24.11.2020
* 5 coisas boas que aconteceram em 2020! ♥

Ei, Gente! Falta 1 mês e pouquinho para esse ano doido acabar. Sem dúvida, não foi o melhor da vida. Por motivos óbvios e outros também! Mas durante a tempestade, sempre aparecem alguns arcos-íris. E nesse clima de repensar tudo o que tem acontecido, resolvi olhar o lado bom e relembrar 5 coisas que deixaram 2020 mais leve. Vamos lá? ♥

1. Já era próxima da minha irmã mais nova e do meu cunhado, mas com a pandemia, a gente acabou ficando ainda mais! Eu, ela, ele e meu namô formamos um belo quarteto com churras na varanda. E, claro, com a Jeanninha do lado tentando roubar carne, com uma rede mara e cada pôr do sol, que MEU DEUS!

2. No comecinho de 2020, eu tava bem desanimada com a minha vida profissional. E no meio de tantas demissões, consegui freelas que me ensinaram muito e mostraram que eu tô no caminho certo. Ainda bem! E o blog deu passos que sempre quis. Enfim, que venham mais e mais trabalhos incríveis. Aliás, eu to mega solta nos stories e nas lives! Quem diria? E o Insta do PJ deu uma renovada, graças a minha irmã. Obrigada, Lulu!

3. No comecinho da quarentena, confesso que me dava raiva ver pessoas na rua e sem máscara (olhando da minha varanda). Hoje, não julgo quem sai, mas quando tá sem o nosso acessório “tem que ter” ou finge que usa, fico possessa. Mas apesar disso, a minha empatia aguçou muito. Não tomar cuidado, não só me prejudica, como pode ter consequências para o outro. Falando nisso, protestos que eu sabia apenas por alto, dessa vez fui além. Mantive posições, revi outras e aprendi novas.

Crédito da Imagem: Bacon Frito!

4. Eu tô com muita saudade de ir ao cine. Mas ainda bem que existe Netflix, Amazon e por aí vai. Conheci histórias que entraram na minha lista de favoritos e maratonei séries e filmes como nunca. E aquelas que todo mundo assistia, eu finalmente embarquei, como Modern Family. E no quesito literário, tive meus bad days, mas me aventurei em novos gêneros e me apaixonei ainda mais por chick-lit.

5. Vi que a gente se adapta e dá valor ao que nunca deu antes, como a liberdade de sair. Tudo bem que o Rio é perigoso e tal, mas ter um vírus no meio disso tudo, dá ainda mais medo. Mas a gente se adapta às mudanças. E cada um tem o seu tempo! Não é romantizando a quarentena, até porque imagino o quanto de coisa ruim acontece. Porém, às vezes, diferentes posicionamentos, podem melhorar ainda mais uma relação. Seja amorosa, familiar ou de amigos. ♥

Crédito da Imagem: @naniape

Enfim, ainda têm outras coisas boas. Tipo o nascimento da minha afilhada, Malu. O niver diferentão da quarentena. O tempo todo agarrada com a minha doguinha perfeita e convivendo mais com o meu namorado, irmã e cunhado. O novo assusta, porém, aos poucos a gente vai. Quero que tudo volte ao normal, mas que as lições e as mais recentes lembranças (boas) fiquem e virem rotina também!

Agora me conta uma coisa boa que aconteceu nesse ano. Tenho certeza que tem! Seja uma ligação inesperada e um sorriso que alivia tudo! Mas se tiver tudo meio estranho, tudo bem. Tenta amanhã! ;-)

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: Quarentena da Pequena – Parte 1
Fan Page ♥ Instagram  


5
06.10.2020
* Primeira Live do PJ: 3 livros favoritos e 3 clássicos não lidos! ♥

Ei, Gente! :) Na última quinta-feira, rolou a primeira live do PJ no Insta. Junto com a minha amiga Juju Bittar, comentamos sobre algumas histórias favoritas e clássicos que ainda não embarcamos (e alguns vão continuar nesse status hahaha). Então, para quem perdeu, segue um resuminho desse encontro virtual e dos livros que citamos! ♥

Três livros favoritos da Pequena e da Juju:

1. Menina de 20 (Sophie Kinsella)
De quem: Eu e Juju
Sinopse: O espírito da tia-avó de Lara Lington, aparece misteriosamente com o último pedido: Lara precisa localizar um colar que foi dela por mais de 75 anos. Só assim Sadie poderá descansar em paz. Além de encontrar a joia, Lara tem que lidar com “probleminhas” do dia a dia: a sócia fugiu, sua empresa está afundando e ela acabou de ser abandonada pelo homem “perfeito”. Nesta divertida história, Lara e Sadie são duas meninas de vinte bem diferentes que vão aprender a importância dos laços familiares e da amizade! ♥
Observações: A pequena que vos bloga e a Juju possuem um gosto literário meio parecido e as duas falaram desse livro, que pela milésima vez: é perfeito!

2. Malas, memórias e marshmallows (Fernanda França)
De quem: Eu
Sinopse: Às vezes, o fim de algo pode ser apenas um novo começo. Após ser despedida do trabalho no dia de seu aniversário, Melissa Moya conhece Theodoro Brasil, seu vizinho, dando início a uma nova amizade que vai permitir que a jovem jornalista realize seu maior sonho: viajar pelo mundo afora. Então, Mel embarca no projeto “América sobre rodas”, uma aventura por diversas regiões dos Estados Unidos, deixando para trás sua gata, Lady Gaga, sua família e seus amigos. Máquina fotográfica na mão, notebook debaixo do braço, Melissa vai acabar percebendo que a vida surpreende a cada momento, principalmente quando o assunto é o amor verdadeiro.
Observações: Foi através desse livro que conheci a minha autora brasileira favorita e que hoje tenho o maior orgulho de ser leitora beta dela.

3. Corajosa sim, perfeita não (Reshma Saujani)
De quem: Eu
Sinopse: A busca pela perfeição acaba nos limitando. É preciso na verdade exercitar o músculo da coragem. O que não é fácil também! Mas quando deixamos a necessidade de perfeição para trás, encontramos liberdade, alegria e todas as coisas boas que queremos na vida. É preciso tentar, antes de pensar em desistir. E, com base na sua vida e na de outras histórias, a fundadora da ONG Girls Who Code, a Reshma Saujani, escreveu esse livro inspirador sobre coragem. ;-)
Observações: Esse livro foi o 1º que li em 2020 e entrou recentemente para a minha listinha de favoritos, que a propósito é ainda maior. Mas como ele me ajudou muito, escolhi para ocupar um dos lugares nessa live.

4. A menina que roubava livros (Markus Zusak)
De quem: Juju
Sinopse: Horas depois de ver seu irmão morrer nos braços de sua mãe, que era comunista, Liesel Meminger é adotada por Hans e Rosa Hubermann. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala “O Manual do Coveiro”, livro que o rapaz que enterrou o seu irmão deixou cair na neve. Foi o primeiro dos vários livros que Liesel roubaria. Através dos livros, Liesel descobre um mundo diferente do cenário triste de uma guerra, que transformava a Alemanha diariamente. Ela descobre o real significado do amor, da amizade e da lealdade. E as palavras que Liesel encontrou nessas páginas seriam mais tarde aplicadas ao contexto da sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, pai adotivo mais amável do mundo, e Max Vandenburg (o judeu do porão), Rudy Steiner e a Morte, que a propósito é a narradora.
Observações: Como não se apaixonar por essa história? A maneira como é contada, a inocência da Liesel e do Rudy, tudo no meio de uma Guerra. E quem salva tudo? Os livros. Foi escolha da Juju, mas eu também mega concordo com ela!

5. Tudo o que é sólido pode derreter (Rafael Gomes)
De quem: Juju
Sinopse: Thereza é uma jovem cheia de sonhos, e junto com ela e seus amigos da escola se envolve no mundo da literatura e descobre que, sim, a vida fica muito mais encantadora na companhia de Machado de Assis, Fernando Pessoa e Camões. Essa história traça paralelos entre os livros e a vida, e constrói uma crônica juvenil delicada e divertida, que mistura humor e drama para abordar o tema da transição para a idade adulta.
Observações: A Juju contou que comprou por conta do preço, mas o livro foi além e conquistou um dos topos dos favoritos dela. E eu fiquei com muita vontade de embarcar!! ♥

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Três clássicos não lidos da Pequena e da Juju:

1. Orgulho e Preconceito (Jane Austen)
De quem: Juju e Eu
Sinopse: Esse romance retrata a relação entre Elizabeth Bennet e Fitzwilliam Darcy, na Inglaterra rural do século XVIII. Lizzy possui outras quatro irmãs, nenhuma delas casadas, o que a Sra. Bennet, mãe de Lizzy, considera um absurdo. Quando o Sr. Bingley, jovem bem sucedido, aluga uma mansão próxima da casa dos Bennet, a Sra. Bennet vê nele um possível marido para uma de suas filhas. Enquanto o Sr. Bingley é visto com bons olhos por todos, o Sr. Darcy, por seu jeito frio, é mal falado. Lizzy, em particular, desgosta imensamente dele, por ele ter ferido seu orgulho na primeira vez em que se encontram. A recíproca não é verdadeira. Mesmo com uma má primeira impressão, Darcy realmente se encanta por Lizzy, sem que ela saiba do fato.
Observações: Mais um livro que as duas falaram. A Juju quer ler, mas não sabe quando hahaha. E eu também e a intenção é ler ainda esse ano. Será que consigo? Façam as suas apostas hahaha!

2. Harry Potter (J.K. Rowling)
De quem: Juju
Sinopse: Dispensa sinopse, né? hahaha =)
Observações: Ela assistiu aos filmes, mas os livros…. Mas quem sabe um dia a gente embarca em todos, né? Sim, eu só li o primeiro hahaha. Então, to com a Juju também. Mas amamos esse universo, ok?

3. A culpa é das estrelas (John Green)
De quem: Juju
Sinopse: Hazel é uma paciente terminal. Ainda que por um milagre da medicina, seu tumor tenha encolhido bastante. E como em todo bom enredo há uma reviravolta, a de Hazel tem nome e sobrenome: Augustus Waters (conhecido como Gus), um garoto bonito que ela conhece no Grupo de Apoio a Crianças com Câncer. Juntos, os dois vão preencher o pequeno infinito das páginas em branco de suas vidas. 
Observações: A Live foi finalizada com essa polêmica hahaha. Juju não tem muito paciência com a história e nem com o autor hahaha. Mas prometi que a amizade continua hahaha!

4. It: a Coisa (Stephen King)
De quem: Eu
Sinopse: Durante as férias de 1958, em uma pacata cidadezinha do Maine, Bill, Richie, Stan, Mike, Eddie, Ben e Beverly aprenderam o real sentido da amizade, do amor, da confiança… e do medo. O mais profundo e tenebroso medo. Naquele verão, eles enfrentaram pela primeira vez a Coisa, um ser sobrenatural e maligno que deixou terríveis marcas de sangue em Derry. Quase trinta anos depois, os amigos voltam a se encontrar. Uma nova onda de terror tomou a pequena cidade. Mike Hanlon, o único que permaneceu em Derry, dá o sinal. Precisam unir forças novamente. A Coisa volta a atacar e eles devem cumprir a promessa selada com sangue que fizeram quando crianças. Só eles têm a chave do enigma. Só eles sabem o que se esconde nas entranhas de Derry. O tempo é curto, mas somente eles podem vencer a Coisa.
Observações: Sei que é um autor clássico e o livro mais ainda, porém, sou muito medrosa para encarar uma história assim. Só de ler a sinopse, já bateu medo de dormir sozinha hahaha! E juro que não é preconceito literário, é só medo mesmo. =D

5. Romeu e Julieta (William Shakespeare)
De quem: Eu
Sinopse: Dispensa sinopse também, né?
Observações: Quando declarei isso na live, muitos ficaram chocados hahaha. Masss apesar de ser apaixonada por Verona, a casa da Julieta e tal…. Não li esse clássico, mas tenho uma edição linda aqui em casa! Então, tô perdoada, né? hahaha

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

É isso, gente! Quem quiser assistir a live, salvei lá no IGTV do Pequena Jornalista. Fiquei bem tensa, com vergonha. Mas quando chegou a hora, me senti em casa. :) E com a Juju, que sempre me incentiva e é uma das minhas melhores amigas (e uma artista incrível), foi bem legal e estamos pensando em ter um quadro lá no Insta hahaha. Obrigada a todos que acompanharam, como família e os amigos! ♥

Agora me contem: um livro favorito e um clássico não lido?

Beijos, Carol.

Post Antigo: Julianices e Carolices – Musicais que eu amo!
Fan Page ♥ Instagram 


5
20.08.2020
* Beda 20 – 11 primaveras! ♥

Ei, Gente! :) Chegou o 2º dia mais esperado por mim esse ano: o niver do Pequena Jornalista. Há 11 anos nascia esse bloguinho, que é a minha dose de alegria diária. O meu hobby preferido e o lugar que eu mais amo criar conteúdo. ♥

Quando chegamos na blogosfera: era tudo mato e ainda tinha leitor “segue, que eu sigo de volta” hahaha. Terminei a faculdade e queria um cantinho para escrever do meu jeito e no dia 20 de agosto de 2009, eu o criei. Juntei o apelido que uma amiga (Mari Garbes, mamys da facul) me deu e a minha profissão e deu match: Pequena Jornalista. De lá para cá, muita coisa mudou! Novas plataformas e redes sociais nasceram, mas apesar deu amá-las também, como o meu negócio é escrever, o blog sempre fez mais sentido para mim.

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

No comecinho, eu escrevia muito sobre moda, esmaltes e textos aleatórios. Mas daí eu vi um mundo que tinha muito mais a ver comigo: o literário. Sempre amei ler e aí as resenhas entraram no cronograma de posts e sinto que me encontrei nesse meio. Por mais que volta e meia, role uma postagem de look inspiração e beleza. O bom do lema “de tudo um pouco do meu mundo” é que eu posso segui-lo à risca.

O blog ainda não é a minha fonte de renda principal. Aos poucos, estou sabendo valorizar mais esse trabalho. Que apesar de ser um hobby, não é fácil e é trabalhoso. Aliás, têm muitos dias incríveis, mas outros o desânimo bate na porta. Mas tento ter foco nas vitórias (que são muitas) e aprender com as dificuldades. Por falar nisso, saibam que estou sempre aberta a sugestões, ok?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

E eu não sei se eu sou a única a ter essa impressão, mas apesar dos males da pandemia, tive a sensação de que essa blogosfera se uniu e cada vez mais blogs incríveis estão surgindo, estou reencontrando antigos e outros voltando com tudo! Aliás, o PJ foi um dos meus refúgios que me ajudou a não enlouquecer nesse distanciamento social. Falando nele, eu sempre amei ler, mas sinto que virei uma bookaholic de carteirinha graças a ele! Afinal, resenhas de livros sempre são bem-vindos por aqui, né?

Enfim, vou tentar não me estender muito, mas já estou me estendendo hahaha. Aliás, fico com medo de ser repetitiva a cada ano nessa data, mas não tem como não dizer essas palavras! ;-)

Obrigada leitores por cada comentário e visita.
Obrigada blogueiros por me inspirarem sempre!
Obrigada mãe, namô e Jeanninha por me incentivarem.
Obrigada irmã Lulu (ela tira todas as fotos que eu apareço e me ajuda com as partes mais técnicas) por me ajudar tanto nessa parte, mesmo com a agenda lotada.
Obrigada irmã Ni por todos os seus palpites no Insta!
Obrigada amigos que apoiam e que vibram comigo, mesmo que alguns não tenham a menor ideia do que blog significa hahaha.
Obrigada às amigas virtuais (inclusive do grupo Blogando com amor) por todas as dicas e conselhos.
Obrigada às amigas que viraram uma das melhores amigas, como a Juju Bittar, uma ilustradora de mão cheia e que sempre cria artes lindas pensando no PJ.
Obrigada às empresas que ajudam de alguma forma no layout e brindes, como a Cor Seletiva e a Renata Lustosa.
Obrigada a cada parceiro por acreditarem e confiarem no meu trabalho.
Obrigada escritores, por tanto. Vocês nem imaginam! ♥

Crédito das Imagens: Pequena Jornalista

Enfim, que venham mais e mais primaveras e que a essência desse bloguinho sempre permaneça intacta. Aliás, desculpem qualquer deslize, viu? =D Que não falte inspiração, posts, comentários que nos deixam com um sorriso de orelha a orelha e que os dias mais complicadinhos sirvam apenas para nos impulsionar mais para frente. E que os dias felizes façam tudo valer a pena! E podem acreditar: valem.

Ah! Por mais clichê que pareça, nada disso seria possível sem vocês que estão aqui diariamente ou quase isso. Para retribuir, resolvi fazer um sorteio lá no Instagram, que é o meu segundo cantinho favorito da internet (ele ganhou uma nova forma e estou amando). Têm itens de papelaria e um vale-livro. Quem quiser participar, só correr aqui. ;-)

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

E para o blog tudo ou nada? TUDO!! Parabéns, Pequena Jornalista. Amo você e obrigada por me fazer tão feliz! Espero retribuir sempre. ♥


7
20.05.2020
* Uma pequena blogueira sem inspiração! ♥

Sabe aqueles dias que a gente não tem a menor ideia do que escrever no blog? Essa quarta-feira, dia 20 de maio, está sendo assim! Eu tenho um caderno com várias anotações, mas nenhuma fez sentido hoje.

Apaguei o título desse post umas quinze vezes e estou quase apagando pela 16ª vez! Pensei em falar sobre 5 fatos da quarentena, um top 5 de algum autor brasileiro ou uma wishlist literária nova. Talvez uma playlist rolasse… Mas não rolou!

Crédito da Imagem: vi no Google!

Pois é! Vida de blogger não é fácil. Eu amo o PJ e não o abandono por nada nesse mundo. Atualizo todos os dias com muito carinho e dedicação! E fico feliz com cada comentário e dá um orgulho a cada ponto final de um post e uma montagem prontinha!

Mas têm dias que são assim. A gente tem que respirar e ver que não é uma máquina de fazer posts. E tá tudo bem! Talvez esse tema, por incrível que pareça, vire um post da vida real. Não que as coisas que eu coloque aqui não sejam reais…. Ah! Vocês entenderam hahaha!

Enfim, é um textinho para mostrar que esses dias ocorrem com todos! Que não pode ser um gatilho para desanimar. Amanhã é um outro dia e a inspiração vai voltar. Assim espero!

Crédito da Imagem: Bia Pof!

Aproveito para pedir sugestões. Tanto de posts e o que fazer quando isso acontecer! Aliás, isso já aconteceu outras vezes, mas nem as minhas táticas (correr para o Pinterest, por exemplo) funcionaram! Então, quem quiser fica à vontade para acrescentar nos comentários as dicas. ;-)

É isso. Um post bem sincerão e de coração! ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo – Para pensar: Amanhã!
Fan Page ♥ Instagram  


10
07.04.2020
* 5 coisas que aprendi sendo Jornalista! ♥

Ei, Gente! :) Para quem não sabe, hoje é o Dia do Jornalista. E, sim, o nome desse blog não é por acaso! Me formei há quase 11 anos e apesar dos pesares, continuo fazendo uma das coisas que mais amo na vida: levar informação através da escrita. ♥

E como toda data, essa também tem o seu motivo. De acordo com o Portal da Imprensa, é uma homenagem ao jornalista Giovanni Battista Líbero Badaró, proprietário do Observador Constitucional. Aliás, esse meio de comunicação era a favor das ideias liberais e não curtia muito o reinado de Dom Pedro I, digamos assim. A propósito, Badaró foi morto e esse assassinato alavancou a crise que começava a tomar proporção no império de Dom Pedro I, fazendo com que o mesmo renunciasse no dia 7 de abril.

Confesso que não sabia dessa história e isso faz com que eu mais ame a minha profissão. Com ela, aprendo muito, todos os dias. ;-) Falando em aprendizados, trouxe cinco coisas que aprendi sendo Jornalista. Vamos lá?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

1. Não é uma profissão fácil. Muitas vezes, não somos valorizados. Principalmente, na parte financeira. Por isso, faça por amor. Claro que só isso não paga as contas… Sendo assim, antes de qualquer coisa, se valorize. Siga a sua intuição e veja o que cabe na sua realidade, mas independente de qualquer coisa, não deixe que te façam de gato e sapato. ;-)

2. O jornalismo de hoje não é o mesmo de ontem e, provavelmente, não será o de amanhã. Tudo muda, o tempo todo! É preciso se reinventar, estudar sempre. Se não, a gente fica para trás! Não é fácil, eu sei. Luto com esse fato quase todos os dias, mas é importante. Juro, juradinho!

3. Ok, há erros grotescos. Em contrapartida, a gente é ser humano e erra também. Por exemplo, todos os meus textos não saem de uma hora para outra. Reviso um milhão de vezes, mas pode ser que uma palavra saia errada ou que uma frase não faça sentido. E quer saber? Tá tudo bem. É importante que a cobrança não se destaque tanto. ;-)

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

4. Informar com leveza é a minha grande paixão. Aliás, criei o PJ com essa intenção. Escrever do meu jeitinho, sobre coisas que deixam a vida menos pesada. Porém, quando tenho de ser objetiva e seguir uma linha editorial diferente, vou fundo. Mas sempre tentando dar um toque menos pesado possível. E a sua forma de escrever não precisa ser a mesma do coleguinha! Cada um tem um jeito e se comparar só atrapalha, viu? Vai por mim!

5. Não sei se continua sendo assim, mas há séculos muitas pessoas ficavam chocadas quando eu falava que não queria ser a próxima Fátima Bernardes. Apesar de admirá-la, sempre gostei de escrever, estar dentro de uma redação de jornal (ou revista, ou site), mesmo em casa. Jornalismo têm diversas áreas e não necessariamente tem de ser em uma bancada de jornal em rede nacional. Mas se esse é o seu desejo, vai com tudo! E aqui vai uma dica: se for viável, experimenta mais de uma para ver qual que você se identifica mais! ♥

***

Acho que é isso, gente! :) Eu amo ser jornalista, mesmo que a profissão tenha me decepcionado algumas vezes. Já trabalhei em lugares que carrego para vida, outros que não quero nunca mais pisar! Mas independente, todos me ensinaram. São muitas histórias, pautas e frio na barriga por conta de deadline! Têm textos que dão orgulho, por mais que eu leia mil vezes. E são muitos bloquinhos, canetas e afins. A era digital tá aqui firme e forte, mas algumas manias são para sempre! ♥

Ainda não cheguei lá, mas espero que os sonhos nunca acabem. Quero alcançar um por um, mas hoje em dia de uma maneira mais pé no chão.

E se você sonha em ser jornalista, saiba que não é fácil, mas ninguém disse que seria, né? É preciso dedicação, amor, respeito e muito trabalho! Como qualquer profissão. E, do fundo do meu coração, torço para que esses aprendizados e palavras soltas te ajudem a trilhar o melhor caminho, independente da direção que desejar seguir.

Feliz dia! :) Para quem só se formou, para quem vive diariamente do jornalismo e para quem sonha. E obrigada a todos que me incentivam diariamente, principalmente: minha irmã Lulu, minha mãe, meu namorado e a minha eterna chefinha, a Ana Ioselli. Amo vocês! ♥

No mais, podem opinar à vontade! ^^

Beijos, Carol.

Post Antigo: Assessoria de Imprensa e 4 draminhas!
Fan Page ♥ Instagram  


10

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2021