31.08.2020
* Beda 31 – 3 coisas que eu aprendi com o Beda! ♥

Ei, Gente! :) Dá para acreditar que chegamos ao último dia do Beda? Foi um desafio muito prazeroso, mesmo dando aquele trabalho. Então, para fechar com chave de ouro, decidi contar três coisas que eu aprendi fazendo posts todos os dias de agosto. Vamos lá? ♥

1. Organização é vida!
Observações da Pequena: Eu não sou a organização em pessoa. Mesmo tendo todas as ideias anotadas e tal, confesso, que muitas vezes preparo uma postagem nos 45 do 2º tempo. Qualquer contratempo, compenso no fim de semana. Mas no Beda não queria, ao máximo, agir assim! Então, para os fins de semana, que não são costumeiros por aqui, acabei conseguindo deixar agendado alguns posts. Me organizei e vi que dá um alívio! Cada um tem um jeitinho, mas comigo funciona muito listinha e, claro, planner. Espero conseguir fazer mais vezes isso. ;-)

2. Existe Beda na Blogosfera!
Observações da Pequena: Parece meio nada a ver esse tópico. Mas como os blogs não estão tão em alta (apesar de eu achar que a quarentena fez muita gente voltar para esse mundinho), se compararmos com outros cantinhos da internet, eu não tinha noção que encontraria blogueiros com o mesmo objetivo nesse mês!Deu para perceber que muitos participam desse tipo de desafio (e afins). E isso me fez ver que o blog está com tudo e há muito conteúdo incrível para ser compartilhado por aqui. Ainda bem! ♥

3. Quando você fez algo pela primeira vez?
Observações da Pequena:
Não é a primeira vez que participo do Beda, mas é a primeira que eu faço com tanto comprometimento. De agendar posts, de não postar por postar. Todas as postagens foram pensadas “o que esse tema vai acrescentar na vida do leitor?”. Claro, tudo o que é postado segue essa linha, mas às vezes a gente tem umas cartas na manga só para não ficar sem post, sabem? #confissõesdeblogueira hahaha ;p E no Beda isso poderia ter rolado, mas não rolou. E eu tenho muito orgulho!

***

É isso, pessoal. :) Muito obrigada a todos que acompanharam! Espero que tenham gostado o tanto quanto eu. Parabéns também para todas as bloggers que participaram. Agora com a programação normal, vou conseguir visitar com mais frequência os blogs amigos. Aliás, segue a listinha de alguns que eu sei que participaram do Beda 2020:

Inventando com a mamãe
Mãe Literatura
Depois de Nós
Meus amores

E uma coisa que eu confirmei ainda mais é o quanto eu amo criar conteúdo para o PJ blog. Adoro o Insta e o novo formato que planejei junto com a minha irmã para lá e não vou abandoná-lo de forma alguma. É uma troca bem boa por lá também. Mas sei lá, por aqui parece que tudo faz mais sentido!

Enfim, foi uma honra participar desse desafio e me sinto muito realizada! Recomendo a todos os blogueiros, nem que seja ao menos uma vez. Dá trabalho, mas no final, a sensação é incrível. Vão por mim!

Ah! Tenho de reconhecer um erro: acho que o sorteio de 11 anos do blog, tinha que ter sido feito por aqui. Mas para compensar, no próximo mês, estou pensando em algo bem legal para sortear aqui no bloguinho! Mil perdões!!

No mais, podem opinar à vontade. E Beda: até ano que vem. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: PJ Leu – Blogueiras.com
Fan Page ♥  Instagram


5
30.08.2020
* Beda 30 – Decor PJ: Eu amo tijolinhos! ♥

Ei, Gente! :) Uma das minhas lembranças de infância, era dormir na casa dos meus tios e disputar com as minhas irmãs quem dormiria na parte que dava para tijolinhos do quarto. Desde então, acho que esse tipo de decoração me conquistou. ♥

Um pouco mais velha, sonho com o meu cantinho de decor quando eu tiver o meu lar doce lar. E adivinha quem vai tá lá? Óbvio, os tais dos tijolinhos, que a propósito estão em alta desde sempre. Pelo menos, eu sempre vejo esse tipo de revestimento ou papel de parede por aí.

Crédito das Imagens: Pinterest
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Sabe o mais legal do protagonista do post? É que ele cabe em vários ambientes. A minha lembrança é do quarto junto à cama, mas essa decor é bem-vinda em vários cômodos. Pegando sala (que eu amo) e até cozinha (tem um quê meio industrial, digamos assim hahaha, mas me corrijam arquitetos e tal). ;-)

Crédito das Imagens: Pinterest
Crédito das Montagens: Pequena Jornalista

Os meus favoritos são aqueles brancos, mas opções que remetem a um tijolo “verdadeiro”, entre outras tonalidades também não faltam. Tem para todos os gostos! O original, por exemplo, tem tudo a ver com varandas e afins. Não acham?

Crédito das Imagens: Pinterest
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Enfim, essa decor pode ser vintage, rústica, clássica ou moderna. Quem faz ela é você! Siga o seu estilo, use sua criatividade. Opte por algo menos trabalhoso ou coloque a mão na massa, mas uma coisa eu digo: o ambiente fica tão lindo, que qualquer toque vai fazer a diferença no lar doce lar. Relembrando memórias ou construindo novas!

Agora me contem: gosta desse tipo de decoração? ;-) Podem opinar à vontade!

Beijos, Carol. ♥

Post Antigo: Decor – Almofadas!
Fan Page ♥  Instagram


5
29.08.2020
* Beda 29 – Eu amo moletom (colorido)! ♥

Ei, Gente! :) Eu já falei algumas vezes aqui no blog que sou apaixonada por moletom. Quanto mais divertido, melhor! Mas sabe o que andei reparando? Que no meu guarda-roupa, os meus não fogem muito do preto, branco e cinza.

Eu sei que o frio já está quase dando adeus, mas acho que essa peça nunca fica fora de moda. Principalmente, naqueles dias que a gente quer curtir a nossa casa, lendo um bom livro e tal. Porém, nada impede de dar um toque de diversão em looks para sair.

Enfim, pensando nisso tudo, separei cinco moletons coloridos para comprar futuramente. Vamos lá? Bom post. ♥

Crédito das Imagens: Loja Ophelia e C&A
Crédito da Montagem: Pequena Jornalista

Como falei aqui nesse post, estou adorando a tendência tie-dye. E quando eu vi esse moletom, da loja Ophelia, coloquei logo na minha wishlist. Achei linda a peça e, pelo que eu entendi, a gente pode acrescentar outras frases. Mas melhor confirmar, ok? E o que falar do E.T? Aqui em casa, somos apaixonadas por esse personagem e quando vi a Karol Pinheiro usando, fiquei desejando para ontem. Ele é da C&A! Ah! As duas lojas já comprei online, então, mega confio. ;-)

Crédito das Imagens: T Sete, Amazon e Dafiti
Crédito das Montagens: Pequena Jornalista

Eu não sou muito de usar amarelo, mostarda e afins, mas hoje em dia eu me jogo nessa cor com mais frequência. E acho que como estou querendo algo mais colorido, esse moletom das Meninas Super Poderosas é uma ótima pedida. Fora que elas marcaram a minha infância e adolescência. Essa opção é da marca T Sete, que eu nunca comprei, mas me contem aí se alguém já comprou e se deu tudo certo.

E eu sei, pode parecer não muito a ver comigo, mas por conta do meu pai, eu gosto de Jurassic Park e achei esse moletom da Amazon a coisa mais linda do mundo! E na tonalidade que eu curto bastante! Aliás, nesse site já comprei e chega bem rapidinho (ao menos aqui no RJ), com ou sem greve do Correio. ;-)

Por fim, eu também amo peças com palavras (sustentável), que dizem tudo. Achei lindo esse da Dafiti! Nessa loja, eu também não comprei ainda, mas a minha mãe e irmã já, então, acho que posso apostar em breve. O que acham?

***

É isso, pessoal. :) Podem opinar à vontade, ok?

Beijos, Carol.

Post Antigo: Looks para o Friozinho
Fan Page ♥ Instagram 


5
28.08.2020
* Beda 28 – Top 3: Calhamaço! ♥

Ei, Gente! :) Na última quarta-feira, fiz um post sobre alguns termos literários. Daí, resolvi fazer uma seleção com 3 livros bem volumosos que já li. Ou seja, aqueles calhamaços que indico! Aliás, perceberam como eu to um nojo usando essas gírias literárias? hahaha. Brincadeira à parte, vamos lá? Boa leitura! ♥

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

1. Calhamaço: Samantha Sweet, executiva do lar (Sophie Kinsella)
Sinopse:
Samantha Sweet é uma advogada workaholic, que não tem tempo para família, amigos e relacionamentos amorosos. Até o dia que dá a maior mancada corporativa da sua vida! Desesperada, vai dar uma volta e para em frente a uma mansão deslumbrante. Após ser confundida com uma candidata a empregada doméstica, a advogada se depara com seus novos “amigos”: máquina de lavar, ferro de passar e panelas. 
Quantidade de páginas: 510
Observações da Pequena: Assim como os outros livros da Sophie, esse é bem grandinho. Mas como é uma leitura para lá de divertida, vale cada capítulo. Juro! Ah! Tem uma resenha aqui. Na época, chamei uma amiga da facul para escrever.

2. Calhamaço: Minha história (Michelle Obama)
Sinopse:
Através desse livro de memórias, Michelle Obama nos convida para conhecer a sua vida antes e depois de ser a primeira-dama dos EUA. De forma envolvente, o leitor embarca na sua infância em Chicago, invade o jantar romântico entre ela e o Barack e sabe detalhes do endereço mais famoso do mundo: a casa branca. Uma história sincera, reconfortante e para lá de sábia de uma das mulheres que realmente fez e faz a diferença. 
Quantidade de páginas: 433
Observações da Pequena: Uma calhamaço que transformou um presidente dos EUA em meu crush literário, merece sempre destaque aqui no PJ hahaha. Mas falando sério: é um livro grande, às vezes cansativo, mas que traz tantas lições incríveis, que vale a leitura longa. Tem resenha aqui.

3. Calhamaço: A menina que roubava livros (Markus Zusak)
Sinopse:
Horas depois de ver seu irmão morrer nos braços de sua mãe, que era comunista, Liesel Meminger é adotada por Hans e Rosa Hubermann. Ao entrar na nova casa, trazia escondido na mala “O Manual do Coveiro”, livro que o rapaz que enterrou o seu irmão deixou cair na neve. Foi o primeiro dos vários livros que Liesel roubaria. Através dos livros, Liesel descobre um mundo diferente do cenário triste de uma guerra, que transformava a Alemanha diariamente. Ela descobre o real significado do amor, da amizade e da lealdade. E as palavras que Liesel encontrou nessas páginas seriam mais tarde aplicadas ao contexto da sua própria vida, sempre com a assistência de Hans, pai adotivo mais amável do mundo, e Max Vandenburg (o judeu do porão), Rudy Steiner e a Morte, que a propósito é a narradora.
Quantidade de páginas: 478
Observações da Pequena: É uma das minhas histórias literárias favoritas da vida. Demorei para terminar, não por conta do livro ser grande. Mas sabe quando a gente pega um apego pelo livro? Ficava naquela dúvida: termino ou não? O que será de mim quando acabar? Mais ou menos assim. Enfim, foi um dos melhores calhamaços da vida e que recomendo a todos! A gente só sente a quantidade de páginas por causa do apego que criamos, na minha humilde opinião. A resenha tá aqui. ♥

***

É isso, pessoal. Eu li por aí que não tem um número exato de páginas para ser considerado um calhamaço. Nesse post, peguei alguns dos livros com mais de 400 páginas. Mas fica a critério de cada leitor, ok?

Ah! E tente não se ligar em quantidade de páginas. Têm histórias com um milhão de capítulos, que a gente pode devorar em cinco dias e outras com poucas páginas e demoramos mais de um mês para finalizar.

Agora me indiquem um calhamaço de respeito. No mais, podem opinar à vontade. ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: 5 livros da Sextante
Fan Page ♥ Instagram   


8
27.08.2020
* Beda 27 – TBT Literário: Coisas pra fazer antes dos 30! ♥

Ei, Gente! :) O PJ Leu da semana é sobre um livro que li há um tempinho: Coisas pra fazer antes dos 30, da Lisa Lynch. Já falei algumas vezes sobre essa história, mas nunca tinha rolado um post completinho mesmo. Perguntei aqui se vocês gostariam de resenha e muitos falaram que sim. Então, esse pedido é uma ordem. Vamos lá? Boa leitura! ♥

Livro: Coisas pra fazer antes dos 30  | Editora: Panda Books | Autora: Lisa Lynch
Crédito da imagem: Pequena Jornalista
Nota de 1 a 5: 5 livros

Sinopse: A jornalista Lisa Lynch tinha uma listinha de coisas para fazer aos 30 anos, como engravidar, perder peso e escrever um livro. Até aí ok, mas ela teve de acrescentar de última hora “vencer um câncer de mama“.

Durante uma brincadeira com o marido, ela descobriu um caroço na mama e teve o diagnóstico da Porcaria (como a protagonista chamou a doença). Com dias bons e outros ruins, a autora resolveu criar um blog para escrever sobre esse inconveniente, que foi transformado em um livro.

Um relato para lá de honesto e leve, na medida do possível. Que faz o leitor chorar de tanto rir (acreditem, a Lisa tem esse poder) e de chorar mesmo. Mas o mais importante: olhar a vida através de um outro ponto de vista repleto de fé e esperança.

Minha opinião: Andando pela Bienal há um tempinho (acho que em 2011, por aí), me deparei com esse livro no stand da Saraiva. A capa foi o que mais me chamou a atenção e acreditei que era um chick-lit daqueles. Mas lendo o subtítulo, vi que a história ia muito além.

A escrita da Lisa me conquistou de cara. O livro é na primeira pessoa e todos, sem exceção, dão leveza à história. Aliás, por mais que a situação fosse dolorosa, ela tinha em mente de que se não encarasse de forma leve (na medida do possível), tudo seria bem pior. E acredito que essa maneira tenha tornado tudo mais de boa, tanto para ela, quanto para família, amigos e equipe médica.

Era incrível uma pessoa pensar que dane-se se o câncer vai levar o cabelo dela, o estilo ainda continua com tudo. Ela ainda queria ir numa cafeteria onde falassem o nome dela e não que fosse só mais um cliente. E, sim, é importante tratar bem os seus médicos, afinal, eles que vão salvar a sua vida. Em contrapartida, a protagonista e autora tinha os seus momentos mais isolada, efeito da Porcaria. Seja depois de uma sessão de quimioterapia ou de ver o seu pai sofrendo com tudo isso.

Falando neles, o pai dela é um dos meus favoritos, depois da Lisa. Ele é amoroso e tem os melhores conselhos (nunca durma brigado, se for possível) e o marido incrível mesmo, que fez toda a diferença nessa trajetória. O irmão foi na onda dela e tornou tudo mais tranquilo. E o que dizer do Dr. Parafusos frouxos? Aliás, como não amar esses apelidos?

Crédito da Imagem: Pequena Jornalista

Enfim, é um livro que vai muito além do câncer de mama. Ele fala sobre a importância da família, dos amigos. Aborda sobre ansiedade, entre outros temas que colaboram com todos, independente se você está passando por uma situação semelhante ou não. Na época, eu lembro que comentei com a minha psicóloga sobre o livro e ela acabou recomendando aos pacientes que passavam por isso e tal. Acredito que realmente, esse relato honesto, sincero e, até mesmo, divertido, faça a diferença na vida de muitos leitores.

Eu li há séculos e talvez por esse motivo, não lembre de tudo tim tim por tim tim. Então, desculpem se esqueci de comentar algo importante. Mas reler as anotações me ajudou e me deu vontade de ler novamente.

Ah! Eu soube que ela não está mais aqui com a gente. :( Deu um aperto no coração, mas sou muito grata por tantas lições valiosas. São capítulos que mostram que, independente do que aconteça, é possível transformar um limão em uma limonada. Claro, tudo no seu tempo. Obrigada de coração, Lisa. Recomendo muito a leitura! ♥

Beijos, Carol.

Post Antigo: 5 coisas que ninguém te conta sobre câncer de mama
Fan Page ♥ Instagram 


6

Pequena Jornalista - Todos os Direitos Reservados - Copyright © 2020