08.04.2016
* PJ Leu: Becky Bloom em Hollywood! ♥

E a dica literária da semana é mais uma aventura da Becky Bloom. Dessa vez, a consumista número 1 do mundo literário apronta todas em Hollywood. Já dá para imaginar, né? Ah! Para quem não sabe, esse livro “Becky Bloom em Hollywood” é o 7º livro da série e é da autora Sophie Kinsella. Bom post! 

bee22a47-9e83-446e-8114-26842b723db4Livro: Becky Bloom em Hollywood
Editora: Record 

Sinopse: A consumista mais querida do mundo literário está de malas prontas (junto com a filha Minnie) para acompanhar Luke, seu marido, no novo trabalho dele em Los Angeles (que a propósito é trabalhar como relações públicas da atriz Sage Seymour). Becky mal consegue acreditar que vai morar na capital do cinema, esbarrar em milhares de famosos andando “por aí” e, claro, realizar o seu sonho de ser produtora de moda da Sage. Porém, não demora muito para a nossa protagonista se meter em confusões. Por exemplo, trabalhar como produtora de moda de uma das maiores inimigas de Sage. O que pode render conflitos com Luke. Problemas na família também surgem: seu pai vai para LA para resolver um mistério que ninguém imagina o que seja. Ah! Sua melhor amiga, a Suze, está com problemas com o marido e, de quebra, fica amiga da arqui-inimiga da Becky, a Alicia, uma antiga rival que está morando na mesma cidade que ela. Ah! Nossa protagonista também inventa de convidar a sogra para conversar com o filho, sem ele saber, óbvio. Enfim, muitas confusões e atrapalhadas bem do jeitinho “Becky Bloom” de ser! ;-)

Minha opinião: A Becky continua hilária e armando as maiores confusões, que rende dor de cabeça para ela e ótimas risadas para a gente hahaha. Às vezes, dá uma vontade de sacudi-la. Acho que depois de tantas histórias, ela tinha que ter amadurecido mais, porém a gente sabe que talvez se isso acontecesse já era a graça da história. Mas sabem uma coisa que eu gosto? Ela é uma eterna sonhadora e não tem limites quando o assunto é sonhar. E isso é bem legal. Ela vai té o fim quando cisma com algo. Ok. Talvez pelo caminho mais confuso, entretanto acho que no fundo ela gosta de uma adrenalina hahaha.

A história flui de uma maneira leve e engraçada, bem do jeito que a Sophie Kinsella sabe fazer. Porém, acho que ela poderia ter ido mais direto ao ponto, sabem? Algumas partes não achei tão necessárias. Fora isso, amei os seguranças da Becky e suas neuroses haha. O pai da Becky tá bem maluquinho nesse livro e muito misterioso. Fiquei com pena da mãe! Ah! Eu esperava mais da Minnie nesse livro, mas sei lá. É fofa, mas de um jeito que não cativou muito (pelo menos pra mim). O Luke meio frio, porém sempre acaba surpreendendo de uma forma positiva no final. Fiquei muito curiosa para saber o desfecho de algumas partes da história e feliz por saber que vai ter continuação! Às vezes, a leitura fica um pouco cansativa, mas é sempre bom ler as confusões da Becky. Não tem jeito, ela é uma das minhas personagens literárias preferidas. 

328655bb-ee38-45ec-a890-86ddc29cd7d5Autógrafo que eu consegui na última Bienal do Livro (RJ). 

É isso, pessoal. Quem já leu, conta aí o que achou (mas sem spoiler haha). Para ler as outras resenhas da série, clique aqui e aqui.

Beijos, Carol.

P.S: Quem ainda não respondeu a pesquisa de público do PJ, clique aqui. Juro que não é demorada! Quem já respondeu, muito obrigada!! ;-) 

Fan Page ♥  Instagram 

 


1
29.03.2016
* PJ Leu: Para todos os garotos que já amei! ♥

A dica literária da semana é: “Para todos os garotos que já amei“, da autora Jenny Han, publicada pela editora Intrínseca.  Um romance teen que lembrou muito a minha adolescência. Vamos lá? :)

Sinopse: Lara Jean guarda suas cartas de amor em uma caixa que ganhou da mãe. Não são cartas que ela recebeu de alguém, mas que ela mesma escreveu para os cinco garotos que já amou. As cartas são sinceras, ela não reprime nada. Escreve tudo o que sente, sem joguinhos. Na vida real, ela jamais diria tudo isso a eles. Até que um dia, alguém envia essas cartas aos destinatários. Resultado? A vida amorosa da protagonista vira de pernas para o ar!

12508880_439122386279891_1355372955157769341_nAgradecimento: Luisa. Obrigada, eterna chefinha. Acertou em cheio no presente literário. ;-)

Minha opinião: Um dos livros mais fofos que já li na vida. Através da escrita, a romântica Lara Jean (tem nome melhor??? )  dá um “fim” nos seus casos amorosos. Escrever realmente é uma excelente terapia nesses casos. Tudo bem que dá uma tensão quando os caras recebem as cartas, principalmente, o cunhado dela (que na minha humilde opinião é um babaquinha). A Kitty, irmã mais nova, é hilária. Uma das minhas personagens preferidas e lembra muito a minha irmã. Ela dá o toque cômico na história. Margot, a irmã mais velha, me irritou profundamente. Muito chata para o meu gosto e ainda bem que ela foi estudar em outro lugar. Só assim para a Lara Jean  amadurecer! Acho que ela ama a família e tal, mas se acha muito o último biscoito do pacote. Peter é a melhor coisa do livro também! Adoro esses planinhos que fogem do controle dos personagens!

Fora isso, a leitura é deliciosa. A escrita da autora é incrível e, com certeza, ela escolheu a profissão certa.  A capa do livro é linda. Geralmente, não gosto de pessoas reais em capas, mas essa eu adorei e queria ter um mural de fotos assim no meu quarto. O livro é bem teen, mas faz a gente lembrar de uma das melhores épocas da vida. A gente sofre com amores que não deram certo ou que nem mesmo aconteceram, mas as lembranças que ficam são tão boas. Ansiosa pela continuação! Assim que eu ler “P.S: ainda amo você“, conto para vocês. ;-)

Já embarcou na leitura? Conta o que achou. Se não, mega recomendo! 

Beijos, Carol. 

Ah! Hoje é dia de Carolices & Julianices lá no blog da Juju. Sobre mentiras que contamos… Clique aqui. ;-)

P.S: Quem ainda não respondeu a pesquisa de público do PJ, clique aqui. Juro que não é demorada! Quem já respondeu, muito obrigada!! 

Fan Page ♥  Instagram 


9
23.03.2016
* PJ Leu: 1 Milhão de Motivos para Casar! ♥

E a dica literária da semana é 1 Milhão de Motivos para Casar, da autora Gemma Townley, publicado pela editora Record. Uma literatura chic leve e bem divertida. Justamente como manda o figurino. Vamos lá?

Sinopse: Jessica Wild foi criada pela avó materna, uma senhora muito rígida e que acredita piamente que a autossuficiência é o que realmente importa. E não para por aí. Para a sua avó, a felicidade não é tudo na vida. Consequência: a protagonista nunca acreditou muito na ideia do “felizes para sempre”. Sua prioridade é se tornar uma mulher independente e bem-sucedida.

Porém, sua amiga Grace, uma doce velhinha que ela conheceu na casa de repouso onde sua avó ficava, pensa totalmente ao contrário. Sendo assim, vive perguntando sobre a vida amorosa de Jess. Até que um dia, ela responde que tem um namorado lindo: Anthony Milton, seu chefe mega charmoso. E a mentirinha vai além. Ele a pediu em casamento em uma viagem romântica e de tão romântica, os dois resolveram se casar escondidos, durante a viagem mesmo. Jessica, desde então, sustenta a história que ela inventou… Até que um dia, Grace morre e deixa sua fortuna para ela. Mas com um porém: o testamento deixa bem claro que a herança para “Jessica Milton” e não para “Jessica Wild”.

Como ela vive endividada, a grana iria ajudá-la bastante. Solução? Ir à caça, ou melhor, atrás de seu chefe e fazer com que ele case com ela o mais rápido possível…. Tarefa nada fácil, já que ele é um mulherengo. Hora de separar a maquiagem, salto alto, decotes e conseguir realizar com sucesso a sua nova meta: o Projeto Casamento. Será que ela consegue?  ;-)

2cdd31a4-5c1a-4d92-9a6e-3dfafd2fdff1Agradecimento especial: Emily, do grupo lindão Meg’s Army Books Club. Ela que me deu o livro no nosso amigo oculto! 

Minha opinião: O livro garante doces risadas e prende do início ao fim, mesmo que a gente imagine o final. Apesar da Jess ser uma mulher indiferente ao clichê “felizes para sempre”, acabei me identificando bastante com ela. Tudo bem que às vezes eu ficava “criatura, por que você falou isso?” hahaha. Fiquei com muita raiva da avó dela, mas depois acabei percebendo que tem gente que dá esses conselhos não por mal ou por recalque, mas sim porque fica com medo do resultado final. Achei compreensível a atitude dela. Já Grace, é a amiga (mais velha) que todo mundo sonha (pelo menos eu sonho haha). O oposto da avó, mas ela já sonha bastante. Acho que na vida amorosa, a melhor coisa é o equilíbrio. Tem que ter os pés no chão, mas voar um pouco não faz mal. E meu Deus, que encrenca que ela meteu a Jess hahaha. A parte boa é que rendeu boas gargalhadas e ótimas lições. Anthony não me conquistou muito não. Beleza não é tudo, né? Já Max…. Ai meu Deus! 

Mega indico a leitura, principalmente, para quem não dispensa uma comédia romântica. É o tipo de livro que torço para ter a continuação (ou filme ou os dois), mas não sei se vai rolar. Quem sabe, né? A escrita da Gemma é bem leve. Dá para perceber que o talento está no DNA (contei que ela é irmã da Sophie Kinsella? ela é! ) Quanto à capa: uma das minhas favoritas. A princípio, o título meio que faz com que a gente pense numa história completamente diferente. Mas ela pode ser surpreendente. ;-)

Alguém já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica, viu? 

Beijos, Carol. 

Quem ainda não respondeu a pesquisa de público do PJ, clique aqui. Juro que não é demorada! Quem já respondeu, muito obrigada!! 

Fan Page ♥  Instagram 


4
16.02.2016
* PJ Leu: O Pulo da Gata! ♥

Terminei 2015 com uma leitura incrível: O Pulo da Gata, da querida autora (nacional) Fernanda França. Um chick-lit do jeitinho que eu gosto! ♥ Vamos lá? Bom post para vocês! ;-)

10297630_435722389953224_2085419734624367968_nEditora: Planeta (Selo Essência) 

Sinopse: Maggie May, de 23 anos, é uma veterinária que carrega um sonho: se casar como manda o figurino! O noivo nem importa tanto, contanto que seja alto e que a faça usar um vestido branco numa linda cerimônia religiosa. Também não pode faltar uma festa inesquecível (com todos os seus amigos e familiares), lua de mel e o tão esperado “felizes para sempre“. Só que esse desejo já causou quatro tentativas frustradas, porém ela não desiste. Através de um site de encontros, Maggie conhece o misterioso (e põe misterioso nisso) Felipe e, claro, que logo de cara ela tem certeza de que é o príncipe que vai esperá-la no altar. Pois é! A vontade de alterar o seu estado civil é tão giga, que ela ignora tudo e todos. Até mesmo o Eric, um comediante gato que conheceu por acaso, no seu primeiro encontro com o Felipe. Enfim, uma história divertida, cheia de surpresas e que faz a gente chorar de rir e de chorar mesmo hahaha.

Minha opinião: Sou suspeita, eu sei. Amo tudo que a Fê escreve! Mas confesso que quando ela me contou que o livro era em terceira pessoa, fiquei meio assim. Resultado? Ainda prefiro livros onde a protagonista narra a sua doce história, porém esse não deixou nada a desejar. ;-) A leitura flui que é uma beleza. Devorei em poucos dias e adorei cada capítulo. Algumas partes me deixaram triste, queria que a autora tivesse dado outro rumo. Em contrapartida, a história fica mais real. Afinal, a gente sabe que a vida não é um conto de fadas, né? Também tive vontade de dar uns sacodes na Maggie em algumas horas. Mas quando tive essa sensação, vi o quanto amadureci no quesito vida amorosa uhul \o/! Ah! É nítido o quanto ela amadurece no decorrer das páginas também.

d608471b-5fc7-473e-a942-5af64a021d2f

Fora isso, tenho mais algumas considerações: O pai da protagonista é maravilhoso, mesmo com alguns defeitinhos de fábrica hahaha!!! Eric??? Dispensa comentários! Felipe? Dispensa também hahaha! Ah! A família da Maggie foge do convencional, mas o principal tem de sobra: amor! Os amigos também são bem fofos, só me irritei quando uma das amigas deu a entender que estava com o amor da vida da Maggie. Depois entendi, mas sei lá hahaha. Ah! Sente falta da Melissa e da Blanda (protagonistas dos outros livros da Fernanda)? A autora faz a gente matar a saudade nesse livro. ;-) Sobre a capa: uma das mais lindas da vida. Quero um vestido de noiva parecido! No final, a gente percebe o quanto a capa tem tudo a ver com a história. Destaque também para a diagramação. Detalhes que fazem toda a diferença!

Recomendo (e muito) a leitura! Obrigada por escrever mais um livro apaixonante, Fê! :) 

Já leu??? Conta o que achou! Ainda não? Fica a dica! 

Beijos, Carol. 

Fan Page ♥  Instagram 


15
08.01.2016
* PJ Leu: Doce Perdão! ♥

A primeira dica literária do ano é: Doce Perdão, da autora Lori Nelson Spielman, publicado pela Verus Editora. Além da capa ser linda, o conteúdo é incrível. Se você não dispensa um bom romance, sugiro continuar lendo esse post. ;-)

Sinopse: Hannah Farr apresenta um programa diário na TV e tem um público fiel. Considerada uma personalidade de New Orleans, ela namora há dois anos com o charmoso prefeito da cidade. Tudo parece um mar de rosas, mas duas pedras mudam o rumo da história. As Pedras do Perdão viraram mania no país inteiro e a proposta é a seguinte: enviar duas pedras para alguém que você maltratou no passado. Se a pessoa lhe devolver uma delas, significa que você foi perdoado. Simples assim! Mas a partir do momento que a personagem recebe as pedras de uma amiga conhecida, Fiona (autora do livro que explica a mania), sua vida vira de cabeça para baixo. Lembranças do passado surgem e as certezas se transformam em dúvidas. Agora Hannah tem duas opções: tentar consertar os erros ou viver diariamente com os pontos de interrogação.

6362325d-9101-40dc-9f3d-e8355dc37e30“Perdoar é libertar um prisioneiro e descobrir que o prisioneira era você.”
(Lewis B. Smedes)
♥ 

Minha opinião: Uma leitura repleta de sabedorias! Doce Perdão mostra que rever conceitos é fundamental. Perdoar também! Esse verbo liberta um prisioneiro, que por sinal, muitas vezes pode ser você e, não, o vilão. A história tem um gancho bem interessante e flui de um jeito bacana. Alguns capítulos são monótonos, mas outros exigem não te deixam dormir. Personagem que ganhou o coração da blogueira: Dorothy, a ex-sogra mais fofa do universo e a mais sábia também. Ela me ensinou uma das melhores lições que o livro proporcionou: não ter pressa. Cada um tem o seu tempo! O perdão nem sempre vem na hora que queremos, mas quando vem… É indescritível. Alguns personagens são irritantes e só vivem de aparência. Concordo que tem coisa que é melhor deixar pra lá, mas se incomoda não vejo problema tentar consertar. O final me deixou confusa, mas a parte boa é que deu para usar a imaginação em dobro. Ah! E a viagem que a Hannah Farr faz é a parte mais doce do livro. Tão bom encontrar pessoas que não nos intimidam. 

Confesso que preferi o primeiro romance da autora, A Lista de Brett (resenha aqui), me prendeu mais. Porém, recomendo o livro protagonista do post de hoje. Rende valiosas lições. Pode apostar: sua bagagem literária vai agradecer! ;-)

Já leu? O que achou? Ainda não? Coloca na listinha!
Beijos, Carol. 

Fan Page ♥ Instagram 


2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2019