09.09.2020
* Para assistir: Feel the beat! ♥

Ei, Gente! :) Para o post do dia separei uma dica de filme. Recentemente, assisti: Feel the beat, na Netflix. Uma comédia bem água com açúcar e para lá de divertida. Vamos lá? Boa sessão! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para começar, aquele clássico resuminho sobre o que se trata a história. April é uma dançarina, que deixou a sua cidade natal para correr atrás do grande sonho chamado “Broadway”. Mas depois de uma obra do destino, as coisas não andam muito bem e ela volta para casa!

Por lá, a protagonista acaba sendo convidada a treinar um grupo de jovens dançarinos um pouco desajeitados para uma competição, que terá um importante jurado e que April quer chamar atenção. Será que vai dar certo? ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Pelo que eu vi, ele está há séculos na Netflix, mas só consegui assistir no feriado. É aquele clichê com música e dança, onde a gente não dá nada para o grupo participante e tals… Porém, vem a reviravolta e nos surpreende de forma positiva.

Mas tem um diferencial: a April não é a típica protagonista desse tipo de filme. Acredito que isso vá chamara a atenção de quem quer ver algo que fuja um pouco do óbvio! Ela é bem dura na queda e vai nos conquistando aos poucos! Nick é de arrancar suspiros e o pai dela é tão incrível. Apoia e conhece a filha que tem! Barb é inspiradora e uma comédia e o amigo da April bem maravilhoso, mas talvez um pouco forçado. Ainda não tenho uma opinião 100% formada.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Mas o elenco que conquistou mesmo o meu coração foi o dos alunos e os pais deles! Cada um dá o seu melhor mesmo e isso inspira muito! Aliás, aprendi que, às vezes, o importante não é o 1º lugar. O segundo e o terceiro também tem o seu valor. E cada vitória tem de ser comemorada, sem moderação. E o que falar do Dick? Completamente apaixonada por esse ator mirim. O melhor!! ♥

Enfim, é uma história para assistir com a família ou na sua própria companhia. A gente ri, torce e sente cada batida. Do início ao fim, prende. Mesmo com algumas cenas que dispersam um pouco. Ah! Tem inclusão e a dança final é emocionante. Amei a trilha sonora, os figurinos e o desfecho, que já esperava, mas o caminho até lá aqueceu o coração da pequena telespectadora que vos bloga. Dá vontade de sair para dançar no meio de Nova York (destaque para essa cena com uma personagem que também é destaque no filme, mesmo não aparecendo tanto) hahaha.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Recomendo muito!

Beijos, Carol.

Post Antigo: Para assistir – Eurovision!
Fan Page ♥ Instagram  


5
25.08.2020
* Beda 25 – Para assistir: Amor em obras! ♥

Ei, Gente! :) Para o dia de hoje, separei um filme bem comédia romântica: Amor em Obras, disponível na Netflix. Vamos lá? Pega a pipoca, que a sessão PJ já vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Pinterest

Para começar, aquele resuminho do que se trata a história: Gabriela Diaz é uma executiva de São Francisco, mas tudo na sua vida parece estar dando errado. Tanto no amor quanto no trabalho! Até que um dia ao afogar as mágoas, ela participa de uma promoção e ganha uma pousada na Nova Zelândia.

Seguindo seus sonhos antigos e querendo um pouco de paz, ela vai para lá. Mas como o destino prega peças, o prêmio está longe de ser igual ao da foto e ela vai ter muito trabalho. Mas claro, com a ajuda de um empreiteiro para lá de especial e charmoso (e um pouco irritante hahaha), o Jake Taylor. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

O que eu achei da história? Sabe aquele filme bem sessão da tarde, que faz a gente rir e suspirar muito? Então, “Amor em obras” é assim. Adorei a premissa e me prendeu do início ao fim. O filme tem ritmo e é bem fofo! Clichê, sem dúvida. Mas para quem ama é um prato cheio.

A protagonista é divertida e com looks maravilhosos. O mocinho? Bem lindo! E os outros personagens não ficam de fora. Todos fazem a diferença e dão um toque a mais. A cidade é aquela que a gente fica com vontade de morar, mesmo com todas as fofocas sendo descobertas em 5 minutos hahaha. Ah! E, sem dúvida, vou acrescentar a Nova Zelândia nos lugares que eu ainda quero conhecer. Cada paisagem, que MEU DEUS!

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Porém, como nem tudo são flores: eu jurava que ia ter um mistério fofinho por trás. Tipo quem está por trás da promoção da pousada. O que aconteceu com a outra e tal. E tudo acontece bem rápido, por mais que eu saiba que histórias assim rolam desse jeito. Enfim, eu já tinha várias teorias na minha cabeça e nada do que imaginei a mais, rolou. Então, é muito bonitinho o filme, mas não traz nada de diferentão.

Entretanto, são só ressalvas para quem é mais exigente. Amor em obras traz mensagens bem válidas. Por exemplo? Nada acontece por acaso e uma mudança é sempre bem-vinda e pode trazer sonhos antigos à tona. Recomendo! ♥

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol

Post Antigo: Para assistir – Virgin River
Fan Page ♥ Instagram  


5
13.08.2020
* Beda 13 – TBT Pipoca: Cartas para Julieta! ♥

Ei, Gente! :) Separei mais um filme antiguinho para o post de hoje: Cartas para Julieta. Eu já mencionei algumas vezes ele aqui no blog, mas nunca teve uma postagem 100% dedicada a ele e acho que merece! Enfim, vamos lá? Que a sessão TBT já vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para quem não conhece a história, vou contar um pouquinho: Sophie viaja para Verona com o noivo Victor. Tipo uma pré-viagem de lua de mel. Mas chegando lá, ele acaba tendo de resolver as questões de seu novo restaurante e a nossa protagonista acaba conhecendo sozinha a doce cidade de Romeo e Julieta.

Até que ela acha uma carta antiga na Casa da Julieta e resolve respondê-la. O que parecia uma tentativa sem resposta, Sophie e as voluntárias desse ponto turístico da Itália se deparam com a visita surpreendente da destinatária Claire Smith e seu neto Charlie.

Seguindo os conselhos de Sophie, os três vão em busca do grande Romeo (quer dizer Lorenzo hahaha) da Claire. Ambos viveram uma paixão na juventude e pode ser que essa aventura renda bons momentos e um final feliz. Será? ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Enquanto O Diabo veste Prada dá um ânimo na minha vida profissional, esse filme de hoje me traz uma esperança que acalenta o meu coração em relação ao amor.

O cenário é incrível e é impossível não acrescentar no roteiro, depois dessa história, uma visita à Verona. Claro que o filme meio que não mostra a real de como a Casa da Julieta é cheia. Mas até que da última vez que eu fui, deu para tirar um monte de fotos com a dona do ponto turístico praticamente sozinha.

O decorrer do filme é bem amarradinho e nos dá a sensação de que tudo vai dar certo. Mas caso não dê: pelo menos a tentativa rolou e o caminho foi repleto de momentos inesquecíveis e surpreendentes. De arrancar inúmeros suspiros!

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Ah! Quem quer ser escritora, logo vai se identificar com a Sophie. Sobre a Claire… Se eu não tivesse a minha avó, com certeza, queria ter uma igual a ela. Bondade é seu segundo nome e perseverança o primeiro. E o que falar da carta que deu abertura a tudo o que acontece no filme? Um tapa na nossa cara.

A propósito, essas voluntárias que respondem as cartas de amor dos visitantes realmente existem (até onde eu sei, pelo menos). Eu nunca recebi uma resposta, mas sei de uma pessoa que recebeu e é a coisa mais incrível da vida. Para quem quiser saber mais sobre, é só correr nesse post da Teca Machado.

Quanto ao final é simplesmente lindo e inspirador. Algumas histórias começam, outras terminam. Mas todas nos ensinam que o amor sempre vale a pena e lutar por ele, na medida certa, também. Aliás, ao contrário do namorado da Andy (O Diabo veste Prada), não acho o Victor um babaca. Algumas vezes as pessoas mudam e não se encaixam mais e está tudo bem.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Em relação ao Charlie: amo o seu sotaque britânico e ele me irritou muitas vezes, mas ele é o meu crush da história e dá de 1000 a zero no Romeo hahaha. E têm outros personagens tão incríveis quanto, mas corre o risco de eu dar spoiler brabo, então, deixa para lá.

Destaque para a trilha sonora e para a cena do sorvete (que coloquei lá em cima). E só de escrever esse post já me deu saudade de viajar hahaha. A lição que fica? Deixar o “e se” para lá. Porque juntas, essas duas palavras podem ser mais nocivas do que imaginamos.

Enfim, se você não assistiu, recomendo. Já viu? Sempre vale um repeteco dele! ♥ No mais, podem opinar à vontade.

Beijos, Carol.

Post Antigo: Filmes com cenários incríveis!
Fan Page ♥ Instagram 


8
06.08.2020
* Beda 6 – TBT Pipoca: O Diabo veste Prada! ♥

Ei, Gente! :) Vamos para mais um filme antiguinho? Dessa vez: O diabo veste Prada, que tem a Anne Hathaway e Meryl Streep. Já falei algumas vezes sobre ele, porém, nunca teve um post especial e eu acho que merece. Então, pega a pipoca, que a sessão TBT vai começar. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Para quem não sabe, o filme conta a trajetória da jornalista Andrea Sachs, em um emprego que “toda garota gostaria de ter”: na revista Runaway. De quebra, ela ganha novos desafios ao lado de colegas não tão receptíveis assim e, claro, com uma chefe de deixar o cabelo em pé… Miranda Prestley. ♥

A princípio, parece mais uma comédia romântica clichê. Mas na minha humilde opinião, essa história vai além. Existe romance e tal, porém, a vida profissional é retratada com muito afinco e traz lições valiosas, nesse quesito. A propósito, sempre quando estou repensando esse lado, vejo esse filme e ele me dá uma injeção de ânimo.

Adoro a trilha sonora e a mudança do visual da Andy acho que coube direitinho. Não sei se seria bem aceita nos dias de hoje, mas mesmo entendendo alguns posicionamentos, é uma das partes que mais gosto do filme. Mudar essa parte é válido e se a mudança traz questões positivas, por que não? :)

Crédito da imagem: Adoro Cinema

Porém, a atitude do Nate (namorado da Andy), na época não me incomodou e até fiquei um pouco do lado dele. Mas depois de um tempinho, vi que ele foi bem incompreensível com ela. Quando alguém está construindo uma carreira é preciso ser mais flexível. Tudo bem que a Miranda Prestley não tinha limites, porém, poderia ter um equilíbrio ali.

Falando na girl boss. Ela é bem irritante com aquele “That’s all”, mas mostrar o lado b da vida dela é uma sacada bem incrível e a Andy mostra o quão empoderada é, reconhecendo essa visão. Falando nisso, eu amo o Nigel (deveria ter um filme só dele) e, até mesmo, a Emily.

E o que falar das cenas em plena Paris? Acho que me apaixonei pela Cidade Luz nesse filme! Enfim,é de arrancar suspiros e o meu sonho é jogar um celular naquela mini fonte hahaha. Não me julguem, por favor! =D

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Comparando o filme com o livro, digamos que o segundo é mais vida real. Os acontecimentos finais não são tão bonitinhos, mas nos ensinam muito e mostram a realidade de muitos trabalhos. Quanto ao primeiro, tem um quê mais hollywoodiano, porém, confesso que eu amo do mesmo jeito. Traz uma esperança e coube direitinho na adaptação. Então, recomendo os dois, inclusive, a continuação literária: A Vingança veste Prada.

Por fim, as lições que aprendi é que a gente tem que dar o nosso melhor e o que for viável. Colocar limites e conhecer os nossos é bom e se cobrar menos também! O Glamour é irresistível, mas tem o seu preço. Tem de ver o que te faz feliz. Ah! Desafios nos fazem sair da zona de conforto. ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

É isso, pessoal. Espero que tenham gostado desse TBT. E que ainda não assistiu, vi que está passando no Now (Net). No mais, podem opinar à vontade. E me contem: qual filme vocês querem ver nessa sessão TBT? :)

Beijos, Carol.

Post Antigo: 5 filmes feministas/femininos
Fan Page ♥ Instagram  


9
15.07.2020
* Para assistir: Festival Eurovision da Canção – A saga de Sigrit e Lars! ♥

Ei, Gente! :) Uma das minhas atrizes favoritas para comédia romântica e tal é a Rachel McAdams. Daí, quando vi que ela que interpretava a Sigrit, de Eurovision, tive que assistir, né? Então, para o post do dia trouxe a resenha dessa história que está disponível na Netflix. Boa sessão! ♥

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Lars e Sigrit são aspirantes a músicos, que se conhecem desde criancinhas. Finalmente, eles têm a oportunidade de representar a Irlanda na maior competição de músicas do mundo! Bom, não pelo motivo que imaginaram, mas no meio de uma comédia repleta de elfos, canções e etc, conseguem alcançar objetivos que vão além. ;-)

O que eu achei? Não é o meu filme favorito da vida, mas rendeu boas risadas! Aliás, quando eu vi o cartaz achei que era uma comédia romântica, porém, é mais pastelão mesmo. E apesar de muitas vezes revirar os olhos para esse gênero, até que eu curti. Os dois atores, principalmente, a Rachel, couberam direitinho no papel. Ela com leveza, ele com um tom mais apelativo, mas acho que deu um bom match.

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

A história não é cansativa e tem um ritmo bem legal, mesmo sendo um filme, relativamente, longo. Os personagens secundários fazem a diferença! Até o carinha do bar que pede sempre a mesma música inúmeras vezes. Me identifiquei hahaha. Algumas cenas são bem aleatórias e o humor meio ácido, mas como o gênero pede, não me incomodou tanto. Adorei a parte da apresentação final e a da casa do popstar russo (o Alexander), que a propósito me lembrou musicais clássicos.

Falando nisso, vi que não é a Rachel que canta de verdade no filme. Só no começo de algumas músicas, mas depois é uma cantora sueca que entra em ação. A propósito, fica bem na cara que ela está dublando, ai achei meio superficial. Mas é um mero detalhe, continuo achando ela incrível! No mais, passei a acreditar em elfos e a gente tem que tomar cuidado com os pedidos, que digamos que eles levam bem a sério. Demi Lovato que o diga (sim, ela participa).

Crédito da Imagem: Adoro Cinema

Gostei do desfecho, mesmo não entendendo alguns pontos. E a música “Ja Ja Ding Dong” vai entrar na minha playlist do Spotify hahaha. Acho que a parte do Lars com o pai no barco é bem fofinha e a cena final é divertida, mesmo com algumas piadas além da conta com os turistas americanos. Também fiquei apaixonada pelos cenários e coloquei na minha listinha para conhecer a Irlanda e Escócia.

No mais, vi que a gente deve ignorar as risadas maldosas e ir atrás dos sonhos e se adaptar a eles. Enfim, não é um filme para a família inteira, mas é uma história que pode render boas risadas no finalzinho do dia na sua própria companhia ou com o namorado (via Facetime). Recomendo. ;-)

Já assistiu? Conta o que achou. Ainda não? Fica a dica!

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: Quatro filmes para assistir com a Rachel McAdams
Fan Page ♥ Instagram  


13

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020