28.05.2019
* PJ Leu: Uma noite com Grace Kelly! ♥

Ei, Gente! :) Algumas histórias a leitura acaba não fluindo tanto e eu acabo demorando mais tempo para publicar resenha sobre aqui no PJ. Mas podem ficar tranquilos, que hoje tem dica literária, que a propósito é: Uma noite com Grace Kelly, escrito pela Lucy Holliday. Vamos lá? Bom post!

IMG_8144Livro: Uma noite com Grace Kelly | Editora: Harper Collins| Autora: Lucy Holliday
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 2,5 livros!

Sinopse:  No terceiro livro da trilogia “Uma noite com…”, Libby finalmente se deu conta de que seu melhor amigo, Olly, é o seu verdadeiro amor. Porém, tudo indica que já é tarde para essa descoberta, já que o dito cujo parece ter partido para outra. Pois é, as coisas na vida dela não são fáceis e todos os setores, desde o amoroso até o profissional, não dão descanso . Mas graças ao sofá mágico, nossa protagonista tem um outro encontro surpreendente: dessa vez, Grace Kelly faz umas visitas com aprendizados que estão longe de ter uma cara de contos de fada, mas, às vezes, o pé no chão é a melhor saída. Será?

Minha opinião: Eu li o 1º e o 2º livro e amei tanto que a minha expectativa para o 3º era bem alta. Porém, não superou muita coisa não, gente! Apesar da Grace Kelly ser uma figura icônica e nessa história trazer aprendizados realistas que fazem a gente crescer, eu achei ela bem blasé e a aparição dela mínima (não conheço muito a história dela, então, não sei se bate ou não com a realidade)! O que era para ser um tchan na história, não rolou muito, sabem? E apesar de ter coisas novas e tal, meio que a leitura não fluiu e eu quase desisti no meio. Mas fui até o fim!

Quanto aos outros personagens: não ri tanto com a Libby dessa vez, entretanto, ainda tenho um carinho por ela! Em contrapartida, Dillon me conquistou nesse livro e adorei as suas participações. Olly continua fofo e Tash uma chata! A irmã e a mãe no mesmo esquema, mas com algumas surpresas boas no 45 do 2º tempo. Sobre o Joel, não posso falar muito, porque corro o risco de dar spoiler. E outros personagens a autora cortou total com eles e eu queria meio que uma reviravolta. Mas claro que não estou aqui só para falar que não gostei e tal. Como contei, quase desisti, mas fui até a última página porque a trilogia me proporcionou muitas risadas e aprendizados que levo até hoje! Então, continuei em forma de agradecimento. E os últimos capítulos até aproveitei mais, principalmente, com o resgaste de algumas personagens que amei conhecer, mesmo que na minha imaginação. Achei meio corrido, mas até que curti. Teve clichê do jeitinho que eu gosto! 

E uma observação que quase nunca falo sobre: a ortografia desse livro, ao menos a edição que eu tinha, tinha muita bola fora. Tipo palavras faltando letras, parágrafos faltando continuação. Claro que todo mundo tem direito ao erro e quem sou eu para julgar, mas isso, dessa vez, me incomodou além da conta. Então, talvez isso não tenha ajudado muito na minha impressão. :(

É isso, pessoal. Apesar dos poréns, acho que a história pode bater de forma diferente em cada leitor, viu? E eu estou mega aberta a debates construtivos! A minha única dica é que não vá com muitas expectativas ao ler Uma noite com Grace Kelly. ;-)

Beijos, Carol.

Post Antigo: Uma noite com Audrey Hepburn

Fan Page ♥  Instagram


0
23.04.2019
* PJ Leu: Corra, Abby, Corra! ♥

Ei, Gente! :) No Dia Mundial do Livro, não tinha como o post não ser sobre uma história literária, né? Então, a dica de hoje é “Corra, Abby, Corra!“, da autora Jane Costello. Publicado pela Record, o livro é um daqueles chick lit que faz a gente entender o motivo de tanto amar esse mundinho literário. Então, vamos lá? Boa leitura!

PJ Leu - Corra Abby CorraLivro: Corra, Abby, Corra! | Editora: Record | Autora: Jane Costello
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros!

Sinopse: Abby Rogers nunca foi de se preocupar com hábitos saudáveis e, desde que fundou a River Web Design, as coisas só pioraram. Fazer as refeições nos horários certinhos é missão impossível. Mas quando a sua melhor amiga, a Jess, maratonista incurável, a convence de participar de um clube de corrida, nossa protagonista topa se arriscar. Claro, que a sua motivação tem nome, apelido e um sorriso encantador: Oliver, ou melhor, Dr. Sexy, que a propósito é o capitão do clube.

Seu primeiro dia de corrida? Um desastre total! Com certeza, essa atividade não combina nada com ela. Então, depois de ter a sensação de que seus pulmões foram incendiados, prometeu nunca mais correr…. Até que a sua assistente Heidi lhe dá a notícia que é portadora de esclerose múltipla, uma doença que não tem cura. Sendo assim, ela ganha um outro incentivo na corrida e decide investir nessa “carreira” para arrecadar fundos para uma pesquisa da cura dessa enfermidade.

Claro que ela vai precisar de muito fôlego para enfrentar essa e outras corridas diárias da vida: gerenciar a sua empresa (que não está muito bem), lidar com os pais, conquistar o Dr. Sexy e ainda por cima enfrentar um motoqueiro que cruzou o seu caminho por acidente (literalmente) e muito mais. Haja disposição! Mas será que ela vai ter para essas maratonas atípicas? Só lendo para descobrir. ;-)

Minha opinião: Que livro, gente! Primeiro que a escrita da autora te envolve a cada capítulo, fazendo com que você não queira parar de ler um segundo. Amei a premissa e como ela foi desenvolvida! A princípio, não era um livro que chamaria a minha atenção, a não ser pela capa (que é linda). Os assuntos, como corrida e esclerose múltipla, me deixariam sei lá… Porém, os temas foram tratados com diversão na medida certa e seriedade com leveza quando pedia. Essa dosagem me conquistou do início ao fim e me fez aprender mais do que imaginei.

Quanto aos personagens: a Abby é aquela protagonista que dá vontade de ser amiga na vida real. Fiquei bem orgulhosa da atitude dela! Enfrentar um desafio pelo outro, fez ela ganhar em dobro. Afinal, quando a gente ajuda o próximo, também nos ajudamos. Viram? Em poucas páginas, a gente já aprende tanto.  Tom é o meu crush literário atual e Dr. Sexy dá raivinha, mas está na listinha de suspiros literários hahaha! A equipe da empresa dela é o meu grande objetivo de vida profissional! Heidi é outra personagem queridinha. O jeito como ela lida com tudo é inspirador. Jess… Confesso que não foi a minha personagem favorita! Os pais? O final deles é surpreendentemente bom. Aliás, o livro fala sobre a outra face do perdão em relação à traição. Faz com que a gente reflita muito! Não sei se faria o mesmo, mas com certeza o meu julgamento está menos 8 ou 80.

E vocês acreditam que me deu vontade de correr? Não só a atividade física em si, mas correr ainda mais atrás dos meus sonhos! Clichê, eu sei, mas é a pura verdade. Caiu como uma luva nessa nova fase da minha vidinha! Obrigada, Abby. Obrigada, Jane Costello (você está no meu topo de escritoras favoritas e que me inspiram)! Enfim, é um chick lit que faz a gente chorar de tanto rir e de chorar mesmo. O desfecho foi emocionante! Os primeiros capítulos até dão a entender o que vai acontecer no fim, mas o caminho até lá é leve e perfeito com imperfeições. E a vida real é assim mesmo, né? E tudo bem! No mais, essa história entrou para a minha lista de favoritos e me fez abraçar o livro quando terminei. Então, RECOMENDO MUITO♥ 

***

É isso, pessoal. Fica a dica! E quem já leu, conta o que achou. =)

Ah!! E feliz dia para todos que fazem parte desse Dia Mundial do Livro!!! ♥ 

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Minha vida não tão perfeita

Fan Page ♥ Instagram 


3
03.04.2019
* PJ Leu: Ho’oponopono para todos os dias! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é Ho’oponopono para todos os dias, da Maria-Elisa Hurtado-Graciet. Publicado pela editora Sextante, o livro é uma pequena introdução de um método baseado no amor, na gratidão e no perdão! Vamos lá? Boa resenha.

PJ Leu - HooponoponoLivro: Ho’oponopono para todos os dias| Editora: Sextante | Autora: Maria-Elisa Hurtado-Graciet 
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 3 livros!

Sinopse: Você sabia que “Ho’oponopono” é uma antiga palavra havaiana que leva como significado também “colocar as coisas em ordem” ou “restabelecer o equilíbrio”? Sendo assim, a autora apresenta nessas páginas os fundamentos essenciais desse método e mostra uma nova maneira de viver, sempre levando em conta três fatores: perdão, amor e gratidão. Então, se você deseja uma cura interior ou saber mais sobre, vale a pena embarcar na sabedoria do Ho’oponopono, que pode ser útil em todos os momentos de sua vida!

Minha opinião: Se eu pudesse resumir esse livro em apenas uma palavra, usaria “libertador”. Ho’oponopono é um método que tem tudo para ser bem útil no nosso dia a dia. Para começar, destaque para a frase “Quando vestimos a pele de cordeiro, o lobo aparece”. No Clube do Livro da Saraiva, a Frini comentou sobre e fez ainda mais sentido quando eu li. Tipo, não adianta a gente ficar toda hora sendo a vítima. Por mais que sejamos, ficar remoendo as coisas que estão fora do nosso controle, só faz com que a vida não ande e que os lobos insistam em aparecer! De todos os dizeres que encontrei, esse foi o que mais marcou.

Quanto às frases que a autora usa, todas (“sinto muito”, “me perdoe”, “eu te amo” e “sou grato”) são fundamentais. Mas essa última – sou grato – é a que deu um clique diferente, sabem? Gratidão é uma palavra forte e que muda o rumo da nossa vida! Ser grato faz bem e traz recompensas inacreditáveis! ;-) Também gostei do livro porque ele traz a responsabilidade dos nossos pensamentos para a gente e por mais que soe como um trabalho a mais, ser responsável também por essa parte da vida, dá uma sensação boa, de liberdade! Claro que na prática, a teoria é bem mais complicadinha. Não é como um passe de mágica que tudo vai mudar, mas acredito que aos poucos praticar os dizeres que encontramos em cada capítulo, não é impossível.

No mais, o projeto gráfico é lindo e dá mais leveza ao ler. É bem curtinho, a gente devora em poucos dias e no final, traz uma sensação bem boa! Se você deseja saber mais, vale buscar outros livros, esse acredito que é só para a gente ter um gostinho do que significa “Ho’oponopono”, que a propósito ô palavra difícil de falar, né? hahaha  ;-) Por fim, não é o meu gênero literário preferido, mas deu para matar um pouco a curiosidade desse termo que está em alta, porém, não sabia muito sobre. Ah! Era para eu ter lido o e-book, mas não consegui ler no IPad (e ainda não tenho Kindle), então comprei a edição física mesmo.

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! ♥ 

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Escolha sua vida

Fan Page ♥ Instagram 


0
25.03.2019
* PJ Leu: Um verão na Itália! ♥

Ei, Gente! :) Para quem gosta de romance ou deseja embarcar em uma história literária mais romântica, de arrancar suspiros, a dica é: Um verão na Itália, da autora Carrie Elks. Publicado pela Verus Editora, é um daqueles livros que a gente tem vontade de colocar em um potinho, mas com algumas ressalvas. Enfim, vamos lá? Boa leitura!

PJ Leu - Um verão na ItáliaLivro: Um verão na Itália | Editora: Verus | Autora: Carrie Elks
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 3 livros!

Sinopse: Cesca Shakespeare chegou ao fundo do poço. Depois de escrever uma peça de teatro premiada que acabou em desastre, o bloqueio criativo se instalou sem previsão de ir embora. Seis anos mais tarde ela acabou de perder mais um emprego pavoroso e está prestes a ser despejada de seu apartamento. Pior ainda, suas irmãs não fazem ideia de como sua vida vai mal. Assim, quando o seu padrinho lhe arruma uma temporada de verão em uma villa italiana, sem ter de pagar nada por isso, Cesca concorda, meio a contragosto, em ir para lá e tentar escrever uma nova peça. Isto é, antes de descobrir que a casa pertence a seu arqui-inimigo: Sam Carlton.

Quanto a ele, mais uma vez se depara com o seu nome em todas as manchetes pelas razões erradas. O galã de Hollywood decide correr para um lugar que possa se esconder e nada melhor do que a villa italiana de sua família. Só que quando chega lá, descobre que não está sozinho e terá de enfrentar o seu passado. No começo, a raiva se instala e depois uma atração entre os dois surge. Mas afinal: será que a história entre Cesca e Sam é apenas um caso de verão arrebatador ou um amor de todas as estações? ;-)

Minha opinião: Sabe aquele meme que tem um leitor de fora só observando os dois protagonistas que se odeiam, porém, está na cara que ambos vão se apaixonar? Esse livro é o próprio! A gente só observa a Cesca e o Sam e o desenrolar dessa história de verão. ;-) Falando nisso, o enredo é clichê e confesso que desejei alguma reviravolta mais chamativa, porém… Me apaixonei do mesmo jeito e desejei guardar o livro em um potinho, viajar para a Itália e me hospedar na villa, claro.

A autora é bem detalhista e alguns capítulos, digamos, que são bem picantes! Mas também tem muita parte fofinha, tipo na hora da quebra de bloqueio de escrita da Cesca! Foram as minhas cenas favoritas. Sobre os outros personagens, alguns são de extrema importância e mereciam mais destaque, como o padrinho e as irmãs. Outros? Não faço a mínima ideia de como pararam ali. Falando nisso, amei a Gabi e a mãe do Sam. Espero vê-las, nem que seja um pouquinho, nos próximos livros (sim, vamos ter mais quatro pelo que eu entendi)! E o casal protagonista? Conquista, principalmente, o Sam. Por incrível que pareça, achei ele um pouco mais maduro que a Cesca. Porém, é óbvio que os dois amadurecem bastante!

Resumindo, o romance é de arrancar suspiros, mas com algumas ressalvas. Vale a leitura para tirar a sua própria conclusão. E palmas para a capa linda, é uma das minhas preferidas da vida! No mais, amei a escolha do cenário do livro e, de um modo geral, a história. Também não posso esquecer de uma das lições mais importantes que tirei: as nossas atitudes muitas vezes valem mais do que as consequências.

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica! 

Beijos, Carol.

Post Antigo: Uma noite com a Marilyn Monroe

Fan Page ♥ Instagram


1
28.02.2019
* PJ Leu: Celular, Doce Lar! ♥

E a dica literária da semana é Celular, Doce Lar, da autora Rosana Hermann. Um livro fala sobre a nossa relação com esse aparelho que é muito benéfico, mas se não soubermos usar, pode trazer malefícios para o nosso dia a dia. Enfim, vamos lá? Boa resenha! 

PJ Leu - Celular Doce LarLivro: Celular, Doce Lar | Editora: Sextante | Autora: Rosana Hermann
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: cinco livros!

Sinopse: Você imagina uma vida sem celular? É quase inconcebível uma ideia como essa, afinal, esse aparelho é tão útil, entretém tanto, é tão presente e cheio de possibilidades cada vez mais ricas. Aliás, como uma dia pudemos viver sem ele? De acordo com a autora, nós todos moramos no celular. Vivemos boa parte de nossos dias nessa outra dimensão, que, mesmo não atendendo a todos os nossos sentidos, costuma ser muito mais divertida e segura do que a realidade ao nosso redor.

Claro, não há nenhum problema em usar o celular diariamente, em não desligá-lo, em consultá-lo com frequência, em amá-lo ou em morar dentro dele. O celular é mesmo uma invenção genial! Mas, talvez, tenha chegado a hora de discutir essa relação tão intensa. Através da leitura, descobrimos como essa maravilha tecnológica passou a ser um aparelho onipresente. Essa explicação vem repleta de histórias, humor, dados recentes e dicas de como fazer um detox digital, mas sem radicalismo. ;-)

Minha opinião: Foi aquele livro que eu quis morar dentro! O que eu mais gosto nele, é que não há radicalismo, do tipo “desliguem o celular e ponto final”. Mostra que há muitos benefícios, mas que é preciso ficar de olho nos malefícios que essa invenção traz. Ou seja, não é preciso dizer adeus a esse aparelho, mas usar na medida certa, talvez seja uma boa saída para abandonarmos esse vício. Aliás, essa palavrinha pode, por exemplo, fazer você ficar com dor de cabeça, corcunda e, até mesmo, perder momentos incríveis ao lado de quem amamos. Aliás, a gente deveria agradecer mais quando esquecermos o celular em casa ou der uma pane nele, como conta o relato do Lucas Salles. Aliás, esses depoimentos que aparecem em algumas páginas são tão gente como a gente. E ensinam muito! Prestem atenção em cada um, principalmente, no último. ;-)

Fora isso, amei a escrita da Rosana e os quadrinhos que abrem cada capítulo. Tem humor e tapa na nossa cara, mas é do bem esse “tapa” hahaha.  Ah! Apesar das teorias, dados chocantes e tal, não é uma leitura chata, ok? Misturando humor e realidade nua e crua, ela mostra que um detox digital é mega bem-vindo. Mas, mais uma vez: nada de radicalismo! Pode discutir a sua relação com o seu celular, porém, não é preciso abandoná-lo, transformá-lo em inimigo número 1. Enfim, resumindo, me deu um “palívio” (adorei esse termo que a autora usou hahaha) o livro. Bateu um pânico, em contrapartida, rolou um certo alívio ao descobrir soluções que estão ao alcance de cada um. Enfim, recomendo MUITO A LEITURA para saber tudo tim tim por tim tim. Ah! E é para todos, sem exceção, ok? Depois me contem!

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Me poupe!

Fan Page ♥ Instagram  


2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2019