19.02.2021
* Sophie Kinsella ou Madeleine Wickham? ♥

Ei, Gente! :) Vocês sabem que eu sou fã da Sophie Kinsella, né? E hoje eu descobri uma coisa que fiquei chocada e, até mesmo, me sentindo uma leitora desnaturada hahaha. Calma que eu explico!

Crédito: Giphy

Desde que eu me entendo como uma bookaholic de comédia romântica literária, sabia que a Sophie tinha 7 livros publicados com o nome de “Madeleine Wickham“….

Eis que de repente, pesquisando para escrever esse post, me deparo com a seguinte informação: Sophie Kinsella NÃO é o seu NOME VERDADEIRO. Madeleine que é!!! Isso também é novidade para vocês? Me digam que eu não estou só hahaha.

Enfim, eu ainda meio que tô me sentindo uma fã relapsa, mas ainda bem que agora não serei mais (desculpa, Sophie!). Aliás, seguem mais algumas curiosidades da Sophie… Ou melhor: Madeleine (vou demorar para me acostumar). E, sim, algumas eu já sabia. Tô perdoada? ;p

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

– Ela é irmã da autora Gemma Townley, que escreveu “1 milhão de motivos para casar“. Nasceu no dia 12 de dezembro de 1969. É casada, inclusive ele estava lá na Bienal com ela. Tem 5 filhos e salvaria da sua biblioteca “Alice no País das Maravilhas” e algum da Agatha Christie (essas duas últimas informações, perguntei na sessão de autógrafos aqui no Rio).

– Sophie Kinsella não surgiu por acaso… O primeiro veio do nome do meio dela Madeleine Sophie Townley. E pegou o sobrenome de solteira da mãe Patricia B. Kinsella. Aliás, Patricia é o nome da mãe da Pequena que vos bloga. Amei essa coincidência! ♥

No dia da Bienal do Livro

Por fim, seguem os três livros dela como Madeleine, únicos (até agora) publicados no Brasil: Quem vai dormir com quem, Louca para casar e Drinques para três. Eu li esse último e não curti muito, mas vale embarcar e tirar a sua própria conclusão. ;-) Tem resenha aqui (aliás, eu escrevi nesse post que o pseudônimo era Sophie Kinsella, mas apaguei totalmente da memória). :)

É isso, gente! Agora compartilhem uma curiosidade de algum autor que você ficou chocado quando descobriu. No mais, podem opinar à vontade. Ah! Descobri essas informações aqui, aqui e aqui.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Conhecendo Sophie Kinsella
Fan Page ♥ Instagram   


8
22.01.2021
* Livros para quem quer escrever chick lit! ♥

Ei, Gente! :) Essa semana rolou a 1ª live de 2021 lá no Insta do blog. O tema? Chick lit, com a escritora brasileira Rê Lustosa. Foi um bate-papo tão legal e ela aproveitou para indicar alguns livros para quem quer escrever histórias do gênero.

Quem perdeu, fica tranquilo, que a live ficou salva aqui. Mas para facilitar a vida, trouxe as sugestões de lá para cá. Então, bom post. ♥

Escrever não é apenas escrever e pronto. A Rê contou na conversa, que além de ler muito sobre esse gênero, algumas técnicas podem facilitar a vida do escritor. Oficinas de escrita são bem-vindas e livros sobre o tema também. Aqui no Brasil, ela recomendou três, incluindo um de roteiro e diálogos, que são fundamentais para uma história ser bem recebida pelo leitor.

Então, temos: “Como escrever diálogos“, da Silvia Adela Kohan. Esse foi o que mais me interessou e quero muito comprar. Acho que vai me ajudar nos projetos futuros. Também tem “Story“, de Robert McKee. Esse é mais para o lado do roteiro, mas indispensável para autores também. E “A Jornada do Escritor“, de Christopher Vogler, eu já tinha escutado falar. De acordo com a Rê, ele fala sobre uma estrutura que funciona muito com os leitores daqui. ;-)

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

No Brasil, o que a gente repara muito é que esse gênero ainda precisa ser mais reconhecido e explorado. Lá fora, a nossa convidada encontra até mais livros que colaboram com autores de chick lit. Quando meu inglês estiver melhor, vou querer todos os quatro! ;p

Anotem aí: “Will Write for Shoes“, de Cathy Yardley. Dá para perceber que é bem específico e como eu espero que um dia tenha em português. É bem mais fácil aprender na língua de casa, né? Também tem “How to write dazzling dialogue“, de James Scott Bell. Mais um que aborda sobre diálogos! Temos “See Jane Write“, de Sarah Mlynowski e Farrin Jacobs. Outro que dá para perceber que é bem específico! Editoras, vamos trazer para cá? ;-) Por fim, mas não menos importante: “Romancing the Beat“, de Gwen Hayes. A Rê contou que é tipo um livro que ajuda na escrita de romances de beijinhos, digamos assim.

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

É isso, pessoal. :) Essa é mais uma forma de falar: leiam esse tipo de romance, caso o único motivo seja ter um certo receio com esse gênero. Sei que muitos acreditam que são histórias irrelevantes, mas é totalmente o oposto. Arranca risadas e muitos aprendizados (com muita leveza)! ;-)

Ah! Mais uma coisinha que a Rê falou e acho que pode ajudar muito o pessoal que deseja escrever chick lit: leiam outros estilos de livros também. Principalmente, se você tiver no processo de escrita. Quando a gente lê muito, sem querer, pode acabar pegando alguns vícios de autores. É ótimo ter referências, mas que não passe disso.

Gostaram? Podem opinar à vontade. Tem algum livro que pode ajudar? Não deixe de indicar. E obrigada pela ajuda, Rê!! Lembrando que todas as resenhas das histórias da Rê, vocês encontram por aqui no PJ. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: Por que eu leio chick lit?
Fan Page ♥ Instagram 


20
07.12.2020
* Para assistir: Can you keep a secret? ♥

Ei, Gente! :) Finalmente, consegui assistir o filme baseado no livro “O Segredo de Emma Corrigan“, da Sophie Kinsella: Can you keep a secret? Quer dizer, aqui no Brasil, só começou a passar na Amazon Prime esse mês! Então, peguem a pipoca e o refri, que a sessão chick-lit vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Wikipédia

Para quem não conhece a história, vou resumir um pouquinho do que se trata. Emma Corrigan é uma mulher cheia de segredos e ao pegar um voo com uma turbulência daquelas e ficar com medo de morrer, acaba revelando todos para um estranho… Mas o tal homem que ela contou tudo, não some da sua vida. Agora, ele nada mais é do que o seu novo chefe. =D

O que eu achei? É sempre bom ver um filme baseado nos livros da Sophie. Queria que todos tivessem essa chance de ir para o cine. E eu entendo completamente as mudanças que ocorrem em adaptações. Eu sou fã dos dois! Mas esse eu digo com toda a certeza: o livro é bem melhor! Não que essa sessão não tenha me agradado, porém, eu tinha uma expectativa lá em cima.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Algumas partes são idênticas. Outras, nem tanto. Entretanto, eu li há séculos e não lembrava de tudo. E como o livro é de 2003, se eu não me engano, óbvio que eles mudariam algumas coisas. Como colocar Tinder no meio da história e a música que ela chora é outra e tal. Mas o que me incomodou, foi no comecinho que a sensação era de que o som da voz da protagonista não acompanhava a leitura labial.

Eu não sei se é um problema técnico da filmagem e tal, da Amazon, da TV que eu assisti ou sei lá. Porém, foram só nas primeiras cenas. Depois não sei se a gente se acostumou ou melhorou mesmo hahaha. Enfim, de resto, eu gostei muito da escolha dos atores que interpretaram a Emma e o Jack. No mais, eu ri muito e deu um quentinho no coração. Aliás, eu não tenho o costume de reler livros… Em contrapartida, fiquei com tanta saudade dessa história, que acho que vou ler novamente.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Enfim, é um filme bem água com açúcar. Se você é fã dos livros da Sophie, pode ser que tenha essa mesma impressão. Mas como uma boa leitora de chick lit, vai ser meio impossível não ficar com os olhos brilhando, mesmo com as ressalvas. Então, recomendo! ♥

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol.

Post Antigo: Top 5 – Sophie Kinsella – Parte 2
Fan Page ♥ Instagram 


2
04.12.2020
* PJ Leu: A lista que mudou minha vida! ♥

Ei, Gente! :) Chick-lit é sempre uma boa leitura, mas esse entrou para a minha listinha de favoritos. O PJ Leu da vez é “A lista que mudou minha vida“, da autora Olivia Beirne. Vamos lá? Boa resenha! ♥

Livro: A lista que mudou minha vida | Autora: Olivia Beirne | Editora: Faro Editorial
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Georgia adora ficar jogada no sofá após o trabalho vendo TV e bebendo vinho. Mas não curte altura, ir a encontros amorosos e atividade física nem passa pela sua cabeça. Resumindo, correr riscos não faz parte da rotina dela.

Mas tudo muda quando a sua irmã mais velha, a Amy, descobre que tem uma doença, que vai lhe impedir de realizar algumas aventuras, até completar 30 anos. Então, ela passa e adapta a lista de coisas que deseja fazer para a nossa protagonista!

Uma história sobre sair da zona de conforto, amizade, família e muito mais!

Opinião da Pequena: Na capa tem um comentário que “fãs da Sophie Kinsella vão se apaixonar por este livro” e eu concordo 100%! Georgia é a típica personagem de chick-lit. Aquela que nos diverte e ensina ao mesmo tempo, através de uma leitura leve e que deixa a vida bem melhor!

A premissa é bem boa e a escrita da autora flui que é uma beleza! E arranca boas risadas, até mesmo nos momentos menos propícios. E personagem que gosta de Gilmore Girls: como não amar? Adorei as referências e as tiradas dela! A parte da pomba, meu Deus hahaha! Ah! Os pais lembraram muito os da Becky Bloom. A Amy é uma inspiração, sem dúvida, e lembrou muito a minha irmã mais nova!

A princípio, eu achei que teria um pouco a ver com o livro “A lista de Brett“. Mas lembra muito mais a história de “Corra, Abby, Corra” (aliás, acho que é um sinal para eu me exercitar mais hahaha). Porém, com seus diferenciais, claro! E, gente, não sei se só eu tenho essa impressão, mas todos os mocinhos literários e de séries que tenho visto, tem o nome de Jack hahaha. Enfim, só uma observação hahaha!

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Amei a lista e alguns itens são bem aleatórios e adorei que as metas traçadas são bem gente como a gente! Às vezes, tá tudo bem, burlar por uma boa causa. Não sei se dá para entender direito, mas lendo acho que dá. ;-) No mais, é uma história que faz a gente refletir também sobre zona de conforto e como a gente pode ir além. Seja um encontro no Tinder, correr 10km ou pular de paraquedas. E o resultado não importa, mas ir lá e tentar é valioso!

Só acho que a Esclerose Múltipla poderia ter sido um pouco mais destacada, no sentido de explicação da doença. Mas até entendo o viés que a autora quis pegar, digamos assim. Enfim, é um livro que devorei, com um final perfeito e que mais uma vez me fez entender a importância de comédia romântica literária. Abracei no final e pensei em coisas que posso fazer para sair da minha rotina e me aventurar mais. ♥

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Ah! Amei a capa e o espaço que tem para o leitor fazer a sua própria lista. Enfim, mega recomendo a leitura! Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Quase Rivais
Fan Page ♥ Instagram 


8
14.09.2020
* PJ Leu: Conto – Cale-se para sempre! ♥

Ei, Gente! :) A minha concentração literária está voltando aos poucos e no finde consegui até ler um conto novo: Cale-se para sempre, da Renata Lustosa (autora nacional), uma parceira querida do PJ. Então, trouxe a resenha para vocês. Vamos lá? Boa leitura!

Conto: Cale-se para sempre | Autora: Renata Lustosa
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Olívia Florence é dona de uma pequena empresa de organização de eventos chamada “Dois pombinhos”. Parece que as coisas vão melhorar com o novo casal cliente, porém, tudo muda quando o noivo dá em cima dela na maior.

Agora o que fazer? Contar para a Bianca, a noiva, e perder seus potenciais clientes ou deixar isso para lá e não falar nadinha? Sua honestidade pode prejudicar a sua empresa, que já está meio mal das pernas ou pelo contrário?

Entre essas questões, Olivia aprende boas lições. Inclusive, faz as pazes com o senhor cupido!

Opinião da Pequena: Sempre quando eu leio algo da Rê, eu lembro o motivo de eu amar tanto chick-lit. Esse conto é mais uma prova de que esse gênero traz valores que inspiram a gente no nosso dia a dia e não tem nada de “raso”.

A premissa chama a atenção. Imagina: o único cliente, que pode manter a sua empresa, dá em cima de você na maior cara de pau? É impossível não se colocar no lugar da Olívia e ter vontade de dar um murro nele (sou contra violência, mas esse vilão merece hahaha).

Adorei como a história foi conduzida e o único defeito é que acaba muito rápido! Quando a gente se toca, chega o epílogo, mas fica feliz que tudo se encaixa direitinho.

De quebra, a gente aprende lições, como a importância de ter aulas de krav magá. Que a propósito, essa parte rende boas risadas. Outra: a honestidade e a empatia valem ouro. E que o Cupido sabe das coisas e um bom partido aparece e ele tem de ter várias coisinhas, que vão além de bens materiais. Clichê, mas sempre bom lembrar.

Crédito da Imagem: Amazon / Renata Lustosa

Tomás é meu novo crush literário, mesmo com algumas ressalvas. A Olívia? Amei esse nome! Ah! E eu quero contratar a “Dois Pombinhos” quando eu me casar hahaha. ;-) Aliás, noiva Bianca, você me surpreendeu. Quer ser minha amiga? Eu,você e a Olie podemos criar um grupo no Whats hahaha.

Enfim, recomendo muito para quem anda travado nas leituras. Quer algo divertido, leve e para devorar em questões de horinhas? Cale-se para sempre é perfeito para isso.

E não sei vocês: mas contos eu acho que sempre devem virar livros, porque quero mais detalhes e tal hahaha. Tipo uma personagem, que acho que acrescentaria muito, ficou meio apagada. Mas entendo que esse tipo de leitura é desse jeito, mais direto ao ponto, digamos assim.

Quanto à capa… Tem tudo a ver com a história, inclusive, com uma cena incrível. Pelo menos, eu acho! E o título também! E adorei a diagramação e as ilustrações em algumas páginas, que fazem a diferença. ^^

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

É isso, pessoal. Quem quiser embarcar, está disponível nesse link da Amazon. No mais, podem opinar à vontade! ;-)

Beijos e boa semana,
Carol.

Post Antigo: Conto – Maldito Beijo!
Fan Page ♥  Instagram


6

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021