11.03.2020
* PJ Entrevista: Fernando Moreira, do Page Not Found! ♥

Ei, Gente! :) Quando eu era rata do Twitter (atualmente, perdi minha senha e não consigo recuperá-la hahaha), um dos arrobas que eu mais amava era do Page Not Found, que na verdade é um blog que conta as situações mais inusitadas da vida!

A propósito, Fernando Moreira, criador desse veículo, escreveu o livroBaseado em fatos reais“, com 14 histórias inspiradas em acontecimentos para lá de diferentes.

E como sou jornalista, tenho um blog que fala de livros e acompanho o Page Not Found, nada mais justo do que entrevistá-lo, né? E rolou \o/! Obrigada, Fernando. Espero que gostem. Eu adorei! ♥

PJ Entrevista: Fernando Moreira

1. Até chegar ao blog Page Not Found: qual foi a parte mais inusitada (ou uma das) da sua carreira jornalística?
R:
Não sei bem se posso chamar de inusitada, mas foi definitiva certamente. E remota ao dia 11 de setembro de 2001. Eu acompanhei ao vivo, pela TV, o choque do segundo avião com uma das Torres Gêmeas, em Nova York. Lembro-me que parei uns longos segundos sem entender exatamente o que estava acontecendo. Pensei que estávamos à beira do colapso mundial. E aquele foi o dia mais longo da minha carreira: eu tinha entrado às 7h e saí às 6h do dia seguinte. Esse evento forjou a minha carreira na editoria internacional. Minha sede de entender (ou tentar) o mundo só aumentava. O Page Not Found nasceu da necessidade de aprofundar essa viagem, até os subterrâneos das notícias mais ignoradas.

2. Falando em blog, o que você acha que o futuro reserva para esse tipo de veículo? Qual seria o seu conselho para inovar?
R: Já há alguns anos se fala que blogs estão com os dias contados. E eles seguem firmes. Até mesmo entre os mais jovens, que são um bom termômetro para testarmos a durabilidade de fenômenos de mídia. O meu conselho é descobrir um nicho. Não adianta sair disparando a esmo para todos os lados. Você tem que ser bom e cada vez melhor em um universo específico. E se abrir para as novas tecnologias e as novas formas de contar histórias e se mostrar ao mundo. E as possibilidades são enormes.

3. Conta um pouco sobre a rotina do Page Not Found (seleção dos posts e etc).
R: O Page nasceu do vácuo que a dita imprensa tradicional deixava para notícias consideradas inusitadas, bizarras, insólitas. Ainda são assuntos considerados menores por muitos. A minha rotina é fuçar em sites mundo afora quais as histórias mais esdrúxulas, mais curiosas, mais impactantes. Mas, apesar de a imprensa que se considera mais “séria” negar o seu DNA nessa cobertura, volta e meia encontro boas histórias em sites bem clássicos, como o do New York Times, do Guardian, do Independent, da CNN. Redes sociais são outro universo onde boas e insólitas histórias costumam desfilar. Antes de ser jornalista, preciso ser garimpeiro.

Crédito: Reprodução Blog Page Not Found

4. Quanto ao livro “Baseado em fatos reais”: o que o leitor, que ainda não embarcou, pode esperar? E como foi o processo de escrita, do início ao fim?
R:
O livro é uma espécie de acerto de contas. As postagens do Page são curtas, geralmente elas se prendem a um fato específico. Algumas lacunas ficam abertas: o que aconteceu antes desse fato, o que vem depois dele? No livro, eu respondo essas questões. Porém com ficção. São 14 contos, que flutuam entre realidade e fantasia. Eu parti de fatos noticiados no blog e me permiti imaginar um cenário mais rico e denso no entorno dessas histórias reais. O processo é uma provocação: o que há de real e imaginário nos contos? O que há de real e imaginário nas nossas vidas?

5. Pergunta clássica do Pequena Jornalista: teve um incêndio na parte de livros de jornalismo da sua biblioteca, quais são os 3 que você salvaria?
R: “1984“, de George Orwell, uma obra atemporal de ficção recheada de realidade, que deveria ser uma bíblia para os jornalistas, “Notícias de um Sequestro“, de Gabriel García Márquez, pela maestria da narrativa, e “A Sangue Frio“, de Truman Capote, que me inspirou muitíssimo, por ser uma mescla de jornalismo e literatura.

***

E o quanto essa entrevista me inspirou? Principalmente, em relação ao blog! Mais uma vez: obrigada, Fernando. Quem quiser saber das notícias mais inusitadas da vida, só clicar aqui. Quer ler o livro? Corre aqui! Assim que eu embarcar, publico a resenha, combinado?

No mais, podem opinar à vontade!! :)

Beijos, Carol.

***

Post Antigo: PJ Entrevista – Nathalia Fuzaro
Fan Page ♥  Instagram 


7
09.09.2019
* Especial Bienal – PJ Entrevista: Camila Fremder e Jana Rosa! ♥

Ei, Gente! :) Essa semana, vai ter um especial sobre a épica Bienal do Livro, que acabou ontem, aqui no Rio de Janeiro. E para dar início, uma das minhas metas era entrevistar as autoras do livro “Como ter uma vida normal sendo louca”, da Camila Fremder (que já falei sobre ela no blog algumas vezes) e Jana Rosa. Se eu consegui? SIM! YAY! Tá bem curtinha, mas acho que tá bem legal. =) Quanto ao livro, eu já li tem um tempinho a 1ª versão, mas elas relançaram pela HarperColllins, pois vai virar uma peça, que estreia dia 21 de setembro, em São Paulo. A história é basicamente a mesma, mas com algumas alterações. Então, vamos lá? Contem aí, meninas! E muito obrigada pelo tempinho. Foi incrível! 

PJ Entrevista - Camila Fremder e Jana Rosa - 2O quanto eu amei essa entrevista e a sessão de autógrafos?

1. Afinal, como é ter uma vida normal sendo louca?
Camila:
Eu acho que é seguir a sua vida porque não tem jeito! A vida não para e você segue, independente de estar “louca” ou “normal”, aí você vai indo. E aí você só sabe que está louca depois que você fica normal. Ai você para e pensa: meu Deus, eu estava louca.
Jana: Acho que o normal não existe. Acho que é um conceito que a Sociedade criou para manipular as pessoas. ;-)

2. Uma mania peculiar na hora de escrever?
Camila:
Eu leio tudo em voz alta e, às vezes, eu imprimo o que eu escrevi porque eu gosto de ler andando.
Jana: A minha mania é deixar tudo para última hora, aí eu fico louca, nervosa e aí eu penso “tenho que escrever”. Ai fico tremendo, me arrependo, porque era a última chance hahaha.

3. Incêndio na biblioteca de vocês… Quais são os três livros que vocês salvariam?  
Camila: Equador, que é um dos meus livros favoritos, do Miguel Sousa Tavares. Também algum de suspense, tipo da Agatha Christie e, por fim, um de crônica bem leve, tipo do Antonio Prata.
Jana: Ensaio sobre a Cegueira (José Saramago), Estorvo (Chico Buarque) e Capitães de Areia (Jorge Amado). Inclusive, esse último tinha uma personagem chamada Dora, que a filhote da minha cachorrinha, levou esse nome por conta do livro.

PJ Entrevista - Camila Fremder e Jana Rosa - 3Nem acredito!!

***

Gostaram? Podem opinar à vontade! =) Ah! Alguns livros vocês encontram resenha aqui no blog, ok?
Ah! E preciso dizer: a dedicatória delas é a mais autêntica. Elas perguntaram o desenho que eu queria e, simplesmente, desenharam dois cachorrinhos hahaha! Como não ser fã? E me contem se vocês querem que eu leia de novo para escrever sobre o livro aqui no PJ. No mais, é isso. Obrigada, meninas! E obrigada pessoal da HarperCollins!  E obrigada namô, por ter acordado cedinho comigo, pelo apoio e pelas fotos. 

PJ Entrevista - Camila Fremder e Jana Rosa - 4A melhor dedicatória!

E para vocês: como ter uma vida normal, sendo louca?

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Enfim, 30!

Fan Page ♥ Instagram 


2
28.05.2019
* PJ Leu: Uma noite com Grace Kelly! ♥

Ei, Gente! :) Algumas histórias a leitura acaba não fluindo tanto e eu acabo demorando mais tempo para publicar resenha sobre aqui no PJ. Mas podem ficar tranquilos, que hoje tem dica literária, que a propósito é: Uma noite com Grace Kelly, escrito pela Lucy Holliday. Vamos lá? Bom post!

IMG_8144Livro: Uma noite com Grace Kelly | Editora: Harper Collins| Autora: Lucy Holliday
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 2,5 livros!

Sinopse:  No terceiro livro da trilogia “Uma noite com…”, Libby finalmente se deu conta de que seu melhor amigo, Olly, é o seu verdadeiro amor. Porém, tudo indica que já é tarde para essa descoberta, já que o dito cujo parece ter partido para outra. Pois é, as coisas na vida dela não são fáceis e todos os setores, desde o amoroso até o profissional, não dão descanso . Mas graças ao sofá mágico, nossa protagonista tem um outro encontro surpreendente: dessa vez, Grace Kelly faz umas visitas com aprendizados que estão longe de ter uma cara de contos de fada, mas, às vezes, o pé no chão é a melhor saída. Será?

Minha opinião: Eu li o 1º e o 2º livro e amei tanto que a minha expectativa para o 3º era bem alta. Porém, não superou muita coisa não, gente! Apesar da Grace Kelly ser uma figura icônica e nessa história trazer aprendizados realistas que fazem a gente crescer, eu achei ela bem blasé e a aparição dela mínima (não conheço muito a história dela, então, não sei se bate ou não com a realidade)! O que era para ser um tchan na história, não rolou muito, sabem? E apesar de ter coisas novas e tal, meio que a leitura não fluiu e eu quase desisti no meio. Mas fui até o fim!

Quanto aos outros personagens: não ri tanto com a Libby dessa vez, entretanto, ainda tenho um carinho por ela! Em contrapartida, Dillon me conquistou nesse livro e adorei as suas participações. Olly continua fofo e Tash uma chata! A irmã e a mãe no mesmo esquema, mas com algumas surpresas boas no 45 do 2º tempo. Sobre o Joel, não posso falar muito, porque corro o risco de dar spoiler. E outros personagens a autora cortou total com eles e eu queria meio que uma reviravolta. Mas claro que não estou aqui só para falar que não gostei e tal. Como contei, quase desisti, mas fui até a última página porque a trilogia me proporcionou muitas risadas e aprendizados que levo até hoje! Então, continuei em forma de agradecimento. E os últimos capítulos até aproveitei mais, principalmente, com o resgaste de algumas personagens que amei conhecer, mesmo que na minha imaginação. Achei meio corrido, mas até que curti. Teve clichê do jeitinho que eu gosto! 

E uma observação que quase nunca falo sobre: a ortografia desse livro, ao menos a edição que eu tinha, tinha muita bola fora. Tipo palavras faltando letras, parágrafos faltando continuação. Claro que todo mundo tem direito ao erro e quem sou eu para julgar, mas isso, dessa vez, me incomodou além da conta. Então, talvez isso não tenha ajudado muito na minha impressão. :(

É isso, pessoal. Apesar dos poréns, acho que a história pode bater de forma diferente em cada leitor, viu? E eu estou mega aberta a debates construtivos! A minha única dica é que não vá com muitas expectativas ao ler Uma noite com Grace Kelly. ;-)

Beijos, Carol.

Post Antigo: Uma noite com Audrey Hepburn

Fan Page ♥  Instagram


0
22.10.2018
* PJ Leu: Juntos para sempre! ♥

Ei, Gente! :) E a dica literária da semana é: Juntos para sempre, a continuação do best-seller “Quatro vidas de um cachorro“, de W. Bruce Cameron. O livro, publicado pela Harper Collins (parceira do blog), faz a gente se apaixonar mais ainda por esses lindos bichinhos e, claro, chorar litros e mais litros. Vamos lá? ;-)

PJ Leu - Juntos para sempreLivro: Juntos para sempre | Editora: Harper Collins) | Autor: W. Bruce Cameron
Crédito da Imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: três livros!

Sinopse: Mesmo sentindo falta de seu dono Ethan, Amigão, continua fiel e obediente a Hannah, viúva de Ethan. Porém, tudo muda quando Gloria chega com Clarity, uma neta que Hannah não sabia que tinha. Apesar do protagonista canino se afeiçoar imediatamente à menina, Gloria, é uma mãe completamente relapsa e que não aprova a presença dele. Nem mesmo depois de salvar a vida de sua filha. Mesmo assim, Amigão acredita que tem um novo propósito de vida: proteger a pequena Clarity, ou melhor CJ. Porém, em pouco tempo, mãe e filha se mudam da fazenda e Amigão sente que sua hora de partir está chegando. Mas em pouco tempo, ganha uma nova vida e fica extasiado quando a sua nova dona chega para adotá-lo. Ela mesma, Clarity, um pouco mais velha, chega e os dois juntos, em diversas vidas, passam por muitas aventuras e aprendizados. ;-)

Minha opinião: Quando esse livro chegou, imaginei que não ia entender muito bem, pois não li o primeiro, só assisti ao filme. Mas apesar de ter achado que lendo o outro, algumas coisas teriam mais sentido, acho que não boiei tanto na leitura. Então, é uma história independente, na minha humilde opinião. ;-) Eu gostei da história, mas confesso que ela me deixou bastante triste. Apesar de ter lindas mensagens e fazer a gente se apaixonar ainda mais pela inocência e caráter desses animais de estimação, é uma leitura um pouco pesada. Diversas vezes, tive que parar, porque me dava um aperto no peito, sabem? Porém, acho que tem muito a ver com o fato de eu ter perdido o meu primeiro cachorrinho. Em contrapartida, fiquei feliz pelo livro estar no meu subconsciente e fazer com que o Johnninho (esse meu cachorro) aparecesse nos meus sonhos. ♥ 

Não sei se o livro é baseado em fatos reais e se houve uma pesquisa aprofundada, nem busquei saber, pra não ficar meio neurótica, mas fiquei ainda mais abismada (no bom sentido) pela importância de um dom que o Amigão ganhou nessa nova vida: detectar possível câncer nas pessoas através do cheiro. E mostrou ainda mais o quanto esses cães são puros, achando que uma frase “fulaninho, sai daí”, não significa que o nome da pessoa seja “fulaninho” e, sim, “fulaninho, sai daí”, sabem? Imaginei a minha cachorrinha, a Jeanninha, pensando exatamente desse jeito. Tem como não amar? Cada vida do amigão, sendo Molly, Max ou Toby, mostrou que cães tem diversos propósitos e não há limite quando a palavra amor vem à tona. O coração deles é capaz de amar a todos, até mesmo aqueles que não os tratam muito bem.

Fora isso, o livro fala de coisas importantes e atuais, mesmo que por alto, como a relação com o corpo e os malefícios que surgem se esse relacionamento não é saudável. Todos os personagens são importantes e um dos meus preferidos, claro: Trent. Amei tanto e acho que ele tem uma alma canina. Gloria, é uma antagonista sem noção! CJ me irritou às vezes, mas me conquistou ao final. Aliás, o fim desse livro, ao mesmo tempo que me fez chorar muito, me fez entender que um dia, todos que amamos, por mais que estejam presentes dentro de cada um, vão estar juntos mais uma vez, cara a cara.

Recomendo a história, mas se você é sensível com esse tipo de livro, vale esperar um pouco mais para embarcar, ok? ;-)

É isso. Podem opinar à vontade!

Beijos, Carol.

Para ler: TAG – Meu cachorro também é gente!

Fan Page ♥  Instagram


1
04.10.2018
* Top 5: Outubro Rosa – São capas rosas! ♥

Outubro rosa pede um top 5 com capas de livros dessa cor,  né?  Ok. Têm tonalidades diferentes, mas quem se importa, né? E são histórias que incluem mulheres inspiradoras, sejam personagens ou não! Amei muito esses cinco livros e mega recomendo cada leitura. Enfim, vamos lá? Bom post para você! ;-)

Top 5 - Capas Rosas - PJCrédito da Imagem: Pequena Jornalista 

1. A dieta das chocólatras (Carole Matthews – Editora Bertrand Brasil) 
Sinopse: Dicas de sobrevivência nos momentos de estresse: respire fundo, conte até três e coma chocolate. Mas quando as quatro amigas (Lucy, Autumn, Nadia e Chantal) convocam um encontro de emergência, elas pulam loga para a terceira dica e se jogam no “santuário”: Paraíso do Chocolate.
Observação da Pequena: Li tem um tempo e nessa época, ainda não fazia resenha literária no blog. Mas lembro que a história me prende e que a cada capítulo, eu acabava com uma caixa de chocolate hahaha. Essas quatro amigas são inspiradoras!

2. Falando o mais rápido que posso (Lauren Graham – Editora Record) 
Sinopse: Em Falando o mais rápido que posso, a intérprete da nossa Lorelai Gilmore faz uma retrospectiva da sua vida e compartilha histórias hilárias sobre amadurecimento, o início da sua carreira de atriz, os desafios de ser uma mulher solteira em Hollywood. Conta também sobre como é sentar em seu trailer no set de Parenthood e perguntar “Será que eu, hmmm, cheguei lá?”. Além disso, fala, em primeira mão, como foi voltar a interpretar uma das personagens  mais queridas da TV e relembra como foi gravar cada ano da série original. Um presente para os fãs e admiradores. Tanto da série quanto da atriz!
Observação da Pequena: Uma ótima forma de matar a saudade dessa personagem icônica. Tem resenha aqui.

3. Bem-casados (Nora Roberts – Editora Arqueiro) 
Sinopse: Laurel McBane teve que batalhar muito para alcançar o grande sonho de ser uma doceira premiada. Agora seus bolos de casamento são verdadeiras obras de arte e conquistam a todos da empresa Votos (que comanda junto com as amigas Mac, Emma e Parker) e clientes.  Após ter conseguido superar um histórico familiar complicado, ela preza sua independência e não aceita que interfiram em suas decisões. Del, irmão de Parker e advogado da empresa, é o grande amor secreto de Laurel. Ele se sente responsável por cuidar não só dos assuntos burocráticos da Votos como também do bem-estar das quatro sócias. Esse jeito superprotetor e paternal estressa a protagonista e gera muitos desentendimentos. Essas diferenças acabam resultando em um beijo ardente, que muda a relação dos dois para sempre. Após o episódio do beijo, ela percebe que a realidade é melhor ainda e ele começa a ver a mulher incrível que Laurel é. Para protagonizar uma linda história de amor, eles terão que conciliar suas convicções e personalidades.
Observação da Pequena: Não foi o meu livro favorito da série, mas a capa é uma das mais lindas. Tem resenha aqui.

4. Uma noite com Marilyn Monroe (Lucy Holliday – Editora Harper Collins) 
Sinopse: Os últimos meses passaram como um furacão pela vida de Libby Lomax. Depois das confusões em que a atriz não tão bem-sucedida se meteu com a ajuda da diva Audrey Hepburn, ela namorou o cara mais gato do planeta, o Dillon O’Hara, e parece ter encontrado uma alternativa profissional melhor que a outra. Porém, seu otimismo tem prazo de validade. Principalmente, no quesito vida amorosa! Ela logo percebe que ele não é, nem de longe, o namorado perfeito. Daí, é obrigada colocar os pés no chão. Então, mergulha de cabeça em um relacionamento novo e, além disso, está determinada a se dedicar mais a Olly, seu melhor amigo, antes da inauguração do novo restaurante dele. Apesar das boas intenções, nossa protagonista acaba se distraindo quando um Dillon arrependido volta à cena. Daí, quando outra convidada inesperada – Marilyn Monroe – aparece, ela está disposta a qualquer coisa para fazer tudo voltar ao normal. O problema é que Olly parece ter encontrado outra pessoa para o cargo de “melhor amiga” e, de repente, Libby se vê prestes a perder algo que significa muito. Agora a pergunta que não quer calar: será que Marilyn pode ser a chave para finalmente colocar a vida de Libby nos eixos? ;-)
Observação da Pequena: O primeiro da série é bem melhor, mas esse não deixa a desejar e surpreende a gente! Tem resenha aqui. E quando eu crescer quero ser amiga da Libby hahaha!

5. Chata de Galocha (Lu Ferreira – Editora Gente)
Sinopse: Pessoas “Chatas de Galocha” buscam pequenos prazeres em todas as áreas da vida: receitas deliciosas, viagens divertidas, momentos incríveis mesmo nas horas mais simples. Um bom Chato de Galocha faz questão de aproveitar todos os momentos que são proporcionados. Este livro é um guia de referência para quem gosta de desfrutar o melhor a cada segundo. Entre muitas outras coisas, aqui você encontra: sugestões para um guarda-roupa eficiente e inteligente. Dicas de cuidados que vão fazer você se sentir bem. Receitas infalíveis para receber bem quem você ama. Dicas de lugares bacanas nas principais cidades do mundo, aprovadas pela Chata de Galocha.
Observação da Pequena: Livro impecável, como tudo que a Lu faz, gente! Tem resenha aqui

**

Agora me contem: qual é o top 5 de vocês de livros com capas dessa cor? E já embarcaram em alguma história que citei no post? Podem opinar à vontade! ;-)

Beijos, Carol.

Para ler: Outubro Rosa – Histórias Reais

Fan Page ♥ Instagram 


2

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020