10.10.2009

Amor, só, não basta…

“(…) Não existem vários tipos de amor, assim como não existem três tipos de saudades, quatro de ódio, seis espécies de inveja. O amor é único, como qualquer sentimento, seja ele destinado a familiares, ao cônjuge ou a Deus. A diferença é que, como entre namorados não há laços de sangue, a sedução tem que ser ininterrupta. Por não haver nenhuma garantia de durabilidade, qualquer alteração no tom de voz nos fragiliza, e de cobrança em cobrança acabamos por sepultar uma relação que poderia ser eterna. Te amo pra lá, te amo pra cá. Lindo, mas insustentável. O sucesso de um namoro e casamento exige muito mais do declarações românticas. Por exemplo, duas pessoas que resolvem dividir o mesmo teto, tem que haver muito mais do que amor, e às vezes, nem necessita de um amor tão intenso. É preciso que haja, antes de mais nada, respeito. Agressões zero. Disposição para ouvir argumentos alheios. Alguma paciência. Amor, só, não basta.
Não pode haver comparações. Nem competição. Tem que ter jogo de cintura para acatar regras que não foram previamente combinadas. Tem que haver bom humor para enfrentar imprevistos, acessos de carência, infantilidades. Tem que saber levar. Tem que haver inteligência. Um cérebro programado para enfrentar TPM, irritações. Tem que haver um pouco de silêncio, amigos de infãncia, vida própria, um tempo para cada um. Tem que haver confiança e segurança. Saber relevar.
Entre homens e mulheres que acham que o amor é só poesia, tem que haver discernimento, pé no chão, racionalidade. O amor pode até nos bastar, mas ele próprio não se basta. É preciso convocar uma turma de sentimentos (…)”

Achei isso no fundo do armário. Não sei quem é o autor. Procurei no google e, vi que nesse link tem o mesmo poema, mas um pouco diferente. Sei lá, na época eu devo ter adaptado.
Enfim…
Meu futuro namoro tem que ser assim. Ok! Sei que a perfeição não existe. E que nem tudo será “como manda o figurino”. Mas quero ter uma relação “quase” lá ;)!
Não precisa ser loirinho de olhos azuis. Meu príncipe pode ser “normal”, mas o relacionamento tem que ser do tipo “amor, só, não basta”.

*Um vídeo tudo a ver com o post…

Xoxo,
Pequena ;)

carol

leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

3 Comentários

  • "O amor pode até nos bastar, mas ele próprio não se basta." Amei!!!!!

    Você transcreveu um poema que diz tudo sobre como é um relacionamento de verdade.

    O único problema é que quando estamos apaixonadas (os) pensamos que nossos amores são perfeitinhos e esquecemos que eles são também complicadinhos por serem reais. Além disso, entre familiares e amigos sempre imaginamos que tudo tem que ser do nosso jeito. Como se o problema não estivesse nunca em nós mesmos.

  • carol, certamente você teria adorado nosso Encontro. Foi muito enriquecedor e até mesmo um pouco polêmico quando entramos no tema "Família".

    Apareça quando quiser para os estudos. Na dúvida de como chegar entre no site do Ceoe (www.ceoe.org.br) e clique no link que mostra até um mapa para isso.

    bjos

  • Anônimo

    Que texto maaaaaaais tudo, amiga! Nossa, caiu como uma luva para o que estávamos conversando agorinha no msn! Acho que é realmente isso, amiga. O amor, apesar de ser fundamental, não basta por si só. O amor pode ser bem egoísta e mesquinho quando age sozinho. Precisava desse texto hoje!

    Beijos, te amo!!!!