculiaridades, como a Amanda nunca chorar, o Graham ser o pai mais hilário do mundo (amei as filhas dele) e o jeito como a Iris aproveita a sua estadia em Los Angeles é inspirador. Arthur é o meu personagem favorito e suas palavras, como “seja a protagonista da sua história e não apenas a amiga dela fizeram a diferença nessa época. Ser a melhor amiga tem o lado divertido, mas a gente não pode deixar a nossa voz de lado e o protagonismo também.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Amo que esse filme traz memórias de como era legal escolher uma história em plena Blockbuster e que a gente entende a importância de guardar o nosso choro para acolher o amigo do lado. E que a propósito, o amor pode estar embaixo do seu nariz e é só mudar a direção do seu olhar! E sempre quando assisto “O amor não tiro férias” fico com vontade de ter uma casa igual a da Iris, em Londres. No meio de neve e até dirigindo na mão contrária hahaha.

Enfim, é uma sessão pipoca para aquecer o coração, independente do seu estado civil. A gente ri, chora e vive cada cena! O final é bem clichê e dá uma sensação tão boa. Confesso que assistir novamente me bateu uma saudade de filmes assim românticos, mas nada apelativos! Enfim, recomendo e muito! ♥

***

Já viu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! Se eu não me engano, está disponível na Netflix, entre outros canais, como Telecine. ;-) No mais, podem opinar à vontade. E me indiquem filmes antiguinhos desse gênero. Vou adorar!!

Beijos, Carol.

Post Antigo: Oscar 2018 – 4 filmes que assisti
Fan Page ♥  Instagram


10
01.06.2020
* Para assistir: Você nem imagina! ♥

Ei, Gente! :) No finde, rolou mais um filme à distância com o meu namorado. Dessa vez, embarcamos na história: Você nem imagina, que está disponível na Netflix. Então, vamos lá? Boa sessão! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para começar, aquele resuminho clássico: Ellie Chu é uma aluna deslocada que tem o hábito de fazer a lição de casa de seus colegas. Isso ajuda a contribuir com as contas de casa. Além disso, ela possui uma paixão secreta pela Aster Flores, uma garota popular que desmistifica a imagem que temos desse tipo de aluno. Até que Paul, um jogador de futebol, se aproxima de Ellie para pedir ajuda para escrever uma carta de amor para a sua amada. Essa revelação rende uma história que você nem imagina! ♥

Eu já tinha lido algumas resenhas sobre o filme e depois que o meu namorado me contou que a minha sogra tinha visto e adorado, a gente resolveu assistir também! O começo é bem bonitinho e Ellie Chu é uma das personagens mais originais que já vi! Algumas partes eu achei bem confusas, mas outras são fofas e todas possuem uma pega teen que eu adoro!

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Paul me conquistou aos poucos e acho que nessa diferente história de amor, que não estamos muito acostumados a ver nos filmes, todo mundo saiu ganhando. A Aster acho que deveria ter aparecido mais e aos pouquinhos vamos entendendo a sua essência. Quanto a Ellie, além da originalidade, ela tem as melhores frases de efeito, que são ousadas e que fazem total sentido!

No mais, a forma como cada cena é construída rende risadas, reflexões e algumas pequenas confusões. Aliás, não é que eu não tenha gostado do final. Cada hora torcia para um casal e apesar de eu adorar finais que instigam a nossa imaginação, achei que ficou muito em aberto! Porém, é uma história fofa e que merece a sua atenção.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Por fim, algumas observações: fiquei muito curiosa para experimentar a receita do Paul e a cena da lanchonete é hilária e da igreja idem! E eu amei o pai da Ellie e a professora é uma das melhores! E destaque para os looks da Aster. Quero copiar a maioria hahaha. Enfim, recomendo o filme. ;-)

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol.

Post Antigo: Para assistir – Deixe a neve cair!
Fan Page ♥ Instagram     


9

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021