11.06.2020
* PJ Entrevista: Sandro Muniz! ♥

Ei, Gente! :) Para o feriado, trouxe uma entrevista com o escritor (brasileiro) Sandro Muniz, autor do livro “Solo Raso“, que participou do Prêmio Kindle. \o/ Enfim, conversamos sobre as suas inspirações para escrever essa história, por qual motivo você deve embarcar nela, entre outros temas do mundinho literário. Vamos lá? ♥

PJ Entrevista: Sandro Muniz
Crédito da Imagem: Sandro Muniz
:)

1. Hora de vender o seu peixe: por que as pessoas devem ler “Solo Raso”?
R: As pessoas devem ler “Solo Raso” porque ele mostra uma realidade de
opressão e superação que homens e mulheres passaram e passam. E, infelizmente, é tão atual. Quando escrevo quero que as pessoas se esqueçam que estão lendo um texto e vivenciem aquilo na imaginação e nas emoções. Acredito que é um livro fluído e que deixa o leitor preso para saber onde tudo aquilo vai dar.

2. Curiosidades sobre o livro que quase ninguém saiba.
R: A primeira batalha naval da 2ª Guerra Mundial houve de fato ao lado do Brasil, na rota do Rio da Prata para Europa. Já o personagem Ceolfrido é uma alusão ao Ceolfrid, que foi um abade inglês. Inclusive, ele encomendou três bíblias lá pelos idos do século VII e VIII. Aliás, hoje a Bíblia de Ceolfrid é uma das mais antigas do mundo! Outra curiosidade: existiram locais na Europa, durante a Segunda Guerra Mundial, em que a mulher era forçada a participar do projeto “Lebensborn”, com o objetivo de fazê-la gerar crianças arianas puras, mas muitas das vezes era usada apenas para diversão dos oficiais alemães. Por fim, a ideia que eu tive foi tão forte a ponto de anos depois decidir morar em uma ilha no meio do Atlântico… O que acabou enriquecendo o texto.

3. O que te levou a escrever sobre o tema? E como foi o processo de escrita?
R: Tive essa ideia há mais de uma década e ela não me abandonou durante anos e só me “livrei” quando publiquei o livro. Aliás, temas como florestas, ilhas, histórias e casos do povo brasileiro sempre me atraíram. Adorava ficar ouvindo a minha avó Encarnacion contando tantas histórias antigas.

Quanto ao processo, funciona assim: após a ideia central, a minha mente foca naquilo. No caso de “Solo Raso”, acumulei dados durantes anos. Então, chega uma hora que esse material todo se transforma em minha mente em algo que faz sentido. Costumo acreditar que a escrita é 99% trabalho e 1% inspiração, ou menos. Então chega-se a hora de escrever. E geralmente é quando todos já foram dormir, lá pelas 21hs (agora na quarentena tem sido mais tarde). Não tem jeito, para escrever tem que escrever. Como disse Stephen King “uma palavra de cada vez”.

Me condiciono a escrever pelo menos uma hora e meia por dia no projeto
livro, se eu não escrever em um dia eu acumulo e no próximo dia tenho
que fazer o dobro do programado. Apenas isso, não há escapatória.
Disciplina é liberdade para mim. E geralmente não paro nem nos fins de semana. Após o término, deixo-o adormecendo (MENTIRAAAA) por um
tempo antes da revisão. Preciso de prazos, mesmo que autoimpostos. O “Solo Raso” era a data do prêmio Kindle…

4. Se pudesse dar três dicas de ouro para futuros escritores, quais seriam?
R: Não tenham pressa, se tiver tente escrever contos. Geralmente o jovem
não tem muito estofo para criar um romance, mas a literatura está
cheia de exceções. Contrate um bom revisor de texto. Anote todas as ideias possíveis e não deixe passar. Depois brinque com elas, inverta, acrescente o passado, o futuro, junte outros personagens que você já tenha anotado, deixe eles numa sala sozinhos. E após, esqueça tudo. Deixe o seu cérebro usar o subconsciente com tudo isso. Muitas das vezes, como diz Ray Bradbury, “é um escritor sábio que conhece o seu próprio subconsciente”. Escrever é viver, e ambos devem ser feitos com entusiasmo. Leia muito e de tudo. Escreva muito. Corte o cabo da televisão e desligue o wifi.

5. Ocorreu um incêndio na sua biblioteca: três livros que salvaria (não pode ser o seu rsrs)?
R: É difícil, pois acho que até alguns livros que não atraem muita gente,
têm seus valores… Eu acho que levaria um monte de água para apagar
parte do fogo e pegar o máximo de livros rsrsrs… Mas aqui estão três de supetão: “Contos de amor rasgados” (Marina Colassanti), “Quincas Borba” (Machado de Assis) e “Famílias Terrivelmente Felizes” (Marçal Aquino).

***

É isso, pessoal. Muito obrigada, Sandro! Adorei a entrevista, que a propósito sempre me inspiram no sonho de tirar as ideias da mente e colocá-las no papel e, finalmente, escrever livros. Fora isso, achei os detalhes históricos bem ricos! Quem quiser embarcar na leitura, é só clicar na imagem abaixo. Quer falar com o autor protagonista do post de hoje? Entra aqui e aqui. No mais, podem opinar à vontade. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Entrevista – Fernando Abreu
Fan Page ♥  Instagram 


4
06.02.2020
* PJ Leu: Mulheres não são chatas, Mulheres estão exaustas! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é “Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas“, da Ruth Manus. Um livro que aborda sobre direitos, trabalho, família e outras questões turbulentas da mulher em pleno século XXI. Boa resenha para vocês! ♥

Livro: Mulheres não são chatas, Mulheres estão exaustas | Editora: Sextante | Autora: Ruth Manus
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: Diariamente a gente se depara com comentários que somos chatas. Mas na realidade, estamos exaustas. Afinal, carregamos pesos que não deveríamos carregar. E é nesse livro que a Ruth Manus aborda sobre inúmeros tormentos que carregamos em pleno século XXI.

A pressão vem de diversos lados: família, carreira, amor, lutar pelos direitos e muitos outros. Mas de forma simples e, ao mesmo tempo, profunda, a autora consegue fazer com que todos reflitam e questionem preconceitos e incertezas. :)

Opinião da Pequena: No comecinho do ano, terminei de ler o livro “Corajosa sim, Perfeita não” e, como disse na resenha, ele plantou uma sementinha de que eu não preciso de perfeição. E aí veio “Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas” e ajudou a regar essa plantinha que vem crescendo aos pouquinhos. Então, desde já, obrigada Ruth.

Agora vamos lá: é um livro que a gente devora. Com uma escrita leve, a autora consegue trazer assuntos profundos, que são mais do que necessários no nosso dia a dia. Ela pondera cada capítulo e jamais julga. Porém, sabe exatamente onde “meter a colher”.

Traz o feminismo e mais uma vez mostra que jamais essa palavra tem de ser o oposto do machismo. É a busca pela igualdade, que a propósito traz benefícios a todos. ;) Aponta questões que trazem exaustão, como trabalho, família, beleza, autoestima, entre outros.

Aliás, não somos chatas, temos total direito de expor a nossa opinião e é importante lutarmos nos simples detalhes para esse cansaço ir embora aos poucos! Por exemplo, parar de pedir de desculpa por tudo e saber que tá tudo bem ser a gente. Falando nisso, nem sempre precisamos ser a nossa melhor versão. Nem sempre é possível e ok! :)

Claro que as coisas não mudam da noite para o dia. Assim como no outro livro da Ruth, acho que é aquela leitura que volta e meia a gente tem que pegar na estante e reler inúmeras vezes.

Enfim, curti muito e indico a todos, inclusive ao público masculino! E quanto à capa: perfeita! ;-)

No mais, podem opinar à vontade. ^^

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu: Um dia ainda vamos rir de tudo isso
Fan Page ♥ Instagram  


2
29.01.2020
* Top 3 Literário: Ruth Manus! ♥

Ei, Gente! :) Normalmente, eu faço um Top 5 de livros de autores ou de algum tema e tal. Mas esse ano resolvi mudar. Vou revezar. Podem entrar 3 ou 5 histórias de escritores nacionais ou de fora, combinado? E para dar início: selecionei 3 livros da Ruth Manus, que é brasileira, mas atualmente mora em Portugal. Vamos lá? Bom post! ♥

Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

1. Pega lá uma chave de fenda (Editora Benvirá)
Sinopse:
Uma coletânea de textos, onde a autora fala sobre o amor romântico, o amor carnal e, claro, o amor-próprio. Mas sem muito clichê! Ela vê amor em lugares peculiares, que vão desde carrinhos de supermercado até canjas de galinhas. ;-)
Observação da Pequena: Se eu não me engano, esse foi o primeiro livro da Ruth. E olha o título? AMEI. E como a escrita dela me ganhou recentemente, quero embarcar nesses textos também. Quem quiser saber mais, é só clicar aqui.

2. Um dia ainda vamos rir de tudo isso (Editora Sextante)
Sinopse:
Mais uma coletânea de crônicas escritas por ela, que a propósito é advogada e professora de Direito do Trabalho e Direito Internacional. Ruth fala de tudo um pouco, desde assuntos banais, temas sobre machismo, padrões estéticos, família, Portugal, amor, amizade e muito mais. Textos que nos dão a certeza de que sim: um dia ainda vamos rir de tudo isso e levar aprendizados para a vida toda!
Observação da Pequena: Foi o meu primeiro contato com a autora e eu amei cada capítulo, mesmo com algumas ressalvas. E para quem quiser saber mais, é só clicar aqui e aqui.

3. Mulheres não são chatas, mulheres estão exaustas (Editora Sextante)
Sinopse:
Por que estamos tão cansadas? Por que sentimos que o mundo está pendurado nos nossos ombros? Por que ainda temos tantos medos e tantas dúvidas, mesmo nos assuntos mais básicos? Por que ainda pensamos tantas vezes antes de dizer alguma coisa? Por quê tantas coisas… Só de pensar em algumas questões, a exaustão bate, mas sabia que pode ser mais leve? Com alguns textos e questionamentos da autora é possível trilhar esse caminho.
Observação da Pequena: É a minha leitura atual. Ainda estou no comecinho, mas acho que vai ser bem útil. Porque o título resume muita coisa e acho que com a escrita da Ruth dá para perceber que a gente pode estar um passo da tão sonhada leveza! Assim que eu terminar, faço resenha. Quer saber mais? Só clicar aqui.

***

É isso, pessoal. Ela tem mais livro, mas esses foram os selecionados! Os outros são mais da área de Direito e falando sobre Portugal, pelo que eu vi. Enfim, mega recomendo para quem gosta de crônica e tem a mente aberta para aprender com histórias assim! :) No mais, podem opinar à vontade! E me contem: quem vocês querem ver nesse Top 5 ou 3 (pode ser tema ou autor, ok?)?

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: Top 4 Literário – Girl Power
Fan Page ♥  Instagram


2
02.01.2020
* Retrospectiva literária 2019! ♥

Ei, Gente! :) 2019 chegou ao fim e eu nem passei aqui para dar “adeus ano velho, feliz ano novo”. Mil perdões!! É que ano passado não foi o dos melhores rolês da minha vida e acabei não conseguindo dar tanta atenção ao blog como eu gostaria. Ainda bem que 2020 chegou e essa sensação de recomeço me anima bastante! ♥

* Crédito da imagem: Pequena Jornalista ♥

Então, mesmo com um pequeno delay, acho que dá tempo de fazer uma retrô literária de 2019, né? Aliás, no quesito livros, acho que li bastante história boa. E para variar, aprendi, me emocionei, me identifiquei, fiquei revolts, suspirei e um monte de sensação que todo leitor que se preze sente.

Vamos lá? Com vocês: os 23 livros que me acompanharam ano passado. Boa leitura! =)

1. 9 Minutos com Blenda
2. Adulta sim, madura nem sempre.
3. Lendo de cabeça para baixo
4. Um verão na Itália
5. Celular, doce lar
6. Ho’oponopono: para todos os dias
7. Corra, Abby, Corra
8. Um noite com Grace Kelly
9. A pequena livraria dos sonhos
10. Confissões de uma terapeuta
11. Garota, pare de mentir pra você mesma
12. A casa dos novos começos
13. Te devo uma
14. Romance concreto
15. Desencontros à beira-mar
16. Teto para dois
17. Confissões de uma garota linda, popular e (secretamente) infeliz
18. A fada mamãe e eu
19. Quando não há palavras
20. A padaria dos finais felizes
21. O café da praia
22. Meu crush de Nova York
23. Onde mora o amor (ainda vai sair resenha ^^)

Todas as resenhas vocês encontram aqui no PJ. É só clicar em cima do nome do livro, ok? Eu fiquei feliz que consegui ler bastante autor nacional e amei a série de livros “Romances de hoje”. da editora Arqueiro (eterna parceira do blog ♥). Teve livro que me identifiquei mais e outros quis abandonar no meio do caminho hahaha (quem nunca?). E tiveram aquelas histórias que entraram para o meu Top 5 de livros queridinhos. Quais são? Tcharam….

*Crédito da imagem: Pequena Jornalista ♥

Todos os livros me marcaram de uma forma ou de outra. Mas esses cinco merecem destaque. ♥ Garota, pare de mentir pra você mesma, da Rachel Hollis, me ensinou que a grama do vizinho quase nunca é mais verde que a nossa. Adulta sim, madura nem sempre. da Camila Fremder, me fez dar boas risadas e me senti acolhida nesse mundo de adultos. Teto para dois, da Beth O’Leary, me surpreendeu desde o 1º momento. Confissões de uma terapeuta, da Renata Lustosa é aquele nacional que tem de ler, principalmente, se você ama chick-lit. E A casa dos novos começos, da Lucy Diamond, é aquele romance inspirador e que faz jus a palavra “recomeço”. =)

É isso, pessoal. Desejo que 2020 seja repleto de deliciosas histórias. Independente do gênero e da quantidade. O importante é ler, ok? Comece aos poucos e leia. Porque essa palavrinha, por menor que seja, faz a real diferença no seu, no meu, no nosso mundo! ♥

*Crédito da imagem: Bia Pof ♥

Agora me contem: quais livros marcaram vocês durante 2019? E o que pretendem ler em 2020?

Beijos, Carol.

Post Antigo: Retrô Literária 2018
Fan Page ♥  Instagram 


2
16.12.2019
* Top 5: leituras natalinas! ♥

Ei, Gente! :) Como estamos em dezembro, resolvi fazer um top 5 de livros/contos natalinos. Para quem ama Natal ou quer entrar no clima! Então, vamos lá? Tem opção da Amazon e do Wattpad também. E, claro, autores gringos e nacionais. Espero que gostem. Bom post e boa leitura! 

PJ - Top 5 Leituras Natalinas - 2Crédito das Imagens: Amazon e Wattpad 
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

1. Pra sempre Natal (Gleice Couto) 
Sinopse: Carolina não gostava de Natal. Muitas coisas ligadas à data não faziam sentido. Quando criança, por exemplo, não entendia como Papai Noel vestia roupas tão quentes no calor insuportável do Rio de Janeiro. Também não entendia como o bom velhinho deixava presentes tão grandes em meias tamanho 30, nem como entrava na sua casa descendo uma chaminé que não tinha. Carol cresceu, descobriu que Papai Noel realmente não existia, mas ainda buscava explicar o mundo ao seu redor. Por que seus pais brigavam? Por que suas primas a odiavam? Por que namorou um idiota? Por que se apaixonou por Anael? Com o passar dos anos (e dos Natais), Carolina perceberia que nem toda pergunta tem uma resposta certa. O Natal guardava muito mais segredos e milagres do que imaginava, e que, talvez, não seria de todo ruim se fosse Pra Sempre Natal.
Observação da Pequena: Tem como não amar essa capa? E a história deve ser aquela que prende do início ao fim. O mais legal é que a autora é carioca! Amei. Quem quiser saber mais, clique aqui.

2. As luzes de Natal (Fernando Mercadante) 
Sinopse: E se você achasse que a sua vida era perfeita, mesmo faltando uma parte de sua história?
Observação da Pequena: Esse conto está disponível no Wattpad e é do Fernando Mercadante. Não tem muita informação, mas às vezes uma leitura surpresa e que tem Natal do meio fica melhor ainda, né? Para quem quiser ler, é só clicar aqui.

3. Estarei em casa para o Natal (Vários autores) 
Sinopse: O que poderia acontecer em uma véspera de Natal? Por trás de um coração, existe inúmeros sentimentos e vontades. Nessa antologia, cada um dos autores (nacionais) vai mostrar que o Natal vai além de uma data comemorativa, mas é a representação de amor, união e amizade.
Observação da Pequena Jornalista: Eu amo esses livros de contos que dá para conhecer um pouco da escrita de cada autora. E nessa antologia tem muito autor legal, como a Raffa Fustagno e a Teca Machado. Quem quiser ler, é só clicar aqui.

PJ - Top 5 Leituras Natalinas - 1Crédito das Imagens: Amazon
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

4. Em casa para o Natal (Cally Taylor) 
Sinopse: Ela tem a vida quase perfeita. Seu único desgosto é nunca ter ouvido as três palavras mágicas: eu amo você. Beth Prince sempre adorou contos de fadas e acredita que está prestes a viver um final feliz: tem o emprego dos sonhos em um charmoso cinema independente e um namorado maravilhoso chamado Aiden. Ela faz parte de um grupo privilegiado de pessoas que trabalha com o que ama, e o entusiasmo pelos filmes intensifica a busca por seu próprio “felizes para sempre”. Só há um problema: nenhum homem jamais declarou seu amor por ela. E, apesar de acreditar que Aiden é o príncipe encantado, a protagonista desconfia de que ele tem medo de dizer “eu amo você”. Desesperada para escutar essas palavras mágicas pela primeira vez, ela resolve assumir as rédeas do destino — e acaba se arrependendo.
Observação da Pequena: Não está na sinopse adaptada, mas o pano de fundo para essa comédia é o Natal. Ai torna esse chick lit ainda mais mágico, né? Para quem quiser saber mais, é só clicar aqui. E que capa é essa, gente???

5. Os delírios de Natal de Becky Bloom (Sophie Kinsella) 
Sinopse: Becky Bloom está de volta e com uma missão: fazer um Natal inesquecível! Becky Brandon (nascida Bloomwood) adora o Natal. A família se reúne na casa dos pais dela, eles ouvem canções natalinas, sua mãe finge ter feito a sobremesa e os vizinhos chegam para tomar uma taça de xerez usando suéteres horríveis de Natal… Pelo menos agora, com a internet, as coisas ficaram mais fáceis. Todos os sites estão em promoção. Além disso, se as suas compras passarem de determinado valor, você ainda ganha frete grátis! E, nessa época, as vitrines estão brilhando, convidativas, cheias de descontos! Mas as coisas serão um pouco diferentes esse ano… Sem conseguir resistir aos apelos da cerveja artesanal e do creme de abacate, os pais de Becky acabam se mudando para Shoreditch, um bairro super da moda, e pedem à filha que organize o almoço de Natal pela primeira vez. Combinado. Afinal, o que poderia dar errado? Becky é perfeitamente capaz de organizar um almoço maravilhoso, não é? Mas ela tem de atender a algumas demandas bem específicas, como providenciar um peru vegano para a irmã, um presente perfeito para Luke e um mimo para sua filha Minnie (se ela conseguir entender o que a garotinha realmente quer ganhar). Ah, e ainda tem um ex-namorado dela que surgiu do nada, cheio de segundas intenções, e com a nova e controladora namorada dele. Mas Becky vai tirar tudo de letra. Será?
Observação da Pequena: O livro está aqui em casa, mas embrulhado e com a seguinte mensagem do meu namorado “Só pode abrir dia 25 de dezembro” hahaha “/. Ele até me liberou abrir, mas acho que no fundo ele quer que eu abra só nesse dia mesmo, então… Acho que só vou conseguir ler no dia do Natal. Mas qualquer novidade, aviso. hahaha =D E quem quiser saber mais, é só clicar aqui.

***

Ainda não li nenhum, mas estou mega ansiosa para terminar a leitura atual e embarcar em alguma dessas histórias. Quem sabe mais de uma?
E vocês: gostam de histórias de Natal? Quem quiser indicar livros/contos com o tema, fique à vontade para acrescentar nos comentários!

Beijos, Carol.  

Post Antigo: Top 5 – Livros de Natal

Fan Page ♥ Instagram  


1

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020