13.04.2014
* Para pensar: Liquidificador de Palavras! ♥
Liquidificador de Palavras
“O mundo passa lá fora. Aqui dentro, meus pensamentos fazem mais barulho 
do que as buzinas no horário de pico da Avenida Paulista. 
Palavras se misturam. Letras se misturam. Penso de tudo um pouco. 
Um liquidificador de emoções, saudades e desejos.”
(Carol Daixum – Pequena Jornalista)
Quando a gente foi corrigir esse texto lá na Oficina de Escrita (depois vou falar dela aqui), achei que o que eu escrevi não ficou tão bacana. Mas depois eu reli e amei. Consegui expressar como são os meus pensamentos. Aliás, a cabeça de vocês também é barulhenta assim? ;-)
*Agradecimentos: Mamys, que me deu uma ajudinha extra para escrever esse mini texto.
Beijos e bom domingo, 
C.
P.S: a imagem de fundo eu peguei no site We ♥ It. Mas as palavras eu que acrescentei! 

1
09.04.2014
* Inspiração do Dia: Mais uma de jardineira! ♥

Olá, Gente, tudo bem?

E a inspiração do dia é um look fofo com uma jardineira mais fofa ainda!
Na minha opinião,  a peça é o “pretinho básico” da estação!
Ah! O look é da Betty, do blog Le Blog de Betty! ♥

Crédito da foto:
Le Blog de Betty
Como não amar, né? :)
E vocês? Gostam de jardineira? Podem opinar à vontade! 
Ah! Gente, vou viajar daqui a pouquinho e não sei se vou conseguir postar de lá! 
Mas domingo a programação do blog volta ao normal, ok? 
Beijos,
C.

3
03.04.2014
* Radar SPFW: Gisele Bündchen (e Tom Brady)! ♥

Olá, Gente, tudo bem?

Todo mundo de olho no São Paulo Fashion Week? ;-)
Ainda temos dois dias pela frente, mas já podemos afirmar que um dos melhores momentos foi a presença da top Gisele Bündchen e do seu (suspiros!!) marido Tom Brady. Eu amei e vocês?

Crédito da foto:
Site FFW 

Adorei o look off white que a top fechou o desfile da Colcci. Acho que super pega no próximo verão!
E vocês? :)

Agora a parte mais fofa, o marido aplaudindo, torcendo e vibrando de verdade (com direito a “uhul”) por ela. Ah! Casal mais fofo, né gente? ♥

Crédito da foto:
Instagram do blog Oficina Chic 

Podem opinar à vontade! ;-)

Um beijo, C.


7
01.04.2014
* PJ Entrevista: Autora Teca Machado! ♥

Oi, Gente, tudo bem?

O PJ entrevistou a autora mega fofa Teca Machado, que escreveu recentemente seu primeiro livro: I Love New York, publicada pela editora Novo Século. Mega ansiosa para embarcar junto com a Alice (protagonista da literatura chic) para a Big Apple. Em breve, vou publicar a resenha aqui no blog, ok? Enquanto isso, confiram a entrevista sobre a vida dela como autora, dicas para quem quer escrever um bestseller (para chamar de seu! uhul), inspiraçōes, livros e, claro: I Love New York! Conta aí, Teca! ;-)

Entrevista Autora Teca Machado
1. Qual foi a sua maior inspiração para escrever o livro? Tem um pouco da sua vida? 
R: O primeiro capítulo é altamente autobiográfico. Meu pai realmente foi operado às pressas em 
NY no hospital que a mãe da Blair teve bebê nos livros da série Gossip Girl. Além disso, a Alice, protagonista, tem a minha personalidade. Apesar de não ser propriamente eu, ela pensa como eu, fala como eu e tem os mesmos “pitis” e reações às situações que eu. Sobre a inspiração, eu sempre quis escrever um livro, mas nunca tinha a ideia para um enredo. Até que em julho de 2012, numa tarde tediosa de férias, vi um programa sobre Nova York na televisão e o início do livro surgiu inteiro na minha cabeça, até com o nome dos personagens. Na mesma hora peguei o meu notebook cor-de-rosa, sentei no sofá e comecei a escrever. Nesse dia, depois de algumas horas, já tinha umas 30 páginas. Eu acredito que só tenha realmente começado a escrever por causa do meu blog, o Casos Acasos e Livros. Ele surgiu como uma válvula de escape para a criatividade, que na época estava sendo sufocada no meu antigo emprego. Comecei a página achando que ninguém ia ler, só eu mesma. Mas a quantidade de acessos foi impressionante logo no primeiro dia e vi que tinha gente interessada no que eu tinha para dizer. Então fiquei empolgada.
2. Uma curiosidade do livro que nunca contou para ninguém? Pode contar? :)
R: Que eu não contei para ninguém é difícil, mas confesso que mais para o final do livro, no clímax quando começa a tudo desandar na vida da personagem, eu chorava como se tudo estivesse acontecendo comigo. A Alice era eu e eu era a Alice. Foi um trabalho muito intenso no sentido de que eu sentia tudo junto com ela.
3. Qual é a tarefa mais difícil da vida de uma escritora? E a mais emocionante?
R: Para mim o mais difícil foi finalizar a obra. Não que eu não tivesse ideia do desfecho, mas porque eu ia deixar de “ver” meus personagens todos os dias. Eles faziam parte do meu cotidiano e eu queria continuar me relacionando com eles. Mas então pensei que, na verdade, eu ia ver eles mais ainda, porque agora outras pessoas conheceriam a Alice, o Mateus, o Juan e as gêmeas. Eles se tornaram mais reais para mim depois que foram para a imaginação de mais gente. A mais emocionante, sem dúvida, é pegar o seu “bebê” em papel pela primeira vez. Ver ele impresso. E, é claro, encontrar ele na livraria na pilha de livros mais vendidos e ver resenhas positivas pela internet.
4. Para quem deseja ser uma escritora? O que não pode faltar? E como funciona todo o processo? 
R: Não pode faltar paixão. Mais do que criatividade para escrever uma história com reviravoltas mirabolantes, se você não escreve porque gosta disso, a obra fica vazia. É melhor um livro com um romance clichê, mas sensível e com sentimento, do que um enredo interessante sem alma. O processo é longo e torturante para o autor. Sinceramente, escrever é a parte mais fácil. O difícil é esperar resposta da editora, depois esperar a revisão, a edição, a capa e a impressão. Quando terminei de escrever, passei a pesquisar editoras que publicavam o meu gênero, o romance chick lit (leitura para garotas), e descobrir como e quando elas recebiam manuscritos. Às vezes pelo correio e impressos, em outros casos por e-mail. Cada editora tem o seu modo de trabalhar. Por sorte, a primeira que eu enviei me aceitou e em questão de menos de um mês assinei o contrato. A editora Novo Século tem um selo chamado Talentos da Literatura Brasileira na qual aceita autores nacionais e estreantes, meu caso. Eles fizeram revisão ortográfica e a edição de conteúdo (Por sorte não mexeram em nada da minha história. Não tive que mudar nem um parágrafo). Depois veio o processo de criação de capa, na qual eles enviam para o autor aprovar. Então veio a fase de impressão e pronto, o livro chegou nas minhas mãos! (Mas demora meses. Eu esperei seis meses para ver pela primeira vez I Love New York impresso). 
5. Você sempre quis ser escritora? O que te motivou (e motiva) a escrever?
R: Sempre. Desde que eu me lembre por gente, gosto de histórias, gosto de fantasia, gosto de imaginação. Meus pais liam livros e me contavam histórias desde que eu nasci, isso está grudado em mim. Como não dá de fazer faculdade de escritora, fiz o mais próximo às palavras que eu podia encontrar: Jornalismo. O que me motivou foi que eu leio muito (Sou uma leitora quase serial) e as obras, principalmente de romance e chick lit, sempre me deram uma sensação muito boa ao serem finalizadas. Então eu pensei que eu queria proporcionar isso para as pessoas. Queria que amassem meus personagens, assim como eu amei Harry Potter, a Katniss e muitos outros.
6. Se tivesse que salvar três livros? Quais seriam os escolhidos? 
R: Essa é a pergunta mais difícil que você poderia me fazer. É como pedir para uma mãe escolher qual filho ela ama mais. Podem ser três dúzias? Hahaha. Então, acredito que eu salvaria A Culpa é das Estrelas, do John Green, a trilogia Jogos Vorazes (Conta como um só, né? Hahaha) e a edição única com todas As Crônicas de Nárnia (Ok, eu trapaceei de novo. São oito livros em um só. Me perdoe! :P). 
7. Pensa em escrever mais livros? Conta um pouco!
R: Sim, é claro. Não só penso como já comecei outros dois. Um é baseado na história absurda de um relacionamento que uma amiga teve e o outro é um enredo que o meu pai sonhou há alguns meses e me contou. Achei tudo tão legal que resolvi transformar em livro. E ainda há o projeto de um terceiro, sendo ele um spin off de I Love New York com o Juna, um dos personagens. Várias amigas me pediram para escrever mais sobre o misterioso, pegador e galanteador espanhol que é pivô de quase toda a confusão.Tenho planos de que em no máximo cinco anos eu possa estar vivendo exclusivamente de escrever livros, que isso seja um emprego em tempo integral, não hobby. Então, por enquanto o projeto é com esses três, mas quero muito mais.
***
Muito bacana, né? :)
Amei, Teca! Superobrigada pela atenção! E também quero agradecer a minha amiga Camila Almeida, que apresentou uma das autoras (que já virou amiga!) mais fofas que eu já conheci. Já virei fã!! 
Ah! Quem quiser mais informaçōes sobre o livro é só clicar aqui. E também tem o blog dela, que é muito fofo e cheio de informaçōes para quem ama livros, filmes, músicas e tal: Casos Acasos e Livros. ;-)
E o que acharam, meninas? Podem opinar à vontade! 
Beijo, C.

8
30.03.2014
* Para pensar: O poder de um abraço! ♥
“Não quero que você saiba a palavra certa. 
Apenas me abrace e entenda o 
que não sei dizer.” 
(Clarissa Corrêa)
“E então? Somando os prós e os contras, as boas 
e más opçōes, onde, afinal, é o 
melhor lugar do mundo? Meu palpite: 
dentro de um abraço.”
(Martha Medeiros)
Um abraço vale mais do que mil palavras. Vai por mim! ;-)
Boa semana! 
Um beijo, C. 
P.S: crédito da foto: Facebook Revista Sorria. 

7

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020