15.01.2018
* PJ Leu: A casa do lago! ♥

Ei, pessoal. :) E a primeira dica literária do ano é A casa do lago, da autora Kate Morton. O livro, publicado pela editora Arqueiro (parceira do blog), é um suspense de leve cheio de reviravoltas e que cada hora faz você achar uma coisa. Boa resenha! 

CasaDoLago_CapaWEBLivro: A casa do lago | Editora: Arqueiro | Autora: Kate Morton
Crédito da Imagem: Arqueiro

Sinopse: A casa da família Edevane está pronta para aguardada festa do solstício de 1933. Alice, uma jovem e promissora escritora, tem ainda motivos para comemorar: ela não só criou um desfecho surpreendente para seu primeiro livro como está secretamente apaixonada. Porém, à meia-noite, enquanto os fogos de artifício iluminam o céu, os Edevanes sofrem uma perda devastadora que os leva a deixar a casa do lago para sempre.

Setenta anos depois, após um caso problemático, a detetive Sadie Sparrow é obrigada a tirar uma licença e se retira para o chalé do avô na Cornualha. Certo dia, ela se depara com uma casa abandonada rodeada por um bosque e descobre a história de um bebê que desapareceu sem deixar rastros.

A investigação fará com que seu caminho se encontre com o de uma famosa escritora policial. Já uma senhora, Alice Edevane trama a vida de uma forma tão perfeita quanto seus livros, até que a detetive surge para fazer perguntas sobre seu passado, procurando desencavar uma complexa rede de segredos de que a escritora sempre tentou fugir.

Minha opinião: O livro demorou a me prender, por conta do tempo corrido e por ser um gênero literário que não estou muito acostumada. Mas valeu a pena sair da zona de conforto e embarcar nesse suspense. Quando ele me prendeu, não quis mais soltar até descobrir tudo tim tim por tim tim. Uma história cheia de reviravoltas e que muda até o último capítulo. Quando a gente acha que matou a charada, vem a autora com mais uma peça, que a gente nem sabia que existia. Os personagens são intrigantes, envolventes e que eu aprendi a não julgar.

Fala sobre julgamentos, mentes férteis, guerra, amores proibidos e incondicionais, como o de uma mãe por um filho. Até onde você iria por um? A gente aprende muito em relação a esse assunto. O amor por uma criança que você gerou, vai além. E não dá para julgar algumas atitudes, como certas ou erradas. É o que deu para fazer naquele momento, sabem? Enfim, lendo dá para entender melhor o que estou falando. O pai de Alice é uma peça fundamental e mostra como a Guerra pode destruir uma vida muito além. Marca para sempre e até fiquei com raiva dele, mas não dá para julgá-lo. Também curti as histórias adicionais e como elas ficam ligadas e ajudam no mistério central.

Têm coisas que não ficaram esclarecidas para mim, mas acho que a intenção da Kate Morton e deixar no ar mesmo. Talvez se eu lesse uma segunda vez, prestaria mais atenção nos mínimos detalhes. Aliás, detalhe é o que não pode faltar quando se trata de um suspense bem elaborado. E põe bem elaborado nisso. Sadie me conquistou e o avô dela também. Alice me intrigou e queria que a irmã dela tivesse mais presença no livro. O braço direito da quase protagonista, Peter, é um dos meus personagens preferidos.

Se eu recomendo esse livro? Com certeza! Principalmente, se você não resiste a um bom suspense. Não é muito fã do gênero? Vai por mim: dar uma chance, vai fazer você aprender lições ou só mesmo despertar o seu lado detetive. Acho que todo mundo tem um! ;-)

Beijos, Carol.

Para ler: Uma história de verão 

Fan Page ♥ Instagram 


1

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2018