09.06.2022

Ei, Gente! :) Uma das metas literárias desse ano era sair um pouco da minha zona de conforto e embarcar em mistérios e afins.

Eis que a Editora Arqueiro (parceira do blog) lança o selo “Mistérios em Série“, que tem por objetivo abordar o gênero, mas sem dar medo. Perfeita para mim, já que sou medrosa e quero arriscar.

Então, o PJ Leu da vez é “A espiã da Realeza“, da Rhys Bowen. Vamos lá? Boa leitura! ♥

Livro: A Espiã da Realeza | Autora: Rhys Bowen | Editora: Arqueiro
Nota: 4 livros
Crédito da imagem: Pequena Jornalista

Sinopse: Lady Victoria Georgiana Charlotte Eugenie de Glen Garry e Rannoch (Georgie para os íntimos) está na 34ª na linha de sucessão ao trono inglês. Porém, ela está totalmente falida. Para conseguir se manter, tem duas opções: se casar com um príncipe com cara de peixe ou se tornar acompanhante de uma tia que está mais para lá do que para cá.

A escolha dela? Recusa essas duas possibilidades e decide ir sozinha para Londres em busca de emprego e liberdade. Mas quando chega à cidade, ela é convocada para um chá com a Rainha, que tem uma missão para ela ser a sua espiã particular.

Enquanto ela tenta pôr em prática seu lado detetive, tenta também se sustentar com um emprego remunerado… Quem dera que fosse apenas esses dois trabalhos, afinal, a mesma acaba de encontrar um francês arrogante morto na sua banheira. A propósito, ele estava reivindicando a posse da propriedade ancestral dos Glen Garry e Rannoch.

Agora só resta saber se a protagonista irá conseguir provar a inocência de sua família. Mas com a ajuda de seu avô plebeu, uma amiga antiga da escola e de um irlandês bonitão, tudo será possível. Será? ;-)

Opinião da Pequena: Em primeiro lugar, eu queria dizer que a Arqueiro prometeu tudo e cumpriu tudo mesmo. É um mistério, mas que realmente dá zero medo. Li mega de boa e me sinto pronta para embarcar nos próximos desse selo.

Confesso que o título é uma pegadinha e ele me fez criar várias teorias enquanto eu lia. Porém, no final, descobri que não era nada daquilo que eu estava imaginando. No comecinho, eu me peguei viciada na leitura. Mas depois eu dei uma desanimada, já que a premissa, de fato, não acontecia. Só que quando acontece: a gente não consegue largar mais!!!

Adorei a Georgie (sim, eu sou íntima da personagem hahaha) e adorei a evolução dela no decorrer dos capítulos. O seu jeito inocente e “vou com medo mesmo” mostra que até alguém da realeza pode colocar a mão na massa, quando está aberto a um novo mundo.

Seu irmão me irritou um pouco (mas a cunhada dela foi além hahaha, porém adorei o desfecho) e a Belinda é aquela amiga doidinha que todo mundo deveria ter. Mesmo com algumas ressalvas. Falando nisso, alguns personagens enganam e outros rolam dúvidas, que a gente só mata a charada no final mesmo!

Crédito da imagem: Pequena Jornalista

Eu super queria um filme desse livro. Porque apesar de ser um gênero que não costumo assistir, queria ver quem daria vida ao Irlandês perfeito, a Rainha, a protagonista e afins. Aliás, destaque também para o seu avô plebeu e sua mãe (ela com algumas ressalvas).

No mais, a escrita é leve e divertida em muitas partes, mesmo com uma premissa que envolve assassinato. Os capítulos são curtinhos e tudo é fechadinho. Porém, acredito que a continuação dessa série irá trazer atualizações para a gente!

O que eu mais amei? Que tem realeza no meio e algumas lições: dinheiro é importante (mas não a ponto de cometer coisas terríveis), tudo tem limite (até ser estabanada) e duvide de muitas coincidências. E que amigos e família sempre estão lá, até quando você não acredita totalmente.

Enfim, adorei conhecer Londres e esse mundinho da Família Real através dos olhos (e da imaginação) da autora. Recomendo!

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! E se quiser garantir o seu exemplar através do meu link de associado, vai ajudar muito o blog (e sem pagar nada a mais por isso).

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – A Herdeira
Fan Page ♥ Instagram   

carol

leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

5 Comentários