11.11.2015

Mais um post que rolou lá no blog Sem Clichê. Dessa vez sobre alguns filmes que demonstram o amor na sua forma mais pura.
Quem quiser ler a postagem inteirinha, clique aqui. (lembrando que volta e meia dou dica de filme por lá) 

03-josh-hutcherson-little-manhattan-1024x678

ABC do Amor ♥

Quando eu dei de cara com o primeiro término de namoro, o destino colocou esse filme na minha TV. Aprendi tanto com o Gabe. Ele foi tipo o meu melhor psicólogo nessa época. Uma história fofa e cheia de aprendizados. A primeira decepção amorosa dói tanto, que parece não ter fim, mas aos poucos as ideias vão clareando e a vida volta a ser boa de novo. E aquilo que era o problema foco, antes dele se apaixonar pela Rosemary, deixa de ser uma preocupação e vira uma surpresa boa. Lições que eu aprendi: as mulheres realmente amadurecem mais rápido, mas essa Rosemary é muito adulta para o meu gosto hahaha. E a principal: o amor é um negócio terrível, parte o seu coração e deixar você na pior. O que acontece no final? Nada além de algumas lembranças incríveis e inesquecíveis.

P.S: Gosta da trilogia “Os Jogos Vorazes”? Uma oportunidade de ver o Peeta numa versão criança fofa. 

3tzggztj

Meu primeiro amor ♥

Sabe aquele filme que você pode assistir um milhão de vezes, mas vai chorar na mesma intensidade sempre? Dessa história saiu as melhores lembranças com o meu pai e da minha infância. Conheci a música que o meu futuro marido irá cantar para mim no altar hahaha (My Girl). Também ganhei algumas decepções de leve: tentativas frustradas de imitar o salto no lago (no meu caso, era piscina hahaha) e procurar por um boy igual ao Thomaz para repetir o beijo mais fofo das telinhas.

Eu sei que o final é triste e deixa a gente arrasada. Odeio abelhas desde aquele dia! Mas até uma certa parte, o filme é bem divertido e engraçado. A paixão platônica da Vada pelo professor de poesias. O lado drama queen dela com o pai e com o médico da cidade. Os passeios de bicicleta, os conselhos da nova mulher do pai e, claro, os inúmeros momentos fofos com o Thomaz. Salvar um dos bens mais valiosos do seu primeiro (e único amor) foi uma atitude adorável (tirando a parte da tragédia, claro).

Gostaram? Espero que sim! :)
Podem opinar à vontade.
Beijos, Carol. 

carol

leia também

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

4 Comentários