03.02.2016

No evento da Thati Machado (Blog Nem Te Conto), conheci o Vinícius Grossos, um escritor superfofo! Em 2014,  lançou seu primeiro livro: Sereia Negra. Ano passado foi a vez da história “O Garoto quase-atropelado“, publicado pela Faro Editorial. Fora isso, ele é carioca, mas atualmente mora em Juiz de Fora, onde cursa a faculdade de Jornalismo. Ah! Quando era mais novo, queria desenhar, mas sua mãe mandou a real e ele trocou os “rabiscos” pela escrita. Tudo indica que ele fez uma excelente troca. Com vocês, Vinícius! ;-)

11889588_1034848086556019_2539488528128897118_n

PJ Entrevista: Vinícius Grossos! 

1. As histórias que você escreve têm um pouco a ver com algum capítulo da sua vida ou tudo é fruto só da sua imaginação?
R: Acho que tudo o que eu escrevo é uma grande junção de vivências e sentimentos próprios, misturados com casos que escuto, experiências culturais diversas e muito da minha imaginação. Eu não saberia escrever um livro 100% baseado em fatos reais, nem 100% imaginativo. Há sempre essa mistura.

2. O que você aprendeu com o 1º livro e colocou em prática ao escrever “O Garoto quase-atropelado”? Conte um pouco.
R: Inês, a personagem de Sereia Negra, me ensinou mais na vida pessoal do que em qualquer outro campo. Ela é uma personagem que cresce muito durante a trama, e que me ensinou a me amar e a me respeitar mais. Agora numa parte mais técnica, Sereia Negra mistura muito a fantasia com o drama. Acho que isso me serviu, na hora de escrever OGQA, e mesclar bem os sentimentos das personagens com os acontecimentos que movimentavam a trama.

3. Conte um pouco sobre a sua trajetória literária.
R: Desde que me percebo como gente, crio histórias. A literatura está intrínseca à minha vida. Mas falando dos publicados, em maio de 2014 lancei o Sereia Negra, pela Editora Selo Jovem. Através dele conheci os meus primeiros leitores. Após, em setembro de 2015, veio O Garoto quase-atropelado, meu grande orgulho. Para 2016, já está previsto um novo Young-adult pela Faro e outras surpresas que eu não posso contar nada!

4. Qual é a parte mais doce e amarga de fazer parte desse mundo dos livros?
R: A parte mais doce, sem dúvidas, é o carinho dos leitores. É algo mágico e inexplicável. A parte amarga, é todo o descaso que o país tem pela literatura.

5. Se pudesse salvar três livros de um incêndio, quais escolheria? (não pode escolher os seus hahaha)
R: O apanhador no campo de centeio (Jerome David Salinger); Admirável Mundo Novo (Aldous Huxley) e Na Estrada (Jack Kerouac). Quem leu O Garoto quase-atropelado vai entender!

Recadinho dele:
Galera, quem quiser mais sobre os meus lançamentos, me achem lá no Facebook, Instagram e Snap.
Vou adorar conhecer vocês! ;) 

***

Muito obrigada pela entrevista! Todo sucesso do mundo, Vinícius! “O Garoto quase-atropelado” está na minha listinha de próximos livros.
Gostaram? Espero que sim! ;-) Quem quiser saber mais sobre os livros e o entrevistado da vez, clique aqui

Beijocas, Carol.

Fan Page ♥  Instagram 

carol

leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 Comentários