28.07.2015
* PJ Leu: Mikaela – O desencontro! ♥
Minha lista de livros (que eu li) desse ano está cheia de histórias leves, divertidas e que me ensinaram muito. Um dos últimos que li, foi Mikaela – O Desencontro, da autora Marcella Brafman, dona do blog Sem Clichê (lembrando que toda semana, eu colaboro com posts de dicas de filmes ^^). A blogueira lançou recentemente esse livro lindo. E, desde já, aviso: ela começou com o pé direito no mundinho literário. Vamos aos detalhes? ♥
Sinopse: Mikaela é jornalista e uma jovem cheia de sonhos. Mora em BH, mas uma entrevista de emprego faz com que ela vá para São Paulo. Nos primeiros dias, fica hospedada na casa de uma pessoa que tem um lugar especial na sua vidinha: Felipe, um amor antigo e com quem coleciona uma história cheia de encontros e desencontros. Com a mudança, a protagonista encara os mais variados sentimentos. Vive experiências inesquecíveis, aprende lições valiosas, agarra oportunidades de ouro. Tudo isso ao lado de personagens que dão um toque a mais no livro. E, claro: novos capítulos surgem na vida desse casal Mikaela e Felipe (com algumas participações especiais). 
Livro: Mikaela – O Desencontro
Autora: Marcela Brafman
Editora: Da boa prosa (selo da Livros de Safra)
Minha opinião: A Mikaela é gente como a gente. O Felipe? Achei muito parecido com esses caras que encontramos ao longo da nossa vidinha amorosa. Ou seja, é uma história fictícia, mas que, sem dúvida, acontece muito na vida real (eu sempre acho que esses livros são inspirados pelo menos um pouquinho na vida da autora. vocês também tem essa sensação?). Tirando o gosto musical, me identifiquei muito com a Mika. Tanto no quesito pessoal quanto no profissional (adoraria trabalhar numa revista ♥). Algumas horas cai de amores pelo Lipe, outras não queria vê-lo nem pintado de ouro. Comprovei que algumas viagens surgem na hora certa e que algumas pessoas podem participar apenas de um capítulo da nossa história, mas serão páginas inesquecíveis e cheias de ótimas lembranças. Amei o Rick e a Bela. Amigos realmente são tudo na vida. Tanto os antigos, quanto os novos. E a gente pode até tentar, mas a nossa família sempre sabe quando algo tá acontecendo. Principalmente, as mães. 
É um livro que você devora rapidinho. Uma leitura leve, divertida, intensa e que faz a gente refletir muito. Preparem um caderninho para anotar trechos essenciais para uma vida mais feliz. ;-) Prende a atenção e o final deixa gostinho de quero mais e quero agora. Aí dá um pouquinho de raiva, porque a gente sabe que a continuação demora e a nossa curiosidade aumenta cada vez que olhamos o livro na estante. Ainda bem que o tempo voa, né? hahaha Ah! Cada capítulo, tem o nome de uma música. Mas confesso que não conhecia a maioria. A princípio, esperava uma capa diferente, mas hoje em dia não imagino outra. Enfim, mega recomendo e estou ansiosa pelo segundo da série. ♥
Já leu? Conta o que achou. 
Ainda não? Vale muito a pena! ;)
Beijos, 
Carol.

6
27.07.2015
* Dicas da Juju: para organizar a sua vida financeira! ♥
Hoje tem uma participação mega especial aqui no blog. o/ Convidei a Juju, do blog As Besteiras Que Me Contam, para dar dicas de como ter uma vida financeira saudável. Até ando mais controlada, menos Becky Bloom hahaha. Porééém, ainda preciso de muita ajuda, principalmente, no quesito “organização”. Ai conversando com a Juju, descobri que ela é mega expert nesse assunto. Então, pedi um help extra e ela topou revelar três segredinhos aqui no blog. Então, conta aí, friend! ;-) 
Vida financeira saudável. 
(Por Juju)
Vou começar anunciando que sou descendente de Árabes/Libaneses/Sírios/Turcos, que têm uma fama não muito boa sobre serem mãos de vaca, unhas de fome, avarentos e todas essas coisas ruins sobre não gastar dinheiro. Ainda bem que muitas misturas aconteceram até que eu nascesse então sou equilibrada, mas ainda assim conservadora quando o assunto é dinheiro.
A Carol me convidou e eu fiquei super animada para escrever 3 dicas sobre como manter uma vida financeira saudável, que funcionam muito bem comigo. Anotem aí! ;)
Três dicas que vão ajudar muito! ;-) 
1ª dica: é a mais básica na vida econômica de uma pessoa e é também a mais difícil de seguir. Não gaste mais do que o que você recebe. Não importa de onde vem o dinheiro, se é um salário, mesada ou se você vende coisas na internet, nunca gaste mais do que você recebe. Fácil de falar difícil de fazer, mas essa é a principal dica para quem quiser ter uma vida financeira saudável. Se possível, guarde uma parte deste dinheiro, faça uma “reserva”, ela poderá servir para alguma necessidade, imprevisto ou até mesmo para comprar algo mais caro que você esteja querendo e não tem o dinheiro ainda.
2ª dica: tenha um controle sobre seus gastos. Em uma planilha ou até mesmo em um caderno tente anotar tudo o que você gasta, desde compras bobas até pagamentos. Você irá se surpreender com o dinheiro que vai embora com besteiras, quando fiz isso a primeira vez, me revoltei com o valor mensal do meu gasto com chocolate, isso acabou me ajudando a diminuir a quantidade que eu comia porcariadas rsrs.
3ª dica: a última parece um pouco exagerada, mas me ajuda não sair por aí comprando tranqueiras que eu não preciso. Andar com notas de valor baixo. Como assim? Quando você for sair por exemplo, tente levar o dinheiro já trocado, em notas de 5, 10 e 20 por exemplo. Toda vez que levo uma nota de 50, compro alguma coisa que tenha troco, ele sempre vem picado, isso faz com que você não perceba o valor que tem ali e gaste mais do que deve. Quando isso acontece comigo o dinheiro simplesmente voa sem eu nem saber para onde! Então a ideia é ter dinheiro pouco trocado em vez de ir com uma nota de valor alto e trocá-la na hora.
Anotaram? ;) 
Esses são os passos que eu sigo para tentar manter minhas finanças em ordem. Espero que ajude!
Juju. 
*** 
Juju, ajudou muito. Muito obrigada, viu? Dicas sobre esse assunto sempre são bem-vindas. A partir de agora, vou tentar seguir essas três regrinhas direitinho e conto para vocês. Ah! Se alguém quiser compartilhar mais algum conselho de ouro, é só acrescentar aqui na caixa de comentários. ♥
Beijocas, 
Carol. 
P.S: créditos das imagens – Pinterest. / Imagem 1 – do Pinterest, mas a montagem eu que fiz. ;-)

4
26.07.2015
* Para pensar: eterno! ♥
Crédito da Imagem: Instagram @biapof ♥
Sábio esse coelho, né? ;-) Dica do dia: aproveitar cada momento, mesmo que só “dure” um segundinho. São esses segundos que vão construir lembranças eternas. Um “novo” modo de interpretar a palavra “eternidade”.  Difícil na prática, eu sei (e como!), mas vale a pena pensar e tentar agir desse jeito. ♥
Ah! Podem opinar à vontade. Bom domingo!! 
Beijos, 
Carol

3
25.07.2015
* Um caso de amor: A gravidade e eu – Projeto Drama Queen #40 (Por Teca Machado)! ♥
Vivo um drama amoroso eterno: Tenho um caso de amor muito forte desde que nasci. Eu e a lei da gravidade somos inseparáveis. Eu sei, todos nós somos inseparáveis dela, só que ela me ama mais do que eu a amo, por isso ela força a barra e sempre usa os seus poderes (do mal) contra mim. Ela faz com que eu beije o chão ou que objetos (bolas, livros, mangas…) caiam em cima de mim, só para mostrar quem manda. 
Por Teca Machado

Quem me conhece ao vivo provavelmente já me viu cair uma, duas, cinco, quinze vezes. É normal ou estar de boca ou bumbum no chão. Roxos? São recorrentes. Cicatrizes? Tenho várias (Algumas incomuns, feitas por massinha de modelar queimada. Falei sobre essa bizarrice aqui). A minha sorte é que eu não fico marcada por muito tempo, senão seria um retalho ambulante, não apenas um desastre ambulante.
Tenho tantas histórias sobre isso que eu nem sei por qual começar… 
Há exatamente um ano me estribuchei de quatro no asfalto pelando de meio-dia. Nunca me esfolei tanto de uma vez só. Meus dois joelhos ficaram arrasados, parecia que eu tinha passado um ralador de queijo nos pobres coitados. Ainda estou com as marcas para mostrar para vocês (Comentei mais sobre esse desastre aqui).
Há também o problema de que eu moro numa casa com escadas há 23 anos e despenco pelos seus degraus pelo menos uma vez por semana, só para não perder o costume. A minha mãe nem se preocupa mais. Se eu estou viva e não quebrei nada, para ela está tudo bem.
Quando tinha 10 anos, estava num aniversário brincando numa escadaria (É claro que isso não ia dar certo). Rolei 36465382 degraus, machuquei e destronquei o braço, mas a única coisa que eu consegui falar para a minha irmã quando ela me acudiu foi: 
– Nana, a minha calcinha apareceu?
– Sim…
– BUÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁÁ (Durante três horas, mais ou menos).
Uma vez eu estava na frente do computador gravando um arquivo de som com uma piada. Como sempre, estava me equilibrando apenas nas duas pernas traseiras da cadeira. No meio da fala, despenquei com tudo para trás, me estabaquei no chão e a piada ficou sem fim. Num segundo estou lá, toda empolgada me achando a engraçada, e, de repente você escuta “AAAAAh! POF…” e um silêncio mortal. Depois de uns 20 segundos um “Ai” choroso e o arquivo para (Algum dos meus amigos ainda tem isso no computador para me mandar?).
E, como eu nunca aprendo a lição, há um tempo estava no trabalho fazendo isso com a minha cadeira e o mesmo aconteceu, fui com tudo para trás. Puxei a gavetinha do teclado, que voou e espalhou letrinhas por toda sala. O copo de água que estava na mesa caiu na minha cara. O meu sapato, que estava desencaixado do pé, foi parar perto da porta. Foi aquele silêncio geral de “Morreu?” até que eu comecei a rir igual uma louca, tanto que nem conseguia levantar.
Tenho tombos históricos! E o pior é que na maioria das vezes que isso acontece estou de vestido. Já cai de boca na escada da igreja, com um monte de gente descendo atrás de mim e todo mundo viu a minha calcinha. Também tropecei na escada principal do shopping e saí rolando até ela acabar. Numa viagem com um grupo de amigos para um congresso, eu e uma amiga saímos correndo para pegar o ônibus da excursão e derrapamos juntas no chão de poeira vermelha.
Se fosse contar todas as minhas tragédias e casos de amor com o chão, ia escrever umas dez páginas. Outro dia eu conto das vezes que meti a cara em placas e estátuas e de objetos que vêm em alta velocidade na minha direção (Principalmente na cabeça).
E sabe o que é o mais engraçado de tudo? Apesar de viver caindo, eu NUNCA quebrei nenhum osso. Sou o Wolverine! Haha.
***
Gostou do post? Tem vários outros no tema do Projeto Drama Queen. É só procurar na caixa de busca aqui do lado. Esses textos dramáticos fazem parte de uma parceria entre Casos, Acasos e Livros e Pequena Jornalista. Toda quinta-feira tem um relato novo. Quer participar? Mande uma contribuição para projetodramaqueen@gmail.com.
Teca “Desastre” Machado. 

4
21.07.2015
* Frases dramáticas – Parte 2 – Projeto Drama Queen #39! ♥
Semana retrasada a Teca listou aqui cinco frases que toda Drama Queen fala ou falou, pelo menos, uma vez na vida! E como a gente tem milhões de bordões exclusivos, claro que tinha de ter mais um post sobre o assunto, né? Então, vamos lá! Que taque a primeira coroa quem nunca “recitou” essas palavrinhas! ;-)
Por Carol Daixum

1. Ninguém me entende!
Não tem jeito. Na hora do drama, por mais que no fundinho a gente saiba que a pessoa está realmente exercitando a paciência dela na hora do nosso show extra, a sensação é sempre a mesma: ninguém entende o que a gente está sentindo. Ninguém! É muita “sofrência” para um coração só.
2. Nada dá certo na minha vida!
Época de TPM então… Tudo dá errado! Tudo, tudinho! Você acorda atrasada, no lugar do seu cabelo tem uma juba, nenhuma roupa fica legal, ninguém te responde na hora que você quer, o seu sorvete preferido está em falta e o chocolate também. O seu celular pifa, o computador dá pane e o seu chefe resolve implicar com você! Ai na hora que você ia deitar para relaxar e esquecer o dia “péssimo” e está louca para ler um livro… A lâmpada do seu quarto queima!
3. Nunca mais falo com ele!
Isso aí! Nunca mais e nem adianta implorar, queridinho! Perdeu, playboy. PERDEU!!! Uma hora depois: cadê esse desgraçado que não fala comigo? Ai, vou mandar um oi, vai que a mensagem dele não chegou pra mim? Minha operadora é péssima!
4. Não sei decidir!
Muitos dramas não existiriam se a gente soubesse decidir. Entre uma cor de esmalte ou outra, um vestido ou uma saia, um livro de romance ou de suspense, festa ou viagem! Quem inventou isso de que toda escolha tem que ter uma renúncia: na boa, vai catar coquinho na ladeira. A vida é muito curta para ficar entre um ou outro. Deixa a gente ficar com as duas opções e pronto. Os dramas diminuiriam uns 30%! :-)
5. EU NÃO ESTOU FAZENDO DRAMA!
Tudo que a gente fala parece que é drama. Um espirro e pronto: “ai, para de draminha”. Olho o celular: “calma, ele vai ligar”. Gente, só estou olhando a hora! Não posso nem deixar uma lágrima cair em paz, que pronto! Às vezes eu faço drama, eu sei. Mas às vezes é só a minha sensibilidade.  E as duas coisas são completamente diferentes. Não sou dramática 24h por dia! Que saco!
***
Se identificou com alguma? Vem cá, dá um abraço! Tem alguma frase que você fala muito no seu dia a dia? Conta pra gente, que com certeza compartilhamos das mesmas palavras hahaha! Desabafa ai, gente! ;-)
Lembrando que o Projeto Drama Queen é uma parceria entre os blogs Pequena Jornalista e Casos, Acasos e Livros. Quer dividir com a gente um draminha? Manda um e-mail com um relato, que vamos adorar: projetodramaqueen@gmail.com ;-)! Ah! Não esqueçam de curtir a Fan Page mais dramática do mundo.
Ah! Geralmente essa coluna entra nas quintas, mas eu viajei (casamento da Teca uhuulll o/) e não consegui publicar antes. To perdoada? ;))
Beijos,
Carol. 

6

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2018