08.02.2021
* 3 Coisas que aprendi com o Insta Consistente! ♥

Ei, Gente! :) Uma das metas para esse ano é fazer com que o blog e o Insta do PJ cresça Acredito que esses dois cantos da Internet podem ajudar muito quem ama livros e/ou quer criar o hábito de leitura. Sendo assim, tenho buscado alguns cursos para fazer, mas que sejam bons de verdade e não queiram só ganhar dinheiro, sabem?

E aí que no finalzinho de janeiro, a Lila falou que estava com uma nova turma do mini curso Insta Consistente. Na última quinta, foi o bate-papo final e sério: me ajudou bastante! Ao menos, na teoria e já avancei um pouco na prática. Daí, vou contar aqui nesse post cinco insights que eu tive com as aulas. Vamos lá? ♥

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

1. Planejamento é tudo!
Observação da Pequena: Eu gosto de me planejar, mas nem sempre consigo fazer as coisas com antecedências. Resultado? Muitas vezes o Insta fica zerado e o blog sem post. Separar uns dias para colocar a mão na massa, seja planejando os temas dos posts, gravando reels, criando os layouts e o textos, já é uma ajuda e tanto. Não que as coisas não possam mudar, mas ter um norte ajuda a ter a tão sonhada consistência.

2. Audiência e você!
Observação da Pequena: Eu acredito que escrever algo sobre o que eu gosto é essencial. Mas é importante a gente analisar de forma mais profunda o que o nosso leitor gosta e, se possível, unir o útil ao agradável. Há vários formatos e tipos de postagens. Uma pesquisa de público, ver as métricas e tal, colabora muito na hora de criar um conteúdo relevante e que não seja só mais um no meio de tantos.

3. Não confie na sua memória!
Observação da Pequena: Quantas vezes, a gente não tem uma ideia de post ou de reels, mas jura que vai lembrar no dia seguinte? Separa um bloco de notas físico ou do celular e anote tudo na hora. Nem que seja no meio da madrugada. Isso vai facilitar muito a vida e não deixar ideias excelentes para trás. ;-)

Print do meu depoimento que virou post lá no Insta da Lila.

***

Bom, esses são alguns dos insights. Mas o aprendizado foi além! Para quem quiser saber mais sobre o tema e o mini curso, vale seguir a Lila no Insta. E não é publi, viu? Dica boa, a gente tem de compartilhar (independente de qualquer coisa) e apoiar uma amiga empreendedora é sempre válido. No mais, podem opinar à vontade! ♥

E mais para frente, vão rolar outros posts do tipo. Porque tenho alguns para fazer e teve um do ano passado que acabei não postando aqui.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Coisas que aprendi durante a SEMAP
Fan Page ♥ Instagram    


5
31.08.2020
* Beda 31 – 3 coisas que eu aprendi com o Beda! ♥

Ei, Gente! :) Dá para acreditar que chegamos ao último dia do Beda? Foi um desafio muito prazeroso, mesmo dando aquele trabalho. Então, para fechar com chave de ouro, decidi contar três coisas que eu aprendi fazendo posts todos os dias de agosto. Vamos lá? ♥

1. Organização é vida!
Observações da Pequena: Eu não sou a organização em pessoa. Mesmo tendo todas as ideias anotadas e tal, confesso, que muitas vezes preparo uma postagem nos 45 do 2º tempo. Qualquer contratempo, compenso no fim de semana. Mas no Beda não queria, ao máximo, agir assim! Então, para os fins de semana, que não são costumeiros por aqui, acabei conseguindo deixar agendado alguns posts. Me organizei e vi que dá um alívio! Cada um tem um jeitinho, mas comigo funciona muito listinha e, claro, planner. Espero conseguir fazer mais vezes isso. ;-)

2. Existe Beda na Blogosfera!
Observações da Pequena: Parece meio nada a ver esse tópico. Mas como os blogs não estão tão em alta (apesar de eu achar que a quarentena fez muita gente voltar para esse mundinho), se compararmos com outros cantinhos da internet, eu não tinha noção que encontraria blogueiros com o mesmo objetivo nesse mês!Deu para perceber que muitos participam desse tipo de desafio (e afins). E isso me fez ver que o blog está com tudo e há muito conteúdo incrível para ser compartilhado por aqui. Ainda bem! ♥

3. Quando você fez algo pela primeira vez?
Observações da Pequena:
Não é a primeira vez que participo do Beda, mas é a primeira que eu faço com tanto comprometimento. De agendar posts, de não postar por postar. Todas as postagens foram pensadas “o que esse tema vai acrescentar na vida do leitor?”. Claro, tudo o que é postado segue essa linha, mas às vezes a gente tem umas cartas na manga só para não ficar sem post, sabem? #confissõesdeblogueira hahaha ;p E no Beda isso poderia ter rolado, mas não rolou. E eu tenho muito orgulho!

***

É isso, pessoal. :) Muito obrigada a todos que acompanharam! Espero que tenham gostado o tanto quanto eu. Parabéns também para todas as bloggers que participaram. Agora com a programação normal, vou conseguir visitar com mais frequência os blogs amigos. Aliás, segue a listinha de alguns que eu sei que participaram do Beda 2020:

Inventando com a mamãe
Mãe Literatura
Depois de Nós
Meus amores

E uma coisa que eu confirmei ainda mais é o quanto eu amo criar conteúdo para o PJ blog. Adoro o Insta e o novo formato que planejei junto com a minha irmã para lá e não vou abandoná-lo de forma alguma. É uma troca bem boa por lá também. Mas sei lá, por aqui parece que tudo faz mais sentido!

Enfim, foi uma honra participar desse desafio e me sinto muito realizada! Recomendo a todos os blogueiros, nem que seja ao menos uma vez. Dá trabalho, mas no final, a sensação é incrível. Vão por mim!

Ah! Tenho de reconhecer um erro: acho que o sorteio de 11 anos do blog, tinha que ter sido feito por aqui. Mas para compensar, no próximo mês, estou pensando em algo bem legal para sortear aqui no bloguinho! Mil perdões!!

No mais, podem opinar à vontade. E Beda: até ano que vem. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Blogueiras.com
Fan Page ♥  Instagram


5
26.05.2020
* Top 5: livros que nunca imaginei ler e li! ♥

Ei, Gente! :) Se tem uma coisa que tenho feito durante a quarentena é sair da zona de conforto. Apesar de dar preferência a leituras mais leves, li alguns livros que nunca imaginei embarcar. Pensando nisso, trouxe cinco histórias literárias (a maioria não é recente) que se encaixam nesse perfil. Vamos lá? ♥

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

1. A menina que roubava livros (Markus Zusak – Editora Intrínseca)
Sinopse:
Horas depois de ver seu irmão morrer nos braços de sua mãe, que era comunista, Liesel Meminger é adotada por Hans e Rosa Hubermann. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala “O Manual do Coveiro”, livro que o rapaz que enterrou o seu irmão deixou cair na neve. Foi o primeiro dos vários livros que Liesel roubaria. O começo de uma carreira brilhante! Através dos livros, Liesel descobre um mundo diferente do cenário triste de uma guerra, que transformava a Alemanha diariamente. Ela descobre o real significado do amor, da amizade e da lealdade. E as palavras que Liesel encontrou nessas páginas seriam mais tarde aplicadas ao contexto da sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, pai adotivo mais amável do mundo, e Max Vandenburg (o judeu do porão), Rudy Steiner e a Morte, que a propósito é a narradora do livro, que testemunhou a dor e a poesia da época em que Liesel teve sua vida salva diariamente pelas palavras.
Observação da Pequena: Quem acompanha o blog há séculos sabe que esse livre foge totalmente do gênero literário que eu amo. Mas por conta de uma desilusão amorosa, decidi na época que embarcaria em outros livros e esse foi o escolhido! Nunca foi tão bom sair da minha zona de conforto, gente! Quem quiser saber mais, tem um post completinho aqui.

2. Divergente (Veronica Roth – Editora Rocco)
Sinopse:
Uma versão futurista da cidade de Chicago, a sociedade se divide em cinco facções dedicadas ao cultivo de uma virtude – a Abnegação, a Amizade, a Audácia, a Franqueza e a Erudição. Aos dezesseis anos, numa grande cerimônia de iniciação, os jovens são submetidos a um teste de aptidão e devem escolher a que grupo querem se unir para passar o resto de suas vidas. Para Beatrice, a difícil decisão é entre ficar com sua família ou ser quem ela realmente é – não pode ter os dois. Então, faz uma escolha que surpreende a todos, inclusive a ela mesma.
Observação da Pequena: Como eu soube que os atores do filme eram os protagonistas da história “A culpa é das estrelas”, decidi assistir no cinema. E me apaixonei tanto, que assim que sai do cine, fui correndo na livraria. Jamais imaginei gostar dessa distopia, mas amei e devorei em poucos dias o livro. Só não animei em ler os outros!

3. Todo mundo tem um anjo da guarda (Pedro Siqueira – Editora Sextante)
Sinopse:
Neste livro, o autor conta sobre esse universo dos anjos! Ele mostra uma visão geral das criaturas celestes, explica que é possível ver nossos anjos da guarda e,  até mesmo, saber seus nomes. E não para por aí: Pedro explica como podemos nos comunicar com eles para estreitar os laços com Deus.
Observação da Pequena: Eu não tenho intimidade com livros religiosos. No comecinho, não sabia se tinha feito a melhor escolha para sair da minha zona de conforto. Mas depois a leitura fluiu e, independente, da sua religião as mensagens são incríveis e dão paz! Falei mais sobre aqui.

Crédito das Imagens: Amazon e Arqueiro
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

4. Coragem (Rose McGowan – Editora Harper Collins)
Sinopse:
Rose McGowan se tornou uma das atrizes mais desejadas de Hollywood da noite para o dia. Mas o que seria um sonho, virou logo um inferno pessoal e, com o tempo, ela se reemergiu como um ícone feminista ao expor verdades sobre a indústria hollywoodiana. Mas sua história começou muito antes: aos 13 fugiu de casa e viveu de forma instável, morando e saindo das ruas. Até que foi descoberta por Hollywood, viu seu estrelato se tornar um verdadeiro pesadelo de exposição e sexualização constantes. Um mercado machista a tornou, sem consentimento, em apenas um produto, excluindo sua identidade e imagem, tudo em nome do lucro. Mas o que essa seita não esperava, aconteceu: ela não ficou calada e voltou expondo as verdades, incluindo os crimes cometidos por Harvey Weinstein, um produtor cinematográfico, que tem coleções de denúncias de assédios sexuais. Um livro de memórias, em forma de manifesto honesto e sem censura alguma!
Observação da Pequena: É uma leitura extremamente necessária e que ensina muito. Mas é um livro pesado e que marca. Não é que não valha a pena sair da zona de conforto com ele, porém, é sempre uma história que vou lembrar de um jeito bem triste. Quem quiser saber um pouco mais, é só clicar aqui.

5. A Gaiola de Ouro (Camilla Läckberg – Editora Arqueiro)
Sinopse:
Jack e Faye começaram a namorar na faculdade. Ele é um garoto criado em berço de ouro. Ela é uma jovem que se esforçou para enterrar um passado sombrio. Quando ele decide criar uma empresa, ela deixa os estudos e passa a trabalhar de dia, dedicando as noites a traçar a estratégia do novo negócio. A companhia se torna um sucesso bilionário, mas Faye fica apenas cuidando da filha em casa e sendo exibida pelo marido, que toma todas as decisões da empresa. Um dia, Faye descobre que ele tem um caso e a bela fachada de sua vida desmorona. De uma hora para outra, ela está sozinha, emocionalmente abalada e sem nenhum centavo. Mas Jack está prestes a receber o que merece, e muito mais.
Observação da Pequena: Esse foi o que me tirou da zona de conforto nessa quarentena. Logo eu que sempre indico leituras leves! Mas mesmo sendo uma história mega pesada, a escrita te prende do início ao fim. Não quero ler um thriller psicológico tão cedo, mas gostei de ter riscado esse desafio de leituras. Para mais informações, corre nesse post. ♥

***

Moral da história: acho importante lermos o que amamos. Mas se arriscar e sair da zona de conforto pode render aprendizados, experiências diferentes e, até mesmo, livros que entram para a sua lista de favoritos da vida (no meu caso: A menina que roubava livros).

Então, leia o que te agrada. Em contrapartida, não há problema algum aceitar desafios literários. ;-) Agora me conta: qual livro te fez sair do mesmo? No mais, podem opinar à vontade! ^^

Beijos, Carol.

Post Antigo: Top 5 – Distopias
Fan Page ♥ Instagram  


9
26.11.2018
* Diário de Viagem: 5 coisas que eu aprendi dessa vez. ♥

Ei, Gente! Olha quem voltou de viagem.  Para quem não sabe, passei alguns dias em Orlando e em Punta Cana. Fui comemorar com o Mickey e casar uma amiga. E nada melhor do que relembrar essa aventura com posts especiais, né? O primeiro: cinco coisas que eu aprendi dessa vez. Sim, viagens também são ótimas oportunidades para a gente aprender e MUITO. Vamos lá? ;-)

Diário de viagem - PJ - 1º PostCrédito da Imagem: Pequena Jornalista

1. A gente passa meses e, até mesmo, anos planejando uma viagem. Mas não adianta: contratempos sempre vão existir e fogem mesmo do nosso controle. Mas a forma como a gente lida é que faz a diferença. Alguns imprevistos, como acordar atrasada, quase perder conexão, febre fora de hora, confundir os nomes de alguns lugares e tal, me deixaram meio p da vida e ainda mais ansiosa. E a TPM não ajudou em nada, mas depois eu vi que passam e dão lugar a ótimas histórias. Então, se joga, mas sabendo que pequenos “como isso foi acontecer?” podem surgir e tudo bem.

2. Comprovei mais uma vez na prática que coragem realmente não tem nada a ver com a ausência de medo. Sou bem medrosa em relação a brinquedos, principalmente, montanha russa com looping, mas prometi ao meu namorado que ia tentar ao menos uma. Quando entrei na do Aerosmith (Hollywood Studios), por exemplo, só falei que estava morrendo de medo, ele me deu a mão e começou. Não sei ainda explicar a sensação direito, mas vi naquele momento que eu sou mais corajosa do que imagino e isso valeu a atração toda.

3. Às vezes a gente quer fazer um milhão de coisas no mesmo dia, mas acaba não aproveitando nem 50% de cada. Então, na próxima viagem, vou tentar abdicar de algumas coisas e combinar com o meu boy de parar de querer abraçar o mundo com as pernas. Por exemplo, não acho que dê muito certo essa história de visitar 2 parques no mesmo dia e um outlet no meio. A não ser que você pratique a praticidade e não fique mil horas em uma loja apenas e saiba selecionar os brinquedos que realmente quer ir. Mas vale ver o seu limite, se organizar melhor e pensar nas suas companhias também.

4. Cada viagem tem um propósito. Nenhuma é igual a outra! Tudo vai depender da ou das companhias, da época em que você está viajando e por aí vai. Ano passado, fui com a minha prima e dois amigos dela e foi totalmente diferente dessa vez. Tiveram coisas que não consegui repetir, outras que finalmente risquei da minha listinha e algumas que vão rolar na próxima. Mas foi tão especial quanto, sabem? A propósito: obrigada, namorado!

5. Todo lugar que você conhecer, vai ter um gostinho especial e de quero mais. Aquela sensação de queria ter aproveitado mais, sempre vai existir. Faz parte da depressão pós-viagem hahaha. Mas todos os momentos, até os imprevistos, vão fazer parte de uma caixa de lembranças incrível e que dá saudade.  E é isso que importa. 

***

É isso, gente.  Podem opinar à vontade e me contem: o que vocês aprenderam na última viagem? :)

Beijos, Carol.

Para ler: Favoritos da Disney e Universal

Fan Page ♥ Instagram 


1

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021