20.11.2020
* Top 5 – Consciência Negra: Histórias que todo mundo deveria ler! ♥

Ei, Gente! :) 2020 tem tido casos de racismo bem tensos. Aliás, não só esse ano, né? Há tanto tempo isso acontece! :( Às vezes, não sei muito bem como agir. Mas uma forma que encontrei para buscar saber mais o que eu não vivo diariamente, é lendo. Através de histórias, vejo onde posso melhorar, repensar atitudes e tal. Então, no Dia da Consciência Negra, selecionei cinco livros com essa temática, que todo mundo deveria ler! ♥

Crédito das Imagens e Montagem: Pequena Jornalista

1. O ódio que você semeia (Angie Thomas – Galera Record)
Resuminho:
Starr vive entre dois mundos: o bairro pobre onde mora e o colégio particular em que estuda. Até que esse equilíbrio é quebrado: Starr presencia a morte de seu melhor amigo de infância, Khalil, por um policial. Khalil estava desarmado. Starr é a única testemunha. Dizem que a justiça é cega, e é isso que Starr está prestes a descobrir!
Observação da Pequena: É uma história que me fez enxergar o outro lado, que eu tinha uma ideia bem vaga. Vi que temos de parar com achismos e que a gente não sabe nem a metade do que não é a nossa realidade. E apesar do tema ser bem triste, a autora conseguiu contar através de uma escrita leve e fluida. Tem resenha aqui.

2. Na hora da virada (Angie Thomas – Galera Record)
Resuminho:
Bri tem 16 anos e quer se tornar a maior rapper de todos os tempos. Filha de uma lenda do hip-hop que morreu assim que estourou nas paradas de sucesso, ela tem grandes expectativas para superar. Em sua primeira música, Bri joga toda a sua raiva e frustração. A canção viraliza, mas pelos motivos errados. Taxada de ameaça social, ela precisará usar todo o seu talento para virar o jogo.
Observação da Pequena: É também da autora do primeiro livro dessa lista. Esse tem um toque de esperança a mais e mostra que nem tudo está sob o nosso controle. Mas fazer a nossa parte é essencial. E mostra como a base familiar faz a diferença! Tem resenha aqui.

3. Vozes negras (Pétala Souza, Isa Souza, Flor Priscila, Maria Ferreira e Amanda Condasi – Se liga editorial)
Resuminho:
Quatro contos de mulheres duplamente silenciadas, tanto pelo gênero quanto pela cor. Histórias que reivindicam o protagonismo e autoras que narram a trajetórias de personagens que estão em busca de seus ideais e, claro, da representatividade.
Observação da Pequena: É um dos meus livros de contos nacionais favoritos desse ano. Traz representatividade com leveza e seriedade, na medida certa. Mostra o racismo nos mínimos detalhes! Vale cada conto. Tem resenha aqui.

Crédito da Imagem: Ilustra Loh

4. Minha história (Michelle Obama – Objetiva)
Resuminho:
Michelle Obama nos convida para conhecer a sua vida antes e depois de ser a primeira-dama dos EUA. De forma envolvente, o leitor embarca na sua infância em Chicago, invade o jantar romântico entre ela e o Barack e sabe detalhes do endereço mais famoso do mundo: a casa branca.
Observação da Pequena: É representatividade pura esse livro! Entendi a real importância de ter uma família afro-americana na presidência dos EUA. A gente conhece não só os bastidores, mas a força de uma mulher que é bem girl power, com erros e acertos! Tem resenha aqui.

5. Na corda bamba (Kiley Reid – Arqueiro)
Resuminho:
Emira Tucker, um jovem negra que trabalha como babá, está em um supermercado à noite, quando é abordada por um segurança. Ele a acusa de ter sequestrado Briar, a garotinha que ela cuida. No meio da confusão, alguém grava o vídeo e o pai da menina é chamado. Ela prefere deixar para lá, mas a família de Bri não.
Observação da Pequena: Coincidentemente a história começa em um cenário parecido com o que aconteceu no mercado em Porto Alegre essa semana. :( Não é o meu livro preferido, mas a autora plantou mais sementes sobre algumas atitudes que precisam ser repensadas por todos (e eu me incluo nessa)! Tem resenha aqui. ♥

***

É isso, pessoal. :) Que a gente tenha consciência da importância da igualdade racial todos os dias e não só hoje! Fazer a nossa parte é primordial. Nada muda da noite para o dia, mas nos colocando no lugar dos outros, a mudança pode acontecer sim. ♥

E quem tiver mais indicações de livros que abordam esses temas e que nos ajudam a rever e mudar atitudes, é só acrescentar nos comentários!

Beijos, Carol.

Post Antigo: Para assistir – Mudbound – Lágrimas sobre o Mississippi
Fan Page ♥  Instagram


4
19.11.2020
* Para assistir: Modern Family! ♥

Ei, Gente! :) Eu amo assistir séries, mas não tenho o costume de acompanhar um monte no mesmo ano, sabem? E com o isolamento social, criei mais esse hábito. E a última que conquistou o meu coração: Modern Family!

Sim, eu sei, eu to meio atrasada. Já que ela é de 2009 e esse ano tá rolando a sua temporada final (11ª). Mas graças a um pedido de indicação de seriados lá no Insta, me indicaram essa e sabe quando você até sonha com os personagens? Meu nível de vício tá assim hahaha. ♥

Crédito da Imagem: Canal de Séries

Bom, ainda estou no meio da 4ª temporada, mas apenas para resumir um pouquinho do que se trata para quem não conhece. ;-) Modern Family conta a histórias de três famílias que estão ligadas e convivem quase que diariamente. Jay é casado com Glória e moram com o filho dela do 1º relacionamento, o Manny. Claire e Mitchell são filhos do 1º casamento de Jay. Ela é casada com o Phil e têm três filhos, Haley, Alex e Luke. Ele vive com o Cam e juntos decidem adotar a Lily. ;-)

A princípio, parece meio confuso. E a quantidade de temporadas assusta. Mas são episódios tão leves e rápidos (20 e poucos minutinhos), que quando você percebe já está no episódio 24. São situações cotidianas, bem gente como a gente. Arrancam risadas e, no fim de casa, tem alguma lição fofinha com um toque de humor que faz a diferença.

Algumas piadas, eu fico meio perdida. Mas no geral eu rio de quase todas hahaha. Aliás, os perrengues que eles passam faz a vida aqui fora ficar mais de boa, sabem? Amo o formato de depoimento, que parece documentário. Aliás, esse é um diferencial bem legal. Imagino que eles estão conversando comigo hahaha.

No mais, adoro o Jay e como mesmo tendo seus costumes, está aberto ao novo. Os gritos da Glória são hilários e é uma das minhas personagens favoritas. Manny tem um jeito bem adulto e inocente ao mesmo tempo. Cam é mega divertido e Mitchell um pouco neurótico, mas aos poucos tá me conquistando. Lily é perfeita! Phil não era o meu favorito, mas agora me conquistou. Melhor pai e (quase) nada o abala! Claire é agitada e me identifico em algumas situações. Agora os três filhos deles: meu Deus, são meio do mal hahaha. Mas no sentido bom hahaha! E têm outros personagens aleatórios, que aparecem às vezes, como a 1ª mulher do Jay.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Enfim, ainda tem muita água para rolar, mas já amo essa série e sei que vou ficar com saudade quando chegar ao fim! Acho que até lá, a 11ª temporada já chegou na Netflix. Espero! E já tomei alguns spoilers procurando foto no Google, mas nada que tenha atrapalhado o meu interesse. Enfim, recomendo muito. Para assistir na sua própria companhia, com os amigos, a família ou o namô (no meu caso, eu e ele estamos nos divertindo bastante). ♥

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Minha dica: comece hoje mesmo! Tem na Netflix, no Globo Play e não sei se tem em outra plataforma. Quem souber, me avisa. E a última temporada já tá passando aqui no Brasil, no canal Fox. E, atenção: a musiquinha da abertura fica na cabeça.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Para assistir – This is Us
Fan Page ♥ Instagram  


7
17.11.2020
* Post-ajuda: Planner 2021 para as(os) loucas(os) da papelaria! ♥

Ei, Gente! :) Chegou aquele momento difícil do ano para as loucas da papelarias: qual planner escolher para 2021? Datado ou não? Prático ou cheio de detalhes? Diferentão ou clássico? Para hoje, selecionei 6 para o post-ajuda da vez e com alguns detalhes que podem colaborar nessa grande decisão hahaha. Então, vamos lá?

Há dois anos, uso planner mais personalizadinho e tal. E, juro, foi a coisa mais sensata que já fiz. Me ajudou a organizar a vida, e durante esse ano, tem sido meio que uma terapia no meio de tanta doideira.

E cheguei a algumas conclusões: amo os datados, mas os que não são, me dão a sensação de que posso usar mais a criatividade na hora de decorar. Em contrapartida, gosto daqueles que são mais objetivos, sem muitos detalhes, tipo hábitos e tal. Pode ser que eu mude de ideia ou não, porém, por enquanto, to usando essas informações para escolher. ♥

Crédito das Imagens: Donna Dolce e Planos Pontilhados
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Esse Dolce Planner, da Donna Dolce, é tão lindo. A capa é maravilhosa e por dentro achei bem funcional. O preço é bem ok, tem frete grátis e não tem data! Adorei a visão semanal na vertical e a parte reservada para falar como foi o mês. Quer saber mais? Só correr aqui.

Ainda não comprei nada da Planos Pontilhados, mas quando descobri o Insta deles, fiquei encantada. E como não amar essa opção de poá mega fofa (Minimal Colors)? Tem uma parte de livros, que é a coisa mais linda! O preço tá bem em conta e esse também não é datado. Mais detalhes, veja aqui. ♥

Crédito das Imagens: Meg & Meg e Bee Mine
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

O meu de 2020 é da Meg & Meg. Eu amo demais, mas esse ano queria escolher de outra marca. Até mesmo para conhecer e tal! Porém, confesso que fiquei apaixonada por esse mini planner deles. O preço tá na média, é datado e cabe na bolsa. Pelo que eu vi, esse é um dos poucos que ainda tem no estoque. Então, dá uma olhadinha aqui. Achei ele o mais resumidão!

E enquanto a Bee Mine não tem planner feito pela Jess maravilhosa, a gente encontra por lá de outras marcas incríveis. Esse Califórnia é simples , objetivo e não datado também! E como não amar essa capa colorida? Aliás, como deu para perceber, levo muito em consideração esse detalhe. E o preço tá mara. Para saber mais, vem aqui.

Crédito das Imagens: Aff the hype e Banca do Bem
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Agora eu trouxe mais dois que acho que são perfeitos para quem ama uma coisa diferentona e o outro é para quem deseja ensinar de um jeito fofo a criança ser organizada e tal! O primeiro é da Aff The Hype, que por conta desse ano doido, criou esse do “preparada“, que eles chamam de desagenda hahaha. O segundo é da Banca do Bem (Dias Incríveis), que sempre reverte o valor em prol de alguma ONG e afins. Perfeito, né? Organiza e ajuda quem precisa. Para conferir é só clicar aqui e aqui.

***

É isso, pessoal. Só não coloquei imagens de como são por dentro, porque acho que o post ia ficar giga. Mas em cada site dá para ver direitinho! ;-)

Ah! Tem um post perfeito aqui com algumas dicas da Jess, da Bee Mine, que acho que podem ser úteis para quem deseja saber um pouco mais sobre esse item que deixa a nossa vida fofa e organizadinha.

E caso eu encontre outros planners ainda esse ano, compartilho lá no Insta, ok? Fiquem de olho. Aliás, tem muita opção e para todos os gostos. Seja em loja física ou online. E quando eu decidir qual vou levar, conto aqui para vocês também!

Beijos, Carol. ♥

Post-antigo: Lista Secreta Papelaria
Fan Page ♥ Instagram


12
16.11.2020
* PJ Leu: Na corda bamba! ♥

Ei, Gente! :) E o PJ Leu da vez é Na corda bamba, da autora Kiley Reid. O livro, publicado pela Arqueiro, aborda temas como racismo, desigualdade social, entre outros. Enfim, vamos lá? Boa resenha! ♥

Livro: Na corda bamba | Autora: Kiley Reid | Editora: Arqueiro
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 3,5 livros

Sinopse: Emira Tucker, um jovem negra que trabalha como babá, está em um supermercado à noite, quando é abordada por um segurança. Ele a acusa de ter sequestrado Briar, a garotinha que ela cuida. No meio da confusão, alguém grava o vídeo e o pai da menina é chamado.

Alix, mãe de Briar, fica chocada com o ocorrido e decide que quer justiça pela Emira. Mas por sua vez, ela prefere deixar para lá. Então, quando uma parte do passado de sua “chefe” vem à tona, ambas são confrontadas com verdades que precisam ser encaradas.

Opinião da Pequena: Quando a editora anunciou esse lançamento, logo pedi o e-book para ler. Esse ano, tenho embarcado em mais histórias que falam sobre racismo e tenho aprendido bastante. Mas confesso que me decepcionei um pouco. :( A premissa é muito boa, porém, achei a construção um pouco confusa.

Começou muito bem e, do nada, foi para um outro viés que fiquei perdida. Quanto mais eu lia, mais eu queria saber o que rolaria. E apesar de ter gostado do desfecho, muita coisa, para mim, ficou meio no ar. Sem respostas! Em contrapartida, não é um livro ruim. Pelo contrário!

Mais do que nunca é importante pensarmos nessas questões, como preconceito racial e desigualdade social. E a autora planta uma sementinha na vida dos leitores para nos questionarmos ainda mais. Um atitude que pode ser nada para você, pode ser tudo para o outro.

Aliás, à temática central é tratada de forma sutil, nas pequenas atitudes do dia a dia. Como dar um uniforme de babá ou relacionamentos que seguem um padrão apenas para não serem vistos como racistas, sabem?

Crédito da imagem: Amazon

Quanto aos personagens: Emira está se descobrindo e, aos poucos, foca no que importa e o carinho dela por Briar é incrível. Zara é aquela amiga que eu queria ter na vida real. Não gostei da Alix, nem do Kelley. Acho os dois bem nada a ver. E Bri é uma menina de ouro!

Enfim, deixou um pouco a desejar para mim, mas deixou uma mensagem para eu repensar algumas atitudes, o que é sempre bom! O final é simples e diz tudo! E o que falar da capa? Perfeita, sem defeitos e mostra bem uma cena importante da história, que a propósito, queria que tivesse sido discutida mais.

Mas vale lembrar que o que não funcionou tanto para mim, pode funcionar para você. E, talvez, em outro momento, a história faça mais sentido para mim. Às vezes, tenho a sensação de que não entendi muito bem tudo! Porém, fica a parte do aprendizado. ♥

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica.

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Vozes negras
Fan Page ♥ Instagram 


9
13.11.2020
* Histórias que eu quero embarcar até o fim do ano! ♥

Ei, Gente! :) Tudo bem? O ano está quase terminando e na minha listinha de próximos lidos, quero tentar ler alguns antes de 2021 chegar. Se eu vou conseguir, não sei. Espero que sim hahaha. Confesso que eu tinha outros, mas com alguns lançamentos, ocorreram algumas mudanças. E tá tudo bem, né?

O meu ritmo literário não está o melhor, mas acho que seja por conta das últimas escolhas literárias que não caíram como uma luva. Por isso, escolhi livros mais leves, divertidos e tem até um de autoajuda, que acredito que vá fazer a diferença depois desse ano doido e para a vida mesmo.

Enfim, vamos lá? Bom post. ♥

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

1. A lista que mudou minha vida (Olivia Beirne – Faro Editorial)
Sinopse:
Georgia adora ficar jogada no sofá após o trabalho vendo tv e bebendo vinho. O que ela não gosta: de altura, de olhar sua conta bancária, de ir a encontros ou de qualquer atividade física. E ela nunca (jamais) aceita correr riscos. Bem, isso até sua irmã mais velha e muito mais corajosa descobrir uma doença, que a impossibilitará de completar a lista de tudo o que queria fazer até os trinta anos. Então, Georgia concorda em realizar aquelas aventuras. Com uma série de experiências inusitadas em mãos e um prazo acelerado, já que o aniversário da irmã está chegando, nada poderia ser mais apavorante… E quando ela vive momentos fora da sua zona de conforto um mundo novo surge.
Observação da Pequena: Me lembrou um pouco a história “A lista de Brett” e achei a capa desse livro tão linda. Acho que vai ser a minha próxima leitura. Porque têm duas coisas que eu amo muito: a capa e lembra um livro que eu amei muito. ♥

2. Como falar romance em francês (Aimee Oliveira – Increasy Editora)
Sinopse:
Alberto não tinha tempo para nada. Passou para um programa de estudos na França sem ter a mínima ideia de como falar o idioma. E tinha quatro meses para pelo menos aprender a se virar antes de embarcar para dar o pontapé inicial na sua carreira de astro-físico. Enquanto isso, Sabrina estava vivendo o sonho de aprender francês no curso desejado. Seu plano era perpetuar esse sonho pelo máximo de semestres possível, mantendo-se como a melhor aluna da turma para garantir a bolsa de estudos. Parecia fácil, mas ela não contava com aquele menino confuso que ficava atrapalhando a aula o tempo todo com suas perguntas idiotas.
Observação da Pequena: Olhem essa capa? E tem a Aimee como autora, né? Amo a escrita dela e tenho certeza de que vou rir e querer aprender francês hahaha e matar a saudade de Emily em Paris hahaha.

3. A livraria dos Achados e Perdidos (Susan Wiggs – Harlequin Books)
Sinopse:
Após uma tragédia, Natalie Harper herda a charmosa, mas praticamente falida, livraria de sua mãe, localizada num prédio histórico no centro de São Francisco, na Califórnia, e a responsabilidade de cuidar do seu avô Andrew, cada vez mais debilitado. Com a recusa de Andrew em vender a loja, Natalie deixa sua antiga vida para trás e volta para São Francisco determinada a recuperar a livraria que um dia foi seu lugar favorito no mundo. Porém, sua vida se parece mais com um livro de horror do que com um conto de fadas. Então, Peach Gallagher aparece e ela se vê envolvida numa jornada de novas conexões, descobertas e revelações, de artefatos antigos escondidos nas paredes da livraria até verdades inexploradas sobre sua família, seu futuro e seu coração.
Observação da Pequena: Eu tenho a sensação de que já li uma história parecida, mas acho que essa vai me prender mais. Espero! E achei a capa linda e adorei o título!!

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

4. Pra sempre Natal (Gleice Couto – Independente)
Sinopse:
Carolina não gostava de Natal. Muitas coisas ligadas à data não faziam sentido. Quando criança, por exemplo, não entendia como Papai Noel vestia roupas tão quentes no calor insuportável do Rio de Janeiro. Também não entendia como o bom velhinho deixava presentes tão grandes em meias tamanho 30, nem como entrava na sua casa descendo uma chaminé que não tinha. Carol cresceu, descobriu que Papai Noel realmente não existia, mas ainda buscava explicar o mundo ao seu redor. Por que seus pais brigavam? Por que suas primas a odiavam? Por que namorou um idiota? Por que se apaixonou por Anael? Com o passar dos anos (e dos Natais), Carolina perceberia que nem toda pergunta tem uma resposta certa. O Natal guardava muito mais segredos e milagres do que imaginava, e que, talvez, não seria de todo ruim se fosse Pra Sempre Natal.
Observação da Pequena: Esse ano uma das escritoras nacionais que eu conheci foi a Gleice e eu adorei a escrita dela. Essa história estava na minha listinha desde o ano passado. Então, para entrar no clima natalino, quero ler esse.

5. A vida perfeita não existe (Daiana Garbin – Sextante)
Sinopse:
Nesse livro, a autora divide com os leitores sua jornada à procura de respostas. Com base em estudos, pesquisas, entrevistas com especialistas e depoimentos de leitores, ela traça um panorama da frustração que sentimos ao perseguir um tipo de felicidade irreal e mostra como encontrar coragem para adotar uma nova atitude em relação à vida.
Observação da Pequena: Se eu amei o primeiro livro dela, acho que vou amar ainda mais esse. Gosto dessas leituras que nos puxam para a realidade, mas de uma forma fofa e que faz todo sentido aplicar no dia a dia! ♥

***

É isso, pessoal. :) Espero conseguir seguir essa listinha, mas qualquer alteração, aviso. E o importante é ler o que sente vontade na hora.

Agora me contem: já leram algum da listinha? E qual livro acrescentariam nesse post? No mais, podem opinar à vontade. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: Top 5 – Leituras Natalinas
Fan Page ♥ Instagram  


10

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021