14.11.2019
* Coisas que aprendi durante a SEMAP! ♥

Ei, Gente! :) Durante 2019, tenho apostado muito em cursos e tal para aprender o que posso acrescentar e alterar no meu trabalho, que vai além do blog. E o último que participei foi o da SEMAP, que é a Semana da Marca Pessoal, das Irmãs Alcântaras (Tudo Orna). Normalmente, essas aulas gratuitas apenas querem oferecer cursos pagos e acabam dando a sensação de que a gente perdeu tempo, caso não se inscreva no que eles estão vendendo. Porém, esse do Efeito Orna, elas venderam um curso sim, mas agregaram muito conteúdo maravilhoso. Valeu mega a pena e, com certeza, se estivesse dentro do meu orçamento, participaria. Porém, quem sabe no próximo ano, né? Enfim, estou aqui para contar algumas coisas que aprendi em cada Masterclass. Vamos lá? Bom post! 

SEMAP - PJCrédito da Imagem: Pequena Jornalista 

1. Você não vai conseguir agradar a todos. Mas note como pode contribuir com o outro! 
Observação da Pequena:  Antes de mais nada é preciso enxergar o próximo. Aqui, elas trouxeram o mapa da empatia, que ajuda descobrir as dores e necessidades do seu público, digamos assim. Através dessa ferramenta, conseguimos mostrar o nosso valor.

2. Valor é diferente de preço. 
Observação da Pequena: sempre achei que os dois eram a mesma coisa, porém, descobri que o valor é o que a gente entrega. E a melhor parte é o valor percebido, quando o cliente percebe o que entregamos. Isso ajuda muito na hora de precificar, pois o cliente não vai ficar questionando o seu preço.  Ele irá aceitar e achar justo, pois irá valorizar o trabalho! Mas atenção, você também tem que se valorizar. ;-)

3. Arquétipos e quebra de padrão
Observação da Pequena:  De acordo com Carl Jung, existem 12 arquétipos, como o Inocente e o Herói. É preciso identificar qual personalidade combina com a sua marca, porém, há oportunidades de fazer diferente. Quebre padrões, tabus se reposicione. Aqui elas trouxeram o caso da marca Herself e da Bete, um brinquedo de Toy Story, que vem totalmente repaginada  no último filme.

4. Tudo parte de um começo 
Observação da Pequena: Não há certo ou errado, o importante é começar. Todas as pessoas que você admira, se arriscaram. Não perca oportunidades. Lembre-se: o não você já tem. Deixe a sua marca no mundo, se comprometa, teste, experimente, sem medo de ser feliz. Ah! Nessa masterclass, teve a participação da Niina Secrets, e sério: já admirava e, agora, admiro ainda mais!

5. Parceria
Observação da Pequena: A Débora Alcantara e a Niina falaram muito sobre parceria. Por exemplo, a Niina contou que quando começou com a M.A.C, ela não ganhava dinheiro, mas era uma marca que ela gostava tanto, que valia a pena. E olha onde ela chegou: lançou um produto dela com a marca! A lição que ficou é que tem de namorar, flertar com marcas que você deseja trabalhar. Mas, claro, tudo tem de ser avaliado. Lembrando que tem de ser bom para os dois lados. Pense muito sobre o que aquela parceria irá agregar.

***

Além disso, aprendi também que a evolução tem de ser constante. Que a nossa marca pessoal é a nossa essência, querendo ou não, tem de ter um alinhamento entre os valores pessoais e valores profissionais! Além do blog, sou jornalista, e isso me ajudou muito a refletir sobre qual caminho quero trilhar e o que precisa permanecer. Me identifiquei com vários arquétipos e descobri que sou bastante questionadora, que tem o lado ruim, afinal, essa personalidade pode trazer uma característica mais pessimista. Acho que falta mais otimismo e vou chegar lá! :)

Além dessas aulas, as meninas enviaram um podcast sobre vulnerabilidade e coragem. E a lição mais importante que tirei: a gente tem de escolher quem vai escutar. Claro,críticas construtivas são bem-vindas, mas é preciso dar atenção a quem está na arena com a gente e, não quem está apenas “gritando” da arquibancada. No mais, trouxe duas frases que marcaram bastante na SEMAP. Espero que ajudem de alguma forma:

SEMAP - Frase 1 - PJ

SEMAP - Frase 2 - PJCrédito das Imagens: Pequena Jornalista 

É isso, pessoal. Aproveito para indicar o Instagram do @efeitoorna. ;-) Têm dicas bem interessantes!
No mais, podem indicar outros cursos e tal. E opinar à vontade!

Beijos, Carol.

Post Antigo: 5 livros da Sextante que indico

Fan Page ♥ Instagram    


0
28.03.2017
* Especial PJ (Jornalismo): com Nathalia Fuzaro, da Glamour. ♥

Ano passado, pedi para vocês preencherem um formulário com sugestões e tal para o PJ. Algumas pessoas falaram que sentiam falta de eu falar sobre o jornalismo em si, já que o nome do blog é justamente “Pequena Jornalista”. Adorei a ideia e hoje começa uma série de posts sobre essa doce e árdua profissão. Pelo menos uma vez por mês, vou trazer um profissional para contar um pouco sobre sua experiência, ok? E para começar esse “Especial PJ“, convidei a Nathalia Fuzaro, editora da revista Glamour. Ela conta como é trabalhar na redação de uma das principais revistas femininas e dá dicas preciosas. Fala aí, Nat. 

Especial PJ - Nat Fuzaro - Jornalista - 1!

1. O que ninguém conta pra gente, mas é fundamental saber sobre “ser jornalista”?
R:
Jornalista tem que ter saúde emocional. É que trabalhar com prazos apertados, egos estratosféricos e o cansaço físico e mental pode ser desgastante, então precisamos manter o equilíbrio psicológico para continuar com saúde física também. Pode parecer exagero, mas já vi muitos colegas de profissão envolvidos em confusões ou até pedirem demissão por não conseguirem manter a saúde emocional em dia.

2. Conta um pouquinho sobre a sua trajetória até chegar na redação da Glamour.
R:
Eu me formei em Jornalismo pelo Mackenzie, em junho de 2009. Sempre soube que queria trabalhar em revista feminina, então foquei nisso e trilhei o caminho pela moda. Trabalhei como Marketing em uma joalheria e, na mesma época, comecei a freelar para os projetos especiais da Carta Editorial (Vogue Noiva, Passarelas, Kids, Iguatemi etc.). Um ano depois – quando eu já era editora em outra revista de lifestyle (a Cool Magazine), mas continuava freelando para a Carta –, me chamaram para trabalhar na Vogue. Minha história com o título durou cinco anos e foi onde aprendi boa parte do que sei hoje. Saí no começo de 2015 para cuidar de um problema de saúde e me aventurar pela área de assessoria de imprensa, mas senti saudades de trabalhar em redação e voltei para a editora Globo-Condé Nast no fim do ano passado. ;)

3. Como é a sua rotina na redação? Tudo é glamouroso como imaginamos? Conte um pouco.
R:
A verdade é que não há rotina em redação de revista, pois cada dia há uma tarefa a ser cumprida. Normalmente, começamos a trabalhar às 11h e saímos às 20h30. Mas sempre há um almoço, evento ou foto para acompanharmos, quando circulamos um pouco. Às vezes também temos que cobrir algo fora e viajamos para isso, o que chamamos de press trip. Não há glamour, sabe? É uma profissão como qualquer outra (e que não paga tão bem quanto muitas, não se engane), a diferença é que, dependendo do assunto que o veículo cobre, o dia a dia pode ser mais divertido. Para mim, glamour é poder conversar com pessoas diferentes e especiais de alguma forma, e aprender com elas; é frequentar restaurantes e hotéis ou destinos que eu talvez não conhecesse; é experimentar coisas às vezes antes de todos… Mas para algumas pessoas é ter tempo livre, ou roupas caras, ou torneira de ouro no banheiro. hahaha Enfim, acho relativo, sabe? Mas, se eu puder alertar meus futuros colegas de profissão, avisaria para não se deslumbrarem porque glamour é algo muito particular e que muda para você mesmo de acordo com as suas prioridades em determinado momento da vida. Profundo, hein?

4. Para você, qual é o futuro do jornalismo?
R:
Eu bem queria saber a resposta para essa pergunta, mas acho que ninguém sabe ainda. Estamos em pleno processo de mudança e adaptação, sabe? E que bom! Porque a sociedade também evolui, tecnológica e psicologicamente. Por enquanto, vejo que o futuro do jornalismo caminha para plataformas de conteúdo em 360º (com impresso, online, eventos, experiências etc.), e os jornalistas terão que ser cada vez mais produtores de conteúdo multimídia, alinhados com a ordem mercadológica e as tendências de comportamento do momento.

5. Por fim, três dicas de ouro para quem está pensando em seguir essa profissão?
R:
1) Estude línguas! É preciso compreender o mundo e as pessoas, e ler de tudo para se manter informado.
2) Paciência. Saiba começar de baixo e aprender com tutores, ou se inspirar neles para seguir lutando. Não queira começar já cobrindo semanas de moda ou entrevistando celebridades.
3) Faça contatos. Pessoas bem relacionadas se destacam em todas as profissões, não só em jornalismo. É uma questão que vai além do tal “quem indica”, pois algum dia você pode precisar de um profissional X e lembrar daquela pessoa que conheceu; ou ter que entrevistar fulano, cliente daquela assessora; ou precisar de um maquiador para uma foto, um produtor para um editorial, um serralheiro para construir um cenário… O céu é o limite! Mas você vai me agradecer por ter uma agendinha recheada de nomes e telefones de todos os tipos. ;)

Especial PJ - Nat Fuzaro - Jornalista!

Nathalia Fuzaro! 

***

Entrevista curtinha, mas bem informativa, né? Adorei, Nat. Muito obrigada! ♥ E ela tem mega razão, gente. Contato nessa área é tudo. Ano passado, a minha primeira chefe me convidou para escrever um guia/livro com ela. Sempre bom deixar o nosso melhor em cada lugar que passamos. Por motivos óbvios e “sempre podem lembrar da gente”. E toda área tem seus prós e contras. Por isso, é tão importante gostar do que faz. O dinheiro é um fato importante, mas não recomendo ser o principal. Já fui feliz escrevendo para jornal, onde ganhava R$ 50,00 por mês, e não muito satisfeita onde eu ganhava, relativamente, “muito”. ;-) 

Espero que a Nat tenha ajudado e quem quiser saber um pouco mais sobre o dia a dia, segue ela no insta: @natfuzaro. Ah! Tem sugestão para essa coluna? Escreve para mim: pequenajornalista@pequenajornalista.com.

Beijos, Carol.

Fan Page ♥ Instagram

 


18
01.12.2016
* Projeto Drama Queen: Assessoria de imprensa e 4 draminhas! – #104 ♥

Trabalhar com assessoria de imprensa não é nada fácil, gente! Quando você consegue emplacar aquela pauta é uma maravilha, mas e quando se depara com jornalistas nada fofos? É um drama, que meu Deus! Dai, resolvi listar 4 draminhas muito comuns (bom, eu acho que são comuns, espero hahaha) nessa doce e árdua área do jornalismo! ;-)

projeto-drama-queen-104Por Carol Daixum 

1. Me manda por e-mail… 

Não é sempre! Mas às vezes tenho impressão de que essa frase é usada só para dispensar a gente. Sério! Mando um trilhão de e-mails e nada. Tenho certeza que estou lotando a caixa de e-mail dele, mas por algum motivo, quando ligo pra confirmar, ele diz que o e-mail não está lá e repete essas quatro palavrinhas pela milésima vez.

2. Transferindo a ligação… 

Olha, é um tal de transferir ligação. Quando você não tem o nome do jornalista então… Prepare para ficar durante muito tempo no telefone. Ai quando você consegue finalmente falar com a pessoa certa, o que acontece? Cai a ligação, óbvio! #ajeitaacoroa

3. Me liga ano que vem… 

Tenho uma coleção de foras, gente. Mas esse foi o melhor. E olha que faltavam meses para acabar o ano, eis que a produtora de moda me responde assim: “me liga ano que vem”… Ok, tudo nesse meio (editorial de moda e tal) é adiantado. Mas sabe, não tinha como… Faltava tipo… Um ano para chegar o “ano que vem”….

4. Emplaquei, mas o crédito está errado… 
 
Ai você sai toda feliz da banca, com a pauta super mega emplacada. Mostra para sua chefe, cliente, jornaleiro e tal… Eis que um detalhe faz  TODA A DIFERENÇA: sua cliente fica no Rio, mas o telefone saiu com o DDD de São Paulo… Ai o que você faz? Senta e chora!

1361Quando o crédito sai errado… 

Gente! É só um draminha e com uma dose extra de exagero, ok? ;-) A profissão não é fácil, mas como todas têm seus prós e contras. E mais para frente, acho legal mostrar o lado do jornalista de redação também. Quem tiver sugestão, fique à vontade. E assessor de imprensa: pode desabafar também. ;p

***

Vale lembrar que o Projeto Drama Queen é uma parceria entre os blogs Pequena Jornalista e Casos, Acasos e Livros. Toda quinta um draminha para rir, se identificar e tal. ;-) Quer mandar o seu relato? Fale com a gente no comentário!

Para ler o PDQ da semana passada, clique aqui. ;-)

Beijos, Carol.

Fan Page ♥  Instagram


2
01.11.2016
* PJ Leu: Eu sou as escolhas que faço! ♥

E a dica literária da semana é: Eu sou as escolhas que faço, da autora Elle Luna. O livro, que foi publicado pela editora Sextante (parceira do blog), é uma ótima pedida para começar o mês com o pé direito. Já adianto: é uma das leituras que mais me tirou da caixinha e me deu aquele empurrãozinho extra na vida! ♥

eu-sou-as-escolhas-que-facoCrédito da imagem: Editora Sextante!

Sinopse: Sempre temos a opção de seguir o caminho da segurança ou da paixão! Sempre encontramos essa encruzilhada! E, todos os dias, fazemos uma escolha. Esse livro faz com que a gente reflita quais são essas escolhas que temos feito.  É importante ressaltar que cada um de nós tem um potencial único que foi nos dado ao nascer. Se vamos cultivar esse “dom” ou não, depende de nós mesmos! Em seu sentido mais puro, a paixão é a razão por estarmos aqui… E escolher seguir essa estrada é a jornada mais importante da nossa vida!

Através de um livro colorido e ilustrado, a autora nos mostra os desafios, obstáculos e medos que costumam nos impedir de continuar nesse difícil e prazeroso caminho da paixão. Mas ao mesmo tempo, ensina a encontrar soluções criativas para superar cada um deles! ;-)

pj-leu-eu-sou-as-escolhas-que-facoCrédito da imagem: Pequena Jornalista! 

Minha opinião: É um dos melhores livros que li esse ano. Não é que a autora faça milagre, mas abre a nossa mente, sabe? Faz com que a gente saia da caixinha! Aos poucos, a Elle mostra que trilhar o caminho da paixão é uma das melhores escolhas. Mas ela é realista. Não viaja na maionese! A autora mostra o que geralmente nos impede de seguir essa rota e dá pequenas soluções. Algumas até parecem óbvias, mas toca a gente de um jeito diferente. Bom, pelo menos foi o que aconteceu comigo!

Uma das coisas que me impede de trabalhar só com o que eu gosto é o dinheiro! E, gente, por mais que o dinheiro não seja tudo, infelizmente, sem ele, a gente não come, não paga as contas e por aí vai. Então, não dá para largar tudo de uma vez. E no livro, a Elle mostra exatamente isso e dá uma solução que une o útil ao agradável. Em outras palavras: a solução talvez seja que você possa trabalhar em algum lugar que te dê um salário e, ao mesmo tempo, que você consiga conciliar esse trabalho com o seu verdadeiro sonho. Então, abrir mão daquele emprego que não deixa você ter vida é a melhor opção. Talvez em um outro, você não ganhe tanto, mas em contrapartida, você consegue conciliar.

Exemplo: quero escrever um livro, mas com o trabalho atual só consigo chegar em casa, tomar banho e dormir. Com um outro emprego, consigo ter dinheiro e tempo para escrever. Aí aos poucos, você transforma o sonho em realidade e uma hora vai conseguir só trabalhar com o que realmente gosta. Tudo no seu tempo, mas sem perder tempo! ;-) Ah! Por mais que esse caminho seja o mais gostoso de seguir, não significa que seja o mais fácil. Essa foi uma das principais lições que tirei desse livro!

É uma leitura que você devora em uma noite e realmente te dá vontade de praticar tudo que leu! É um livro interativo e que faz você pensar e escrever. Então, separa um bloquinho junto com a leitura. Ah! Tem uma atividade que pede uma cadeira, então, talvez seja melhor ler em casa. Fora isso, destaque para as ilustrações. Acredito que esse livro vá mexer com cada um de um jeito, mas o importante é que ele te faz sair da caixinha e seguir seus sonhos de verdade.

eu-sou-as-escolhas-que-faco-2Crédito da imagem: Pequena Jornalista! 

Por fim, tenha essa frase sempre com você: eu sou as escolhas que faço! Então, nada de só reclamar. Hora de colocar a mão na massa!  ^^

Já leu? Conta o que achou! Ainda não? Recomendo! 

Beijos, Carol.

Para ler a resenha do livro No meio do caminho tinha um amor, clique aqui

Fan Page ♥ Instagram


25
18.10.2016
* PJ por aí & Recado: Youtube, 100 curiosidades e outubro rosa! ♥

Ei, Gente! Tudo bem? Não tenho muito o costume de fazer isso, mas a minha mãe e irmã dizem que eu preciso vender mais o meu peixe. Então, vamos lá vender mais o meu peixe no post do dia hahaha. ;-) Há duas semanas, gravei o programa Papo de Juventude, da TV Alerj. Foi um papo super descontraído e sobre uma das coisas que mais amo: livros! No comecinho estava morrendo de vergonha, mas no final já estava mega íntima do microfone hahaha. Só apertar o play. É rapidinho!

Sim. A minha voz é de criança e quando fico nervosa, ela fica ainda mais e mexo muito no meu cabelo hahaha. ;p Mas até que a minha primeira vez não foi tão ruim assim hahaha! Enfim, adorei ter participado. O pessoal que participou também mega fofo, inclusive duas participantes também são blogueiras literárias: a Thati Machado (blog dela) e a Roberta (blog dela). Deem uma olhadinha no blog delas depois que vale muito a pena.  E agora um pouco dos bastidores! 

papo-de-juventude-pj-tv-alerj-jovens-leitores(Crédito da foto: Thati Machado) 
P.S: obrigada Camila e Rapha por terem me chamado e  insistido. ;p

Mudando de assunto… Para quem não sabe, além do blog também trabalho como freelancer. No mês de março fiquei bem atolada com um projeto bem bacana da Editora On Line: o guia de 101 curiosidades da humanidade. E recentemente, o trabalho ficou pronto e já está nas bancas! Infelizmente, meu nome não apareceu nos créditos, mas coisas de revista. O importante é que fiz parte e amei muito. Quem me chamou para esse job foi a jornalista Ana Ioselli (e que também escreveu as matérias), minha primeira e eterna chefinha. Obrigada, Aninha! Valeu muito a pena ficar noites e noites sem dormir. É curioso de plantão e gosta de saber de fatos intrigantes que, aparentemente, ninguém sabe explicar? Corre para a banca e garanta o seu! ;-)

pj-guia-misterios-da-humanidadeDeu muito trabalho, gente… Mas valeu muito a pena! =)

E para finalizar o post, um recadinho: tenho um convite especial para todo mundo que quer apoiar de alguma forma a campanha Outubro Rosa. Amanhã, dia 19 de outubro, todas as lojas físicas e online da Loungerie, arrecadarão R$1,00 (um real) na compra de qualquer peça da marca. O valor acumulado será destinado pelo segundo ano consecutivo para a Fundação Laço Rosa, que auxilia e ajuda milhares de mulheres com câncer de mama. Legal, né? Não importa o valor e, sim, a ajuda. E se não puder comprar, não tem problema. Espalhe a notícia por aí. =) Ah! E se você amanhã estiver aqui no Rio de Janeiro, a flagship do Leblon (Ataulfo de Paiva, 153), receberá cinco mulheres que tiveram câncer para serem vendedoras por um dia em prol da causa, a partir das 15h00. Vamos? Vale lembrar que milhares de marcas estão cm ações bem bacanas. Independente de qual seja, o importante é ajudar de alguma forma.  #outubrorosa

296499_648683_unnamedClique aqui para entrar no e-commerce da loja.

Prontinho, gente! Podem opinar à vontade sobre o “PJ por aí” e se alguém quiser compartilhar alguma ação em prol da campanha Outubro Rosa, só acrescentar nos comentários.  ;-)

Beijos, Carol.

Fan Page ♥ Instagram


6

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020