15.02.2018
* PJ Leu: Sonhos em flor! ♥

Ei, Gente! E a dica literária da semana é Sonhos em flor, da autora Estelle Laure Esse romance, publicado pela editora Arqueiro (parceira do blog), é a continuação do livro Essa luz tão brilhante e aborda sobre a vida e a morte, mas de um jeito leve. Enfim, vamos lá? Boa resenha para vocês! ;-)

PJ Leu - Sonhos em FlorLivro: Sonhos em flor | Editora: Arqueiro | Autora: Estelle Laure
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Sinopse: Eden Jones tem 17 anos e o futuro todo planejado. Com o apoio dos pais amorosos, do irmão gêmeo e da melhor amiga Lucille, sonha em estudar em Nova York e se tornar uma grande bailarina. Mas  o destino tem outros planos e seu mundinho “perfeito” começa a desmoronar. Primeiro, o teste que fez para um balé importante não é nada daquilo que imaginou. Pelo contrário! Depois, perde o seu chão, quando descobre que Lucille e seu irmão estão namorando e ninguém conta para ela. Por fim, sofre um acidente, que a deixa em coma. Depois dessa experiência de quase morte, nossa protagonista, volta ao “normal” e depois de um tempinho recebe alta. Porém, voltar à rotina não é tão fácil quanto parece. Além de ter algumas restrições físicas e alimentares, Eden tem alucinações com flores negras e uma garota em coma na mesma ala do hospital, onde esteve internada. E como se não fosse o bastante, se apaixona por Joe, que tem uma ligação com a personagem que ela anda tendo “visões”. Então, inúmeras dúvidas surgem e nessa árdua caminhada, ela começa a entender que não ter o controle das coisas pode ser libertador. ;-)

Minha opinião: Eu jurava que a continuação do livro Essa luz tão brilhante, seria sobre a história da Lucille e da irmã de novo. Então, vem a escritora e me surpreende. E posso dizer? Adorei e, apesar de ter curtido o primeiro e esperar por respostas, a leitura desse fluiu muito mais. Eden me inspirou! Em nenhum momento se mostrou imatura, pelo menos não tanto quanto imaginei. Gosto de me colocar no lugar das personagens e acho que ela se saiu muito bem, mesmo depois de ter enfrentado essa experiência de quase morte. Falando nisso, já li alguns livros onde um dos temas era esse, mas o jeito que a autora colocou, foi diferente, natural e não assustou. Tem o poder de mexer positivamente com o leitor e traz uma mensagem incrível de que a gente tem que viver, independente dos maus momentos. A vida é assustadora, mas tem a sua beleza, que a gente não pode tapar com os problemas, sabem? Essa foi a lição mais valiosa que tirei dessa leitura leve e mágica. Além dessa, aprendi que algumas coisas não tão boas, realmente acontecem para o nosso bem.

E gostei que a Estelle (autora) foi bem pé no chão na construção da história. Conseguiu dar aquela floreada importante, mas sem viajar muito. Mesmo com as flores negras, alucinações e tal. Pelo contrário, fizeram total sentindo, pelo menos para mim. Faz a gente rever as nossas crenças de um jeito bom e necessário! Quanto aos personagens, não tem nenhum que eu excluiria. Todos são fundamentais para as perguntas de Eden. Mas os meus favoritos são o médico, a enfermeira e a psicóloga (vou levar esse conselho para a vida: cortar lenha e carregar água). Destaque também para os pais da nossa protagonista, que fazem jus à sinopse: mais amorosos, impossível. Em relação ao Joe e a Jaz, os dois merecem crédito por mostrar que não ter o controle dessa coisa chamada vida, pode realmente ser libertador. Aliás, tudo planejadinho, sem mexer em nada, tende a causar sofrimento em dobro.

Outros detalhes importantes: a capa é linda, gostei de saber um pouco do andar da carruagem da história da Lucille. Mesmo que por alto! E mais uma vez vi que amor de irmão é para sempre, mesmo com algumas brigas. E, por fim, meu momento #pirigueteliterária dessa resenha: Joe tem lugarzinho cativo na minha listinha de crushes literários. Amei a parte de agradecimentos do livro e a história acabou fazendo ainda mais sentido para mim. Dá para imaginar, que a escritora teve uma inspiração extra. E destaque para os títulos de cada capítulo e dos trechos de quase morte. Principalmente, no final. 

Enfim, leitura que meega recomendo, pessoal. E quem já leu, conta o que achou! ;-)

Beijos, Carol.

Para ler: Cinco histórias para acreditar no amor

Fan Page ♥  Instagram


3
05.02.2018
* Para assistir: Mudbound – Lágrimas sobre o Mississippi! ♥

Ei, Gente! :) Semana passada, participei da minha primeira Cabine de Imprensa (iei \o/), onde assisti, em primeira mão, o filme “Mudbound – Lágrimas sobre o Mississippi“. Para quem não sabe, ele está concorrendo a algumas categorias do Oscar, como melhor fotografia, atriz coadjuvante, entre outras. A história estreia no próximo dia 15, mas já vou adiantar um pouco do que vocês podem esperar. Vamos lá? ;-)

Mudbound - PJ - 1

Para começar, um resumo da história: Laura acredita ter tirado a sorte grande quando conhece Henry McAllan. Depois de um tempo, já casados e com duas filhas, eles se mudam para uma fazenda perto do Rio Mississippi. A adaptação não é nada fácil e eles contam com a ajuda de uma família negra: os Jackson, que são responsáveis pelo trabalho pesado com o plantio e a colheita. De cara, dá para perceber que as posições de ambas as famílias são diferentes e que apesar de não serem escravos, o respeito é bem maior da parte dos Jackson. Principalmente, em relação ao pai de Henry, o Poppy, que foi morar com eles e por ser branco, acredita ainda ter privilégios maiores no terreno e na sociedade. Nesse meio tempo, Jamie, irmão mais novo de Henry, volta da Guerra e fica amigo de Ronsell, um dos filhos da família negra, que também lutou na Guerra para defender o seu país. Afinal, os dois compartilham traumas dessa difícil fase que passaram. Porém, a amizade logo é questionada e vira alvo de conflitos, tanto de gêneros e classes sociais, que envolvem as duas famílias.

Mudbound - PJ - 2

É um filme bem pesado, gente. Totalmente fora do que, geralmente, eu gosto. Mas é rico em fatos históricos e faz com que a gente reflita sobre essa diferença de etnias, que ainda persiste, mesmo em pleno século XXI. Não foi indicado na categoria de melhor filme, porém, na minha humilde opinião, merecia. Estou torcendo para ganhar pelo menos em alguma outra! Os atores são incríveis, principalmente, os que interpretam Ronsell, Jamie e a mãe de Ronsell. Sério, ela é aquela clássica mulher forte, guerreira e inspiradora. E Laura não fica atrás, pensei que ela poderia ser cheia de mimimi, mas também carrega uma força além!

Quando vi o trailer, achei que poderia ser parado, mas é impossível não acompanhar cena por cena. Elas prendem a gente! Como disse, é uma história bem pesada, principalmente em algumas partes. Essas, dão um nó no estômago. Porque por mais que seja ficção, a gente sabe que isso aconteceu e acontece até hoje. É impressionante como o jeito que ambos são tratados no país, sendo que os dois lutaram pelo mesmo objetivo, é diferente. E como esse Jackson foi bem-vindo em um lugar que nem é a “casa” dele.

Não é um filme que me fez chorar, mas é impossível não sair da sala sem pensar nos assuntos abordados. Ainda bem que o final é surpreendente de uma forma boa, mesmo com tanta tragédia. Cada personagem ensina um pouco, até o que a gente não deve seguir de maneira alguma. Sem julgamento, porque é uma outra criação e época, mas mesmo assim, vale não retroceder e repensar nas atitudes. Falando nisso, o Poppy é um cara detestável e Henry também, mas acho que ele é mais “banana” do que uma pessoa totalmente cruel, sabem? Destaque para os diálogos entre Jamie e Ronsell e Laura e Florence. São ótimos e cheios de lições valiosas!

Crédito das Imagens: Adoro Cinema 

Ah! Preciso destacar também a fotografia do filme. É uma das histórias que mais me chamou atenção nesse quesito. Como sabia da indicação nessa categoria, fiquei de olho hahaha. E Mary J. Blige também deveria levar a estatueta de atriz coadjuvante. Como deu para perceber nessa “crítica”, eu adorei a personagem dela. Ok, que ainda não assisti a todos os indicados, mas, a princípio, essa é a minha opinião. Outro detalhe, não sei se perdi algum detalhe, mas algumas coisinhas ficaram meio no ar. Acredito que o livro deva ser mais completo. E fica a dica: quem tiver interesse, a Editora Arqueiro (parceira do blog e que me chamou para essa cabine de imprensa ♥) publicou essa história literária recentemente.

E aqui vai uma curiosidade: o filme foi produzido pela Netflix, mas aqui no Brasil a Diamond Films. Pelo que eu entendi, depois que sair de cartaz, vai passar na Netflix. Mas já adianto que vale assistir no cine, se tiver essa possibilidade. ;-)

É isso, pessoal. Anotem na agenda: dia 15 estreia Mudbound, um filme forte, mas que vale cada embrulho no estômago. Depois me contem o que acharam!

Beijos, Carol.

Para assistir: Extraordinário 

Fan Page ♥  Instagram


0
15.01.2018
* PJ Leu: A casa do lago! ♥

Ei, pessoal. :) E a primeira dica literária do ano é A casa do lago, da autora Kate Morton. O livro, publicado pela editora Arqueiro (parceira do blog), é um suspense de leve cheio de reviravoltas e que cada hora faz você achar uma coisa. Boa resenha! 

CasaDoLago_CapaWEBLivro: A casa do lago | Editora: Arqueiro | Autora: Kate Morton
Crédito da Imagem: Arqueiro

Sinopse: A casa da família Edevane está pronta para aguardada festa do solstício de 1933. Alice, uma jovem e promissora escritora, tem ainda motivos para comemorar: ela não só criou um desfecho surpreendente para seu primeiro livro como está secretamente apaixonada. Porém, à meia-noite, enquanto os fogos de artifício iluminam o céu, os Edevanes sofrem uma perda devastadora que os leva a deixar a casa do lago para sempre.

Setenta anos depois, após um caso problemático, a detetive Sadie Sparrow é obrigada a tirar uma licença e se retira para o chalé do avô na Cornualha. Certo dia, ela se depara com uma casa abandonada rodeada por um bosque e descobre a história de um bebê que desapareceu sem deixar rastros.

A investigação fará com que seu caminho se encontre com o de uma famosa escritora policial. Já uma senhora, Alice Edevane trama a vida de uma forma tão perfeita quanto seus livros, até que a detetive surge para fazer perguntas sobre seu passado, procurando desencavar uma complexa rede de segredos de que a escritora sempre tentou fugir.

Minha opinião: O livro demorou a me prender, por conta do tempo corrido e por ser um gênero literário que não estou muito acostumada. Mas valeu a pena sair da zona de conforto e embarcar nesse suspense. Quando ele me prendeu, não quis mais soltar até descobrir tudo tim tim por tim tim. Uma história cheia de reviravoltas e que muda até o último capítulo. Quando a gente acha que matou a charada, vem a autora com mais uma peça, que a gente nem sabia que existia. Os personagens são intrigantes, envolventes e que eu aprendi a não julgar.

Fala sobre julgamentos, mentes férteis, guerra, amores proibidos e incondicionais, como o de uma mãe por um filho. Até onde você iria por um? A gente aprende muito em relação a esse assunto. O amor por uma criança que você gerou, vai além. E não dá para julgar algumas atitudes, como certas ou erradas. É o que deu para fazer naquele momento, sabem? Enfim, lendo dá para entender melhor o que estou falando. O pai de Alice é uma peça fundamental e mostra como a Guerra pode destruir uma vida muito além. Marca para sempre e até fiquei com raiva dele, mas não dá para julgá-lo. Também curti as histórias adicionais e como elas ficam ligadas e ajudam no mistério central.

Têm coisas que não ficaram esclarecidas para mim, mas acho que a intenção da Kate Morton e deixar no ar mesmo. Talvez se eu lesse uma segunda vez, prestaria mais atenção nos mínimos detalhes. Aliás, detalhe é o que não pode faltar quando se trata de um suspense bem elaborado. E põe bem elaborado nisso. Sadie me conquistou e o avô dela também. Alice me intrigou e queria que a irmã dela tivesse mais presença no livro. O braço direito da quase protagonista, Peter, é um dos meus personagens preferidos.

Se eu recomendo esse livro? Com certeza! Principalmente, se você não resiste a um bom suspense. Não é muito fã do gênero? Vai por mim: dar uma chance, vai fazer você aprender lições ou só mesmo despertar o seu lado detetive. Acho que todo mundo tem um! ;-)

Beijos, Carol.

Para ler: Uma história de verão 

Fan Page ♥ Instagram 


1
12.01.2018
* Top 5: Julia Quinn! ♥

Ei, Gente! :) A diva do gênero romance de época está comemorando mais uma primavera hoje: Julia Quinn! Então, nada mais justo que o top 5 da vez seja dos livros dela, né? Provavelmente você não vai ler esse post, mas desejo toda felicidade do mundo e muito criatividade para criar histórias incríveis e crushs que arrancam suspiros. Parabéns! \o/ E é isso. Bom post, gente!

Post - Top 5 - Julia Quinn - PJTop 5 Julia Quinn e Pequena Tiete na última imagem. ;-)
Crédito das Imagens: Editora Arqueiro e Pequena Jornalista

Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

1. O Duque e Eu (Arqueiro – Série Os Bridgertons) 
Sinopse: Simon Basset, o irresistível duque de Hastings, acaba de retornar a Londres depois de seis anos viajando pelo mundo. Ele é um prato cheio para as mães da alta sociedade, que só pensam em arrumar um bom partido para suas filhas. Simon, porém, tem o firme propósito de nunca se casar. Assim, para se livrar das garras dessas mulheres, precisa de um plano infalível. É quando entra em cena Daphne Bridgerton, uma das irmãs de seu melhor amigo. Apesar de ser dona de uma personalidade marcante, todos os homens que se interessam por ela são velhos demais, pouco inteligentes ou destruídos de qualquer tipo de charme. E os que têm potencial para ser bons maridos só a veem como uma boa amiga. A ideia de Simon é fingir que a corteja. Dessa forma, ele conseguirá afastar as jovens obcecadas por um marido e atrairá vários pretendentes para Daphne. Afinal, se um duque está interessado nela, a jovem deve ter mais atrativos do que aparenta. Em contrapartida, à medida que a farsa dos dois se enrola, o sorriso e os olhos cheios de desejo de Simon tornam cada vez mais difícil para Daphne lembrar que tudo não passa de fingimento.

Observação da Pequena: Foi o meu primeiro contato com a autora e entendi um pouco o motivo dela ser a rainha dos romances de época! Quem quiser saber mais sobre a história, só clicar aqui. Inclusive, nesse post tem uma mini entrevista que fiz com a própria Julia, quando ela veio ao Brasil.

2. Como agarrar uma herdeira (Arqueiro – Série Agentes da Coroa) 
Sinopse: Quando Caroline Trent é sequestrada por engano por Blake Ravenscroft, não faz o menor esforço para se libertar das garras do agente perigosamente sedutor. Afinal, está mesmo querendo escapar do casamento forçado com um homem que só se interessa pela fortuna que ela herdou. Blake a confundiu com a famosa espiã espanhola Carlotta De Leon, e Caroline não vai se preocupar em esclarecer nada até completar 21 anos, dali a seis semanas, quando passará a controlar a própria herança milionária. Enquanto isso, é muito mais conveniente ficar escondida ao lado desse sequestrador misterioso. A missão de Blake era levar “Carlotta” à justiça, e não se apaixonar por ela. Depois de anos de intriga e espionagem a serviço da Coroa, o coração dele ficou frio e insensível, mas essa prisioneira se prova uma verdadeira tentação que o desarma completamente.

Observação da Pequena: E o tanto que eu amo essa história? Sério, Julia Quinn me conquistou de verdade com esse livro! Tem resenha desse e do segundo da série aqui e aqui.

3. Simplesmente o Paraíso (Arqueiro – Quarteto Smythe-Smith)
Sinopse: Honoria Smythe-Smith sabe que, para ser uma violinista ruim, ainda precisa melhorar muito…. Mesmo assim, nunca deixaria de se apresentar no concerto anual das Smythe-Smiths. Ela adora ensaiar com as três primas para manter essa tradição que já dura quase duas décadas entre as jovens solteiras da família. Além disso, de nada adiantaria se lamentar, então Honoria coloca um sorriso no rosto e se exibe no recital mais desafinado da Inglaterra, na esperança de que algum belo cavalheiro na plateia esteja em busca de uma esposa, não de uma musicista. Já Marcus Holroyd foi encarregado de uma missão: ao deixar o país, seu melhor amigo, Daniel, o fez prometer que vigiaria sua irmã Honoria, impedindo que a moça se casasse com pretendentes inadequados. O problema é que ninguém lhe parece bom o bastante para ela. Aos olhos de Marcus, um marido para Honoria precisaria conhecê-la muito bem. Será que o homem ideal para Honoria é justamente o que sempre esteve ao seu lado afastando todo e qualquer pretendente?

Observação da Pequena: É o primeiro da série e acho que vou adorar. Na verdade, eu já adoro, pois foi o livro que ganhei um autógrafo da autora. Então, tem aquele valor mega especial. Pretendo ler ainda esse ano e assim que eu terminar, conto para vocês! :)

4. Lady Whistledown contra-ataca (Arqueiro – Julia e outras autoras) 
Sinopse: Com a participação especial da famosa cronista da sociedade criada por Julia Quinn, “Lady Whistledown contra-ataca” contém quatro curtas histórias sobre um roubo de uma pulseira milionária. Os contos são como pérolas que se unem e formam uma peça de valor inestimável. Então: quem roubou o bracelete de lady Neeley? O caça-dotes, o apostador, a criada ou o libertino? Londres está fervendo com as especulações, mas, se ainda restam muitas dúvidas, pelo menos uma coisa é certa: um desses quatro está envolvido no crime.

Observação da Pequena:  Acho que deve ser bem engraçadinho esse livro e é uma ótima forma de conhecer outras autoras também, como Mia Ryan, Suzanne Enoch e Karen Hawkins.

5. Mais lindo que a Lua (Arqueiro – Série Irmãs Lyndon) 
Sinopse:  Essa é a história de Victoria Lyndon e Robert Kemble, que se apaixonaram, mas contra a vontade dos pais, tiverem que se separar quando o plano de fuga não deu certo. Sete anos depois, os dois se reencontram e percebem que ainda sentem algo. Algumas coisas acontecem e até proposta peculiar, dela trabalhar para ele como amante dele, rola. A pergunta que fica: será que dois corações feridos serão capazes de perdoar e permitir se entregar ao amor mais uma vez? ;-)

Observação da Pequena: Esse é o último lançamento, até o momento, da Julia pela editora Arqueiro. Amei a capa e pelo pouco que sei do livro, acho que vou amar e suspirar muito!

***

É isso, gente! Claro, que se tratando da Julia Quinn, livro é o que não falta. Ainda tem um milhão na minha listinha! Mas quero saber: qual é o top 5 de vocês?
E um recadinho mega importante: semana que vem o blog volta com a rotina de posts de 2ª a 6ª, ok? ;-)

Beijos, Carol.

Para ler – Top 5: Babi Dewet

Fan Page ♥ Instagram


1
22.11.2017
* PJ Leu: Fazendo as pazes com o corpo! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária do dia é Fazendo as pazes com o corpo, da Daiana Garbin. O livro, publicado pela editora Sextante (parceira do blog), conta a jornada da autora para vencer a relação doentia com a comida e a obsessão pela forma perfeita. Desde já, recomendo a leitura para todos, independente se você tem algum tipo de transtorno alimentar ou não. Enfim, vamos lá? Boa resenha! 

PJ Leu - Fazendo as pazes com o corpoLivro: Fazendo as pazes com o corpo | Editora: Sextante | Autora: Daiana Garbin

Sinopse: Daiana Garbin passou 22 anos odiando o próprio corpo. Sentia-se eternamente inadequada, deseja ser reta, seca. Só pele e osso. Tinha vergonha de si mesma e de seu descontrole diante da comida. Encarou dietas hiper-restritivas, passou por três cirurgias plásticas, fez procedimentos estéticos agressivos e ficou viciada em remédios para emagrecer. Sempre acreditando que um corpo magro lhe traria paz e felicidade. Foi só depois de muito sofrimento que ela descobriu que a insatisfação profunda que sentia em relação ao corpo não era vaidade nem frescura: era doença.

Diagnosticada com transtorno alimentar, a autora decidiu compartilhar sua história para ajudar as pessoas que sofrem em silêncio por querer se enquadrar em padrões inatingíveis e acabam deixando de aproveitar a própria vida. Ela revela o longo caminho que percorreu para aprender a ficar em paz com o corpo e com a comida. Os altos e baixos, o que deu certo, o que deu errado. As vezes que quis jogar tudo para o alto e o momento em que percebeu que existia uma saída.

Um livro que traz entrevistas com especialistas na área, desde nutricionistas até psiquiatras. Faz com que o leitor pense sobre os perigos alimentares, o lado nocivo das redes sociais e o padrão de beleza irreal que a mídia impõe. Além disso, mostra como a autocompaixão pode ajudar no processo da cura. Que aliás, é um exercício diário!

Minha opinião: Desde o dia que teve o encontro de livreiros da Arqueiro e Sextante, pensei: preciso ler o livro dessa autora! Conheço pessoas que sofrem de transtorno alimentar e eu queria entender mais e ter uma noção de como ajudar. Além do mais, no mundo de hoje, onde na maioria das vezes o padrão da beleza fala mais alto,  imaginei que o livro poderia abrir meus olhos também. E não me enganei. A Daiana fala a verdade nua e crua, mas sem ser cruel e  colocando panos quentes. Ela mostra a realidade, mas dando o carinho e apoio que são tão importantes para quem passa por isso. Ela não te dá a fórmula mágica para a “cura”, porém, conta que você não está sozinho e que seu problema tem uma solução. Só que é um um exercício diário! Não é da noite para o dia que as coisas mudam. Mas só de enxergar que algo está fora do eixo, já é um grande caminho.

Com a leitura, aprendi que não há mal algum em querer se sentir bem, mudar coisas que incomodam. Entretanto, o exagero, a busca pela perfeição, não é nada saudável. Aliás, essa palavra “perfeito” não existe! Ela é linda na teoria, mas na prática pode tornar sua vida um transtorno, no sentido literal mesmo. E por experiência própria: a gente tem que parar de achar que uma pessoa magra é mais feliz. Quando ganhei uns quilinhos a mais, passei a me sentir mais segura. Não foi de propósito, mas aconteceu. Óbvio que têm aqueles dias que uma coisinha me incomoda aqui e ali, mas acontece. E com esse livro me toquei mais ainda que tudo bem ter esses dias.

PJ Leu - Fazendo as pazes com o corpo - 2Aprendizados! 

Fazendo as pazes com o corpo me mostrou ainda mais que o equilíbrio é a palavra-chave. Restrição que não tenha a ver com saúde, só faz mal. Ir numa festa e negar um bolo de chocolate com um refri, sem precisar de fato, só para seguir um padrão, não faz sentido. Mas claro que comer isso todo santo dia, toda hora, não vai ser saudável. É o equilíbrio que faz toda a diferença. E a gente tem que tentar praticar diariamente essa palavra! E saber que não é fácil, mas não é impossível. Também reforcei um aprendizado:  quando temos um problema, não é vergonhoso procurar por ajuda. Pode acreditar, essa atitude só vai fazer bem, por incrível que pareça. E, por fim, siga e esteja ao lado de quem te inspira. Não quem te faz se sentir uma pessoa inferior.

Para mim, a leitura fluiu. Porém, pode ser que para alguns leitores, ela seja mais difícil. Afinal, ler o que acontece exatamente com você, não deve ser nada fácil. Mas não desista. Vale cada palavrinha! Destaque para o capítulo 4, que mais me marcou. E o prefácio: um dos melhores que já li. Enfim, do começo ao fim, é aquela leitura que vale a pena. Tendo ou não transtorno. Conhecendo ou não alguém que passe por isso. Essa história mostra que precisamos urgentemente rever nossos conceitos. Em todos os sentidos, principalmente no de padrão de beleza! Obrigada, Daiana. Que a sua história inspire todo mundo. Ela me inspirou e me marcou! 

***

Já leu? Conta o que achou. Ainda não? MEGA RECOMENDO!

Ah!! Essa semana vou postar uma entrevista mega bacana com ela. ;-)

Beijos, Carol.


1

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2018